Igreja

Papa: restaurar a natureza danificada significa restaurar a nós mesmos

Neste dia Mundial do Meio Ambiente, o pedido do Pontífice é que possamos assumir nossas responsabilidades e reparar de forma rápida e consciente o nosso ecossistema.

comshalom

Com criatividade e coragem, tornemo-nos uma “geração da restauração” para os ecossistemas. “Restaurar a natureza que danificamos”, na verdade, significa em primeiro lugar, restaurar “a nós mesmos”.

Esta é a exortação do Papa numa vídeo-mensagem lida em inglês pelo secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin, dirigida a Inger Andersen, diretora executiva do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), nesta sexta-feira (04/06), e a Qn Dongy, diretor-geral do Fundo das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). O foco é o Dia Mundial do Meio Ambiente que será celebrado hoje. É uma celebração especial porque se realiza no ano em que começa a Década da Restauração de Ecossistemas, promovida pelas Nações Unidas.

Pouco tempo, não continuar com a destruição

“Temos pouco tempo”, dizem os cientistas, “para restaurar o ecossistema”. Daí a importância de assumir compromissos de dez anos, intensificando os esforços para reverter a degradação dos ecossistemas, que foram explorados por muito tempo. “Corremos o risco de inundações, fome e graves consequências para nós e para as gerações futuras”. Por isso, é necessário “cuidarmos uns dos outros e dos mais vulneráveis entre nós”. “Injusto e insensato” é continuar no caminho da destruição do homem e da natureza. “Isto é o que uma consciência responsável nos diria”, enfatiza o Papa na mensagem.

Responsáveis com as gerações futuras

Portanto, é necessário agir “com urgência” para nos tornarmos administradores cada vez mais responsáveis com as gerações futuras: todos nós fazemos parte do “dom da criação”, como nos lembra a Bíblia. Esta interconexão com referência à ecologia integral é o fio condutor da mensagem de Francisco, na qual é mencionada várias vezes a Laudato si‘.

Muitas advertências

Olhando ao redor, vê-se de fato uma crise que leva à crise, à destruição da natureza, “assim como uma pandemia global que leva à morte de milhões de pessoas”, mas também as consequências injustas de alguns aspectos de nossos sistemas econômicos atuais e de numerosas crises climáticas catastróficas “que produzem graves efeitos nas sociedades humanas e até a extinção em massa das espécies”. São “muitas” as “advertências” que impelem a tomar medidas urgentes. Estas incluem a “Covid-19 e o aquecimento global”. Em termos concretos, espera-se que a COP26 sobre as mudanças climáticas, que será realizada em Glasgow, na Escócia, em novembro próximo, ofereça as respostas justas. Outra frente importante sobre a qual intervir é a dos sistemas econômicos. Precisamos rever o modelo de desenvolvimento atual, destacando o ponto chave de que “a degradação do ecossistema é um resultado claro da disfunção econômica”.

A esperança de um compromisso renovado

Apesar da preocupação, há esperança. A tecnologia pode ser direcionada para um progresso mais saudável. Há também um novo compromisso por parte de Estados, autoridades e sociedade civil, voltado para a promoção da ecologia integral. A palavra-chave é o conceito “multidimensional”, que “exige uma visão a longo prazo”, evidenciando também a inseparabilidade entre “preocupação pela justiça natural para com os pobres, compromisso com a sociedade e paz interior”, ressalta o Papa na mensagem, exortando a todos a assumirem responsabilidade para consigo mesmo, para com o próximo, a criação e o Criador.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *