Formação

Pensar na própria missão

Dom Geraldo M. Agnelo

Agosto, na Igreja do Brasil, tornou-se o mês das vocações. Desde a origem, a Igreja foi concebida por Cristo para ser Ele mesmo a continuar a missão de anunciar a boa nova do Evangelho e realizar o que ele fez: testemunhou o seu amor até a morte de cruz.

A palavra Igreja significa convocação do povo de Deus. Convocação de cada um e de todos que a formam para ouvir a sua Palavra, constituir-se comunidade, crescer juntos, na caridade, no amor a Deus e aos semelhantes, com a força e animação do Espírito Santo. Significa ser responsável não somente pela própria salvação, mas também do mundo.

A Igreja é convocação, nome apropriado porque convoca a todos e os reúne como diz o Senhor no livro do Levítico, quando estabeleceu Aarão como sumo sacerdote: “convoca toda a congregação diante da porta do tabernáculo do testemunho”. No Deuteronômio Deus diz a Moisés: “Convoca para junto de mim o povo para que me escute e aprenda a temer-me”.

O Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, logo ao início, nos lembra: “Na plenitude dos tempos, Deus Pai enviou seu Filho como redentor e salvador dos homens caídos no pecado, convocando-os para sua Igreja e tornando-os filhos adotivos por obra do Espírito Santo e herdeiros da sua eterna bem-aventurança”. A Igreja não é um lugar material e nem apenas uma reunião de pessoas que têm crença em comum, mas povo convocado para a escuta de Deus, do seu chamamento, para destinação a se tornarem filhos de Deus e testemunhas do seu amor perante o mundo.

Nossas reuniões no dia do Senhor, em especial, são convocações para o louvor daquele que nos chamou a celebrar o sacrifício de seu Filho na cruz e nos recordar sempre que somos enviados a anunciar a nossos semelhantes as maravilhas de nosso Deus. São João da Cruz escreveu: “A partir do momento em que nos deu o seu Filho, que é a sua única e definitiva Palavra, Deus nos disse tudo de uma só vez, nessa sua Palavra e não tem mais nada a dizer”.

A Tradição Apostólica, na Igreja, é a transmissão da mensagem de Cristo, realizada desde as origens do cristianismo, mediante a pregação, o testemunho, as instituições, o culto, os escritos inspirados. Os Apóstolos transmitiram a seus sucessores, os bispos, e por meio deles, a todas as gerações até o final dos tempos o que receberam de Cristo e aprenderam do Espírito Santo.

A Tradição e a Sagrada Escritura estão em estreita ligação e comunhão entre si. Ambas, com efeito, tornam presente e fecundo na Igreja o mistério de Cristo e brotam da mesma fonte divina: constituem um só depósito da fé, de onde a Igreja haure a própria certeza sobre todas as coisas reveladas.

No dia de Pentecostes, Jesus Cristo glorificado derramou em profusão o Espírito e o manifestou como Pessoa divina, de modo que a Trindade Santa foi plenamente revelada. A missão de Cristo e do Espírito torna-se a missão da Igreja, enviada para anunciar e difundir o mistério da comunhão trinitária, instaurar entre todos os povos o Reino de Deus, inaugurado por Jesus Cristo. A Igreja constitui aqui na terra o germe e o início desse Reino salvífico. Ela é mistério porque na sua realidade visível está presente e operante uma realidade espiritual, divina, que se percebe somente com os olhos da fé.

Assim a Igreja, povo de Deus, participa das três funções de Cristo: sacerdote, profeta e rei, porque os batizados consagrados pelo Espírito Santo para oferecer sacrifícios espirituais, aprofundam e testemunham a sua fé e, com o serviço, imitando a Jesus Cristo que, rei do universo, se fez servo de todos, sobretudo dos pobres e sofredores.

Os Diáconos, Sacerdotes e Bispos são consagrados pela força do Espírito Santo no Sacramento da Ordem a serem outros Cristos, isto é, ungidos pelo Espírito para anunciarem o Evangelho, a todos os homens e mulheres, e proclamarem a Graça da Salvação por todo mundo. Este é o mandato do Senhor “Ide, fazei meus discípulos todos os povos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo, e ensinando-os a cumprir tudo o que vos mandei. Eu estarei convosco até o fim do mundo. (Mateus 28,19-20).”

Somos imensamente gratos a Deus porque continua a chamar jovens para se consagrarem ao seu serviço na Igreja, edificando o seu Reino. Neste sábado, dia 05.08, ordenamos sacerdotes quatro jovens. Isto é motivo de alegria . Continuaremos a implorar a Deus com nossas orações, afim de que o Senhor chame muitos operários para sua messe, pois a messe é grande e poucos são os operários.


Comentários

[fbcomments]

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *