Formação

Pessoas depressivas, como ajudá-las?

comshalom

 

No seu amor infinito, Deus está sempre perto daqueles que sofrem

O papel daqueles que cuidam de pessoas deprimidas, e não têm uma tarefa terapêutica específica, consiste, sobretudo, em ajudá-las a recuperar a autoestima, a confiança nas próprias capacidades, o interesse pelo futuro, o desejo de viver. Por isso, é importante estender a mão aos doentes, fazer com que eles sintam a ternura de Deus, integrá-los numa comunidade de fé e de vida, na qual possam sentir-se acolhidos, compreendidos, sustentados, dignos, amar e serem amados. Para eles, como para qualquer outro, contemplar Cristo e deixar-se “guiar” por Ele é a experiência que os abre à esperança e os estimula a escolher a vida (cf. Dt 30, 19).

No percurso espiritual, a leitura e a meditação dos Salmos, nos quais o Autor Sagrado expressa, em oração, suas alegrias e angústias, pode ser de grande ajuda. A recitação do Rosário permite encontrar em Maria uma Mãe amorosa, que ensina a viver em Cristo. A participação na Eucaristia é fonte de paz interior, tanto para a eficácia da Palavra e do Pão da vida quanto pela inserção na comunidade eclesial.

Sabendo muito bem quanto custa para uma pessoa com depressão o que para os outros parece simples e espontâneo, é preciso ajudá-la com paciência e delicadeza, recordando o conselho de Santa Teresa do Menino Jesus: “Os pequeninos fazem passos pequeninos”.

No Seu amor infinito, Deus está sempre perto daqueles que sofrem. A enfermidade pode ser uma estrada para descobrir outros aspectos de si e novas formas de encontro com Deus. Cristo escuta o clamor daqueles cuja barca é ameaçada pela tempestade (cf. Mc 4, 35-41). Ele está presente junto deles para os ajudar na travessia e guiá-los em direção ao porto da serenidade recuperada.

O fenômeno da depressão recorda à Igreja e a toda a sociedade como é importante propor às pessoas, especialmente aos jovens, modelos e experiências que os ajudem a crescer nas dimensões humana, psicológica, moral e espiritual. Com efeito, a ausência de pontos de referência não pode, senão, contribuir para tornar a pessoa mais frágil, induzindo-a a considerar que todos os comportamentos se equivalham. Desse ponto de vista, o papel da família, da escola, dos movimentos jovens, das associações paroquiais é muito relevante devido à incidência que tais realidades possuem na formação da pessoa.

É significativo, portanto, o papel das instituições públicas para garantir condições dignas de vida, particularmente às pessoas abandonadas, enfermas e idosas. Igualmente necessárias são as políticas para a juventude, que visam oferecer às novas gerações motivos de esperança, preservando-as do vazio e dos seus perigosos substitutivos.

Extraído do discurso escrito por São João Paulo II, por ocasião da XVIII Conferência Internacional do Conselho Pontifício para a Pastoral da Saúde sobre «A depressão», celebrada no Vaticano de 13 a 15 de novembro de 2003.

Canção Nova


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *