Shalom

Plano de Desenvolvimento e Sustentabilidade: diretrizes econômicas facilitarão as ações de evangelização da Comunidade

O Plano tem como uma das finalidades contribuir com a integridade humana para melhor direcionar o olhar para a Economia do Reino e as obras de evangelização.

comshalom
Leandro Formolo, ecônomo geral da Comunidae Shalom no Retiro de Autoridades

O Plano da Providência Desenvolvimento e Sustentabilidade faz parte do Plano Evangelizador. Nele está contido a expressão da história do Carisma. Neste Plano se faz uma leitura, a partir da Economia do Reino, da Palavra de Deus, do Magistério da Igreja, do Catecismo da Igreja e do Carisma, sendo alicerçado a vida econômica, com base nas três colunas: providência, sustentabilidade e desenvolvimento.

A Comunidade vive da Providência Divina. Assim nos recordam os Estatutos: “A Providência é a fonte de todo o sustento e desenvolvimento dos meios necessários para a manutenção da Comunidade e de toda a Obra. Se o Senhor não edifica a casa, em vão trabalham os seus construtores (Sl 127,1). A Comunidade reconhece os bens como frutos da Providência Divina” (ECCSh, art. 185).

Assim, este Plano segue uma sequência de ações que devem impactar economicamente e contribuir para a geração de um “povo novo”. Abertos à ação do Espírito Santo, que faz novas todas as coisas e que sopra onde quer, deixemo-nos guiar pelas diretrizes propostas por ele.

Providência

Diante dos bens materiais, devemos acreditar não somente no efeito temporal, mas, ainda, no seu ordenamento último, sobretudo, no fim último, que é a Bondade Divina.

O Catecismo da Igreja Católica afirma que “a Divina Providência são as disposições pelas quais Deus conduz com sabedoria e amor todas as criaturas até seu fim último” (CIC 321), de modo que “o fim último é a glória de Deus, e a glória de Deus é o homem vivo, e a vida do homem é a visão de Deus” (CIC 294), portanto se queremos ver Jesus (Lc 19, 3) na administração dos bens, precisamos viver na lógica da Economia do Reino, que é a Divina Providência (ECCSh, art. 137). 

Esse aspecto da Divina Providência enche-nos de Esperança, que não significa outra coisa senão “o aguardar confiante da bênção divina e da visão beatífica de Deus” (CIC 2090).

Ainda nesta temática, a Providência é uma expressão fortalecedora da fé e da filiação divina, visto que, abandonados à providência, se permite ser cuidado pelo Deus Pai, e crescer nesta confiança filial que gera sentido de eternidade e manifestação maior da caridade. 

Sustentabilidade  

A fim de mergulhar no termo Sustentabilidade, a que se propõe este Plano, devemos partir inicialmente do termo grego para “economia”, que é “Oikonomia” e que significa “administração da casa e da família”, e do termo “sustentável”, que pode ter origem do latim: “sustentare”, o qual significa sustentar, favorecer e conservar.

No Plano, o conceito de Sustentabilidade está relacionado ao Desenvolvimento Econômico Sustentável, ou seja, formado por um conjunto de políticas, diretrizes, estratégias e demais atitudes economicamente viáveis.

Desenvolvimento

Já o Desenvolvimento ao qual se refere, além, é claro, a todos os outros tópicos deste documento, estarão sempre sujeitos ao discernimento da Vontade de Deus. Dessa forma, associamos o Desenvolvimento à Divina Providência, e o Espírito que o rege deve sempre ter sua origem e seu fim em Deus.  Iremos notar sempre uma mudança positiva, quantitativa e qualitativa.

Trará assim direcionalidade, isto é, uma direção e um propósito. E ainda mostra o crescimento e ao aperfeiçoamento e submete-se a uma série de estágios claramente definidos. Parte sempre de uma condição específica e clara, estabelece racionalmente uma ordem e, através de um processo gradual, busca a meta.

Finalidade do Plano 

De acordo com Leando Formolo, ecônomo geral da Comunidade, o Plano faz parte da evangelização, pois a evangelização é uma encarnação do verbo, estando dentro de uma vida econômica.

“Ao meu ver, a grande contribuição do Plano, que é a vida da Economia do Reino, é a dimensão santificante, é a dimensão de um povo novo. Não é um povo fragmentado, mas um povo inteiro, onde todas as dimensões da sua vida, espiritual, relacional, social, econômica, no trabalho, na relação com os pobres, seja um homem único, como Deus o criou e como Jesus o remiu”, afirma Formolo.

Deste modo, um novo olhar quanto a Economia do Reino surgirá, e dentro das novas diretrizes facilitarão na integridade do ser homem, mas também quanto a Obra do Carisma. 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *