Institucional

Parabéns pelo Menino, Maria

O Menino nasceu, o Rei se fez pobre e veio até nós, o Cristo vive em nosso meio. Ficamos tão encantados com o Pequenino que esquecemos um “pequeno” detalhe: parabenizar a Mãe!

A mais pura das criaturas, fiel ao Pai em tudo, que abre o caminho da salvação para nós. Maria. A jovem Maria que deu o sim, o ‘fiat’ mais belo que possa existir. E graças a sua total confiança na voz do Pai, é Ela a primeira a ter o Verbo Encarnado aconchegado em seus braços. É a primeira a sentir Seu cheiro, Seu calor, Seu peso, Sua pele macia. A primeira a contemplar a fragilidade de um Deus que escolhe depender de seus cuidados. O sim de Maria concretizou a Esperança.

Maria não guarda seu precioso Menino para si, pelo contrário, ela permite que os homens (os pastores, reis, etc) contemplem com ela a Luz que irradia da manjedoura. Ela não exige luvas, máscaras, álcool em gel, para que se aproximem do seu Filho, mas ela sabe que o Seu Menino não é só Dela, mas de toda a humanidade. Junto dela, o amável e bondoso José a acompanha na contemplação do pequeno Jesus.

Aquela Criança gera nos corações de quem o contempla, alegria, paz, esperança. É o mistério da pobreza de um Rei que se abaixa, que se aproxima, que se faz dependente, que não é indiferente.

O Cristo que nasceu em Belém, nasceu também nos nossos corações. Ele escolheu fazer de nós a Sua manjedoura. E da mesma forma que os pastores, os reis, queriam vê-lo e tocá-lo, a humanidade quer vê-Lo e tocá-Lo em nós. Hoje somos nós aquela manjedoura e devemos, em todos os momentos, resplandecer a luz que vem Dele, deixar que toquem em nós o Deus pobre, o Deus próximo, o Deus que não é indiferente.

Da mesma forma que Maria, não exijamos “luvas, máscaras e álcool em gel”, mas que deixemos a humanidade ferida e sem esperança, tocar em nós – tocar o Menino que habita em nós – e contemplar a luz que Dele emana, dissipando toda escuridão, toda treva, todo mal.

Para a Mãe, nossas felicitações e profundo agradecimento por nos ensinar a amar, a dizer “sim”, a não guardar a Esperança apenas para nós.

Shalom, Maria. Parabéns!

Mayara Raulino


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *