Formação

Papel da mulher na sociedade contemporânea

Tendo em vista que a maior causa de toda deturpação da missão da mulher foi o desejo de “igualdade” fazendo com que se tornassem cada vez mais “masculinizadas” em busca do “seu espaço”, o que fazer para retornar ao estado que Deus sonhou para o homem e a mulher e que a cultura judaico-cristã disseminou por séculos a fio?

comshalom

Vale a pena começar essa reflexão pela conhecida passagem bíblica da mulher virtuosa: “Quem encontrará mulher de valor? Vale muito mais do que pérolas. Nela confia seu marido, e a ele não faltam riquezas. Traz-lhe felicidade, não a desgraça, todos os dias de sua vida. (…) Estende a mão ao pobre, e ajuda o indigente. (…) Está vestida de força e dignidade, e sorri diante o futuro. Abre a boca com sabedoria e sua língua ensina com bondade.” Será que se pode pensar que ainda é possível encontrar mulheres virtuosas como essa citada pela Palavra ou será que quando Jesus voltar “ainda encontrará fé sobre a Terra?”

Podemos perceber claramente na sociedade atual quão deturpada está a nossa visão diante do valor da mulher, por isso mesmo eu quis começar mostrando a mulher ideal do ponto de vista bíblico que em nada se compara ao sucesso pelo empoderamento pregado aos quatro cantos nesse tempo. De fato, Kierkegaard bem falou: “Odeio toda essa conversa sobre a emancipação da mulher. Deus não permita que isso se dê. (…) Nem o mais vil dos sedutores pensaria numa doutrina mais perigosa para a mulher, pois, depois de fazê-la crer nisso [no que é apregoado pelas feministas], ela estará completamente em suas mãos, à mercê das vontades dele, e não será para ele nada além de objeto de suas fantasias, isso quando, como mulher, ela poderia ser tudo para ele.” E até Nietzsche falava que essa emancipação seria a perda de toda feminilidade que ainda existe nas mulheres.

Tendo em vista que a maior causa de toda deturpação da missão da mulher foi o desejo de “igualdade” fazendo com que se tornassem cada vez mais “masculinizadas” em busca do “seu espaço”, o que fazer para retornar ao estado que Deus sonhou para o homem e a mulher e que a cultura judaico-cristã disseminou por séculos a fio? De fato, o homem e a mulher são iguais em dignidade de filhos de Deus e imagem e semelhança do Criador; mas também é real que eles são diferentes física, biológica, estruturalmente, assim como diante da sua missão na sociedade e no mundo. Desçamos no entendimento do papel da mulher partindo de princípios como o serviço, a delicadeza, a maternidade, a receptividade e o amor.

Tenho certeza que todos as virtudes citadas acima e que são identificadas como eminentemente femininas podem gerar um certa “repulsa” se você cresceu com ideias feministas de progresso da mulher a todo custo, mas gostaria de lembrar que os nossos escritos citam que “O verdadeiro progresso é interior” e as virtudes são seu fruto mais proeminente!

Diante do mundo atual, o serviço é visto como algo degradante, como se as melhores pessoas fossem aquelas que têm algum merecimento em serem servidas. “O serviço é visto como antidemocrático e humilhante; e a humildade é uma virtude que já não tem lugar no mundo secularizado”, como diz Alice Von Hildebrand. A autora também reflete que essa maneira de pensar deixa de levar em conta o que o próprio Cristo nos falou, “Não vim para ser servido, mas para servir.” A virtude da humildade que o serviço supõe é uma das mais belas encontradas em Nosso Senhor e na Virgem Maria, em quem nós devemos nos inspirar para adquirir, já que o “manso e humilde de coração” é o único que pode nos dar essa graça, pela intercessão daquela que é a “serva do Senhor”. Se Jesus e Maria foram os primeiros a se colocarem a serviço, porque ainda rejeitamos tanto viver esse dom?

Um dos grandes privilégios que o Criador deu às mulheres foi o dom da maternidade, a graça de carregar duas almas em seus corpos durante a gestação.

Mas, há de notar que isso só foi possível diante da virtude feminina da receptividade! Há muitos que preferem morrer a ter uma dívida com outrem, a aceitar receber algo; e é muito próprio dos homens não quererem aceitar ajuda em momentos difíceis. Sobre isso, Kierkegaard fala da “humilhação de tornar-se um nada nas mãos daquele que oferece ajuda, para quem todas as coisas são possíveis.”

 

Para a mulher, é próprio ser esse receptáculo, desde a sua natureza biológica, já que é ela quem recebe a semente que será fecundada e pode dar ao seu marido, depois de 9 meses, o fruto dessa receptividade, que é um ser humano com alma imortal e feita à imagem e semelhança de Deus. Esse é o maior fruto da receptividade feminina que também pode ser visto na simplicidade do dia-a-dia, ao aceitar o consolo, o cuidado, o carinho e a proteção daquele que foi colocado ao seu lado, mas também dos amigos e irmãos que lhes são dados. Quão belo é perceber a docilidade da mulher que se deixa ser cuidada e não se corrompe diante do pensamento atual da autossuficiência. Ela tem sempre em mente que o depender é próprio da natureza humana, sendo ele de Deus e da sua Graça ou do outro que lhe oferece ajuda.

 

A maternidade é dada a todas as mulheres; como diz Gertrud Von Le Fort em seu livro A mulher eterna. “Ser mãe, ter o sentido maternal, significa voltar-se especialmente para os mais necessitados, debruçar-se amável e caridosamente sobre cada coisa pequena e fraca sobre a face da terra.”

Assim como as mães biológicas em tudo buscam suprir as necessidades de seus frágeis bebês, é próprio da mulher a piedade que induz ao amor! Nossa Senhora, na passagem das Bodas de Caná, busca também suprir as necessidades dos noivos diante da falta do vinho, e lhes oferece o melhor dos vinhos que só Seu Filho pode prover. A missão e o chamado da mulher contemporânea poderiam ser simplificados na capacidade de amar e de fomentar no homem esse chamado, humanizando-o; já que todo o gênero humano, em sua dignidade, é capaz de amar e foi criado precisamente para isso.

 

Desejo concluir essa reflexão com uma frase que eu considero célebre do livro O privilégio de ser mulher, já citado diversas vezes nesse excerto: “Um dia, todas as realizações humanas serão reduzidas a um monte de cinzas. Por outro lado, todas as crianças nascidas de mulher viverão eternamente, pois a elas foi concedida uma alma imortal, feita à imagem e semelhança de Deus.”


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *