Formação

Para gostar de sofrer

comshalom

tumblr_lgodhsxceY1qcgkjko1_500Cercada de anúncios e outdoors por todos os lados, a juventude de hoje acostuma-se a, cada vez mais, ser a principal vítima e fonte de lucro da mídia e da publicidade. Com as ondas que vem e vão em alta velocidade, os jovens se deixam tragar pelas supostas maravilhas que os anúncios apresentam, sem a responsabilidade de informar os efeitos que eles lhes trazem. Nessa dependência, eles se vêem forçados, sob pena de serem excluídos das rodas e dos grupos, a aceitá-las e abrem mão dos valores que deveriam nortear as suas vidas. Valores esses que lhes permitiriam viver, de maneira autêntica, alicerçados sob uma sadia personalidade e inspirados por uma sincera liberdade. Por que não abrem mão dessa obediência cega ao que é pregado pelos meios de comunicação, afastam-se de Deus e da missão que Ele lhes confia e que é fonte de felicidade eterna. Um exemplo disso é a massacrante luta travada pelo mundo, atualmente, contra aquilo que é uma das marcas principais da vida humana – o sofrimento. Com base em uma ideologia em que o ritmo da vida é ditado pelo prazer com que ela deve ser vivida, nasce no coração das pessoas um medo incontrolável de abraçar as dores e as cruzes do cotidiano. Como lhes é ensinado que o sofrimento é prejudicial e deve ser evitado a todo custo, cria-se uma legião de jovens marcada pelo relativismo e pela imaturidade, onde eles são destreinados a vivenciar um dos dons mais belos trazidos pelo Espírito Santo: a fortaleza diante da dor.

Santa Teresinha, em um de seus escritos, nos diz: “Entretanto, se na infância sofri com tristeza, já não é assim de sofro agora. É na alegria e na paz. Sou verdadeiramente feliz de sofrer”. Parece loucura afirmar hoje que é melhor sofrer com alegria no coração. Na mente dos jovens, aprece até antinatural. No entanto, o sofrimento é um dos mais eficazes meios de autocrescimento disponibilizados por Deus para nos socorrer. Abraçar com fé a dor que é imposta pelos revezes da vida deve ser, para os jovens cristãos, sinal de desafio e profunda felicidade, pois é por meio dela que a personalidade vai se moldando na maneira bela e santa. E também é por ela que nós nos unimos cada vez mais a Deus. São João Paulo II nos diz, na carta Salvifici Doloris, que o sofrimento “é algo tão profundo como o homem, precisamente porque manifesta a seu modo aquela profundidade que é própria do homem, e, a seu modo, a supera. O sofrimento parece pertencer à transcendência do homem; é um daqueles pontos em que o homem está, em certo sentido, ‘destinado’ a superar-se a si mesmo; e é chamado misteriosamente a fazê-lo”. Trata-se de um verdade incontestável – o homem encontra, no sofrimento, a chave mestra para entender a sua missão enquanto filho de Deus e encontra as respostas que lhe permitem superar as dificuldades próprias da sua humanidade ferida.

Certos lugares usam o slogan “Pare de sofrer” como forma de arrebanhar fiéis e garantir-lhes uma via fácil (e falsa) de felicidade. E o que é pior: utilizam-se dessa mentira usando o nome de Jesus. Ora, foi o próprio Cristo que abraçou livremente a cruz, como caminho autêntico de salvação e obediência a Deus, alertando para a necessidade de Seu sacrifício como oferenda agradável a Deus: “O Filho do homem deve ser entregue nas mãos dos homens. Matá-lo-ão, mas ao terceiro dia ressuscitará (Mt 17, 21-22). São Paulo nos diz, então, que o amor ao sofrimento é a forma ideal de nos unirmos a Cristo e a seu projeto de amor: “Com efeito, à medida que em nós crescem os sofrimentos de Cristo, crescem também por Cristo as nossas consolações. Se, pois, somos atribulados, é para vossa consolação e salvação. Se somos consolados, é para vossa consolação e salvação. Se somos consolados, é para vossa consolação, a qual se efetua em vós pela paciência em tolerar os sofrimentos que nós mesmos suportamos”.
Dessa forma, suportar o sofrimento pela via do sacrifício não é, de forma nenhuma, sinal de radicalismo ou falsa piedade; pelo contrário, amá-lo e aceitá-lo como um bem é a maneira mais eficaz de superá-lo, a fim de que seja um meio para nos obter a salvação de Deus. Esse recado é válido para os jovens, sempre tão ávidos a viver os instantes da mocidade da maneira mais intensa possível, para que não fiquem estacionados na imaturidade e na fragilidade diante dos desafios da vida. Vivendo a juventude no materialismo e na busca dos prazeres, fugindo da sabedoria escondida na dor que é trazida pela realidade que o rodeia e pelos desafios que lhe são impostos, eles dão o primeiro passo rumo à autodestruição de suas personalidades e do seu caminho de salvação.

A nossa humanidade é marcada pelo pecado, trazido como herança pelos nossos primeiros pais e só derrotado pelo sacrifício de Cristo na Cruz. Da mesma forma, na nossa vida, o pecado só é aniquilado para dar lugar à vida de santidade em Deus quando nos predispomos a aceitar a dor que nos vem através dele. A partir daí, a redenção em Deus nos vem pela oferta da nossa vida como oferenda agradável à Trindade. A dor, aqui, não é um mal necessário, mas condição para uma perfeita purificação e salvação. Ainda na Salvifici Doloris, João Paulo II nos fala que “a salvação significa libertação do mal; e por isso mesmo está em relação íntima com o problema do sofrimento. Segundo as palavras dirigidas a Nicodemos (cf. Jo 3, 16), Deus dá o seu filho ao ‘mundo’ para libertar o homem do mal, que traz em si a definitiva e absoluta perspectiva do sofrimento”. E termina dando um autêntico conceito de sofrimento: “verdadeiramente sobrenatural e, ao mesmo tempo, humano; é sobrenatural, porque se radica no mistério divino da Redenção do mundo; e é também profundamente humano, porque nele o homem se aceita a si mesmo, com a sua própria humanidade, com a própria dignidade e a própria missão”.

É, pois, imperativo o amor ao sofrimento, sendo forma autêntica de união com a realidade salvífica de Jesus. O jovem de hoje, que vive perdido em busca do caminho verdadeiro da felicidade deve entender, então, que ela não se encontra somente no bem-estar pregado pelo consumismo e pela mídia, mas, principalmente, na sábia aceitação da dor, que é desafio e fonte de intensa riqueza espiritual.

Breno Gomes

 Formação: Fevereiro/2003

18.03Escolhi a Santidade é uma coletânea contendo três pregações do nosso inesquecível Ronaldo Pereira (A espiritualidade do jovem cristão; Parresia: a ousadia na evangelização; A violência de coração), com prefácio e adaptação da autora Emmir Nogueira. Um livro destinado aos violentos de coração.

Adquira o seu [AQUI]


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *