Formação

Os Religiosos

comshalom

 Os conselhos evangélicos e o estado religioso

 43. Os conselhos evangélicos de castidade consagrada a Deus,de pobreza e de obediência, visto que fundados sobre a palavra e o exemplo deCristo e recomendados pelos Apóstolos, pelos Padres, Doutores e Pastores daIgreja, são um dom divino, que a mesma Igreja recebeu do seu Senhor e com a Suagraça sempre conserva. A autoridade da Igreja, sob a direcção do EspíritoSanto, cuidou de regular a sua prática e também de constituir, à base deles,formas estáveis de vida. E assim sucedeu que, como em árvore plantada por Deuse maravilhosa e variamente ramificada no campo do Senhor, surgiram diversasformas de vida, quer solitária quer comum, e várias famílias religiosas, quevêm aumentar as riquezas espirituais, tanto em proveito dos seus própriosmembros como no de todo o Corpo de Cristo (136). Com efeito, essas famílias dãoaos seus membros os auxílios duma estabilidade mais firme no modo de vida, dumadoutrina segura em ordem a alcançar a perfeição, duma comunhão fraterna namilícia de Cristo, duma liberdade robustecida pela obediência, para assimpoderem cumprir com segurança e guardar fielmente a profissão religiosa eavançar jubilosos no caminho da caridade (137).

 Tendo em conta a constituição divina hierárquica da Igreja,este estado não é intermédio entre o estado dos clérigos e o dos leigos; deambos estes estados são chamados por Deus alguns cristãos, a usufruirem um domespecial na vida da Igreja e, cada um a seu modo, a ajudarem a sua missãosalvadora (138).

 Consagração ao serviço divino; o testemunho de vida

 44. Pelos votos, ou outros compromissos sagrados a elessemelhantes, com os quais se obriga aos três mencionados conselhos evangélicos,o cristão entrega-se totalmente ao serviço de Deus sumamente amado, de maneiraque por um título novo e especial fica destinado ao serviço do Senhor. Já peloBaptismo, morrera ao pecado e fora consagrado a Deus; mas, para poder recolherfrutos mais abundantes dá graça baptismal, pretende libertar-se, pela profissãodos conselhos evangélicos na Igreja, dos impedimentos que o poderiam afastar dofervor da caridade e da perfeição do culto divino, é consagrado maisintimamente ao serviço divino (139). E esta consagração será tanto maisperfeita quanto mais a firmeza e a estabilidade dos vínculos representarem aindissolúvel união de Cristo à Igreja, Sua esposa.

 E como os conselhos evangélicos, em razão da caridade a queconduzem (140), de modo especial unem à Igreja e ao seu mistério aqueles que osseguem, deve também a sua vida espiritual ser consagrada ao bem de toda ela.Daqui nasce o dever de trabalhar na implantação e consolidação do reino deCristo nas almas e de o levar a todas as regiões com a oração ou também com aacção, segundo as próprias forças e a índole da própria vocação. Por isso, aIgreja defende e favorece a índole própria dos vários Institutos religiosos.

 A profissão dos conselhos evangélicos aparece assim como umsinal, que pode e deve atrair eficazmente todos os membros da Igreja acorresponderem animosamente às exigências da. vocação cristã. E porque o Povode Deus não tem na terra a sua cidade permanente, mas vai em demanda da futura,o estado religioso, tornando os seus seguidores mais livres das preocupaçõesterrenas, manifesta também mais claramente a todos os fiéis os bens celestes,já presentes neste mundo; é assim testemunha da vida nova é eterna, adquiridacom a redenção de Cristo, e preanuncia a ressurreição futura e a glória doreino celeste. O mesmo estado. religioso imita mais de perto, e perpetuamenterepresenta na Igreja aquela forma de vida que o Filho de Deus assumiu ao entrarno mundo para cumprir a vontade do Pai, e por Ele foi proposta aos discípulosque O seguiam. Finalmente, o estado religioso patenteia de modo especial aelevação do reino de Deus sobre tudo o que é terreno e as suas relaçõestranscendentes; e revela aos homens a grandeza do poder de Cristo Rei e apotência infinita com que o Espírito Santo maravilhosamente actua na Igreja.

 Portanto, o estado constituído pela profissão dos conselhosevangélicos, embora não pertença à estrutura hierárquica da Igreja, estácontudo inabalavelmente ligado à sua vida e santidade.

 Regras e constituições: A relação com a Hierarquia

45. Sendo dever da Hierarquia pastorear o Povo de Deus econduzi-lo a abundante pastio (cfr. Ez. 34,14), a ela pertence regular comsábias leis a prática dos conselhos evangélicos, que tanto ajudam à perfeiçãoda caridade para com Deus e o próximo (141). Dócil à moção do Espírito Santo,ela acolhe as regras, propostas por homens e mulheres eminentes é, depois deaperfeiçoadas, aprova-as autênticamente; e assiste com vigilância e protecçãode sua autoridade aos Institutos, por toda a parte fundados para a edificaçãodo Corpo de Cristo, para que cresçam e floresçam segundo o espírito dosfundadores.

 Para que melhor se atenda às necessidades de todo o rebanhodo Senhor, qualquer Instituto de perfeição e cada um dos seus membros, podemser isentos pelo Sumo Pontífice, em razão do seu primado sobre toda a Igreja,da jurisdição do Ordinário do lugar e ficar sujeitos só a ele, em vista do bemcomum (142). Podem igualmente ser deixados, ou confiados, à autoridadepatriarcal própria. E os membros dos Institutos de perfeição, ao cumprir o seudever para com a Igreja, segundo o modo peculiar da sua vida, devem, de acordocom as leis canónicas, respeito e obediência aos Bispos, em atenção à suaautoridade de pastores das igrejas particulares e à necessária unidade eharmonia no trabalho apostólico (143).

 Mas a Igreja não se limita a elevar, com a sua aprovação, aprofissão religiosa à dignidade de estado canónico, senão que a manifestatambém na sua liturgia como estado consagrado a Deus. Com efeito, pelaautoridade que Deus lhe concedeu, ela recebe os votos dos que professam,implora para eles, com a sua oração pública, os auxílios da graça, recomenda-osa Deus e concede-lhes a bênção espiritual, unindo a sua oblação ao sacrifícioeucarístico.

 Pureza de vida ao serviço do mundo

 46. Procurem os religiosos com empenho que, por seuintermédio, a Igreja revele cada vez mais Cristo aos fiéis e infiéis, Cristoorando sobre o monte, anunciando às multidões o reino de Deus, curando osdoentes e feridos, trazendo os pecadores à conversão, abençoando as criancinhase fazendo bem a todos, obediente em tudo à vontade do Pai que O enviou (144).

 Finalmente, tenham todos presente que a profissão dosconselhos evangélicos, ainda que importa a renúncia a bens de grande valor, nãose opõe, contudo, ao verdadeiro desenvolvimento da pessoa humana, más antes afavorece grandemente. Na verdade, os conselhos evangélicos, assumidoslivremente segundo a vocação pessoal de cada um, contribuem muito para a purezade coração e liberdade de espírito, alimentam continuamente o fervor dacaridade e, sobretudo, como bem o demonstra o exemplo de tantos santosfundadores, podem levar o cristão a conformar-se mais plenamente com o génerode vida virginal e pobre que Cristo Nosso Senhor escolheu para Si e a VirgemSua mãe abraçou. Nem se pense que os religiosos, pela sua consagração, setornam estranhos aos homens ou inúteis para a cidade terrena. Pois, mesmoquando não prestam uma ajuda directa aos seus contemporâneos, têm-nos semprepresentes dum modo mais profundo, no amor de Cristo, e colaboraraespiritualmente com eles, a fim de que a construção da cidade terrena se fundesempre no Senhor e para Ele se oriente, não seja que trabalhem em vão os queedificam a casa (145).

 Por isso, finalmente, o sagrado Concílio confirma e louva oshomens e mulheres, Irmãos e Irmãs, que, nos mosteiros, escolas, hospitais oumissões, embelezam a Igreja com a sua perseverante e humilde fidelidade namencionada consagração, e prestam generosamente aos homens os mais variadosserviços.

 Conclusão: perseverança e santidade

 47. Cada um dos que foram chamados à profissão dosconselhos, cuide com empenho de perseverar na vocação a que o Senhor o chamou,e de nela se aperfeiçoar para maior santidade da Igreja e maior glória da una eindivisa Trindade, a qual em Cristo e por Cristo é a fonte e origem de toda asantidade.

Capitulo I – O Mistério da Igreja »
CapituloII – O Povo de Deus »
Capitulo III – A Constituição Hierárquica da Igreja »
Capitulo III – O tríplice ministério dos Bispos »
Capitulo IV – Os Leigos »
Capitullo V – A Vocação de Todos à santidade da Igreja »
Capitulo VI – Os Religiosos »
Capitulo VII – A ìndole escatológica da Igreja Peregrina »
Capitulo VIII – A Bem Aventurada Virgem Maria Mãe de Deus »


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *