Formação

Padres da Igreja: Testemunhas privilegiadas da Fé!

comshalom

ntos

 No decorrer doano litúrgico algumas memórias e festas são dedicadas àqueles que foramchamados pela Sagrada Tradição de "Padres da Igreja". Receberam deinício este nome todos os escritores eclesiásticos que se distinguiram pelareflexão e construção da reta e Autêntica Doutrina Cristã (ortodoxia) nosprimeiros sete séculos do cristianismo.

 Sendo osPadres da Igreja testemunhas da Tradição viva recebida dos Apóstolos, os seusescritos contêm uma comunhão fiel professada por toda a Igreja. Esses escritosforam tantas vezes de caráter apologético (defesa da Fé diante das heresias, ouseja, dos erros acerca do ensinamento da doutrina cristã).

 Daí resulta onome "Patrística" (do Latim Pater = Pai). Os Padres da Igreja eramresponsáveis pela explicitação da doutrina cristã. Inseriam os fiéis,especialmente os mais jovens, numa nova vida gerada pelo conhecimento daVerdade. Desse mesmo radical vem o nome "Presbíteros" (Padres). OsPresbíteros (Sacerdotes) têm a missão de gerar e regenerar os filhos da Igreja.Depois o termo "Padres da Igreja" passou a ser usado para todos osque deram Testemunho da Fé (Não somente os Bispos), mesmo que não tenhamdeixado "nenhum escrito" e mesmo que não tenham sido canonizados.

 A Teologia dosPadres da Igreja nasceu de ocasiões precisas, de problemas da época que iamaparecendo nas comunidades cristãs. Não só em vista da catequese, mas uma viasegura quanto à aquisição da doutrina cristã e da profissão do Credo Católico.A Teologia dos Padres da Igreja sempre teve como base as Sagradas Escrituras("Norma non normata", a norma fundamental) e a Sagrada Tradição (aherança da fé dos apóstolos). 

 Ao longo dotempo quatro características foram delineadas para ser considerado um"Padre da Igreja": Doutrina autêntica, Santidade de vida, Aprovaçãoda Igreja e Antiguidade. Podemos dizer que dos Padres da Igreja, SantoAgostinho é a maior expressão. Situado no mundo medieval “Agostinho” foi oapogeu do pensamento antigo.

 O estudo dosPadres da Igreja sempre foi uma necessidade, e hoje ainda mais. "Recorrerà herança do passado e ouví-lo é, portanto, uma forma de preservar a identidadee a liberdade do homem". Tradição cristã é fidelidade ao que Cristoensinou e não lamentação por um passado. A Fé que recebemos dos apóstolos e dosque deram a vida pela Verdade continua viva na Igreja porque Cristo permanececom ela.

 A palavra dosPadres da Igreja continua inspirando o presente da Igreja e ajudando-a a darrespostas novas para um tempo novo e com desafios novos, no entanto, aautêntica transmissão é sustentada pela condução do Espírito Santo. Ele é agarantia de que a Verdade não muda e não envelhece. A autoridade dos Padres daIgreja sempre foi muito reconhecida, pois o que falaram e escreveram foramusados pelos mais importantes Concílios Ecumênicos da história no processo dedefinições da Fé e esclarecimentos ao Povo.

Também os Padres da Igreja falam para o homem contemporâneoatravés da volta do mesmo às fontes. Bem definiu o Cardeal Aloísio Lorscheiderquando se referia aos padres da Igreja: "Quem estuda as fontes é capaz decompreender qualquer situação da atualidade e fazer uma nova Teologia".

 

Santo Irineu e São Cirilo de Alexandria

Durante o mês de junho a Igreja faz a memória de dois Padresda Igreja: Santo Irineu e São Cirilo de Alexandria. “Irineu” (ano 202) éconsiderado o “Pai da Teologia” (reflexão sobre Deus), no sentido cronológicode ter sido o primeiro teólogo. Recebeu o título de Doutor da Igreja por tersido o primeiro a apresentar uma visão do conjunto da doutrina cristã.

Santo Irineu deixou-nos escritos importantes, como o“Tratado contra as Heresias”, na luta acirrada contra os “gnósticos” (Heresiaque colocava o “homem natureza humana” contra o “homem imagem e semelhança deDeus”). Irineu não admite esse esfacelamento do homem ao dizer: “A redenção nãoé para sair da carne, mas para elevar a carne”. A Igreja acredita que tenhamorrido mártir por volta do ano de 202 ou 203.

“Cirilo de Alexandria” (ano 444) é considerado um dosmaiores Padres da língua grega. Chamado de “Doutor mariano”, Cirilo presidiu oConcílio Ecumênico de Éfeso (ano 431), no qual discursou contra o heregeNestório (julgado pelo Concílio como portador de uma doutrina incompatível coma fé cristã) que negava a expressão católica de “Mãe de Deus” aplicada à NossaSenhora. Bispo e confessor, São Cirilo recebeu o título de doutor da Igrejatreze séculos após sua morte, durante o Pontificado do Papa Leão XIII.

Concluímos nossa breve reflexão sobre os Padres da Igrejacom a certeza de que não podemos amar aquilo que não conhecemos. Portanto, épreciso voltar sempre ao tesouro inesgotável e atuante da doutrina dos Padresda Igreja para se viver uma fé autêntica, límpida, desprovida de enganos ousombras de desconfiança.

Viver a fé ou mesmo querer fazer uma interpretação dahistória e da realidade sem se interessar pelos fundamentos é ficar sem averdadeira água viva da presença de Cristo na história da Igreja e nas suasverdades de fé explicitadas na imensa riqueza do nosso “Credo”, tornando-seassim bálsamo, consolo, orientação segura para o homem de hoje, chamado a sertestemunha da fé, assim seja, amém! 

FONTES:

 – Congregação para aEducação Católica. O estudo dos padres da Igreja na formação sacerdotal, Vozes, 1990;
-Luigi Padovese. Introdução à Teologia Patrística, Loyola, 1999;
– C.Folch Gomes. Antologia dos Santos Padres. Paulinas, 1985.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *