Formação

Por que Maria é co-redentora e medianeira

comshalom

<!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}@page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;}div.Section1 {page:Section1;}–><!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}@page Section1 {size:595.3pt 841.9pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:35.4pt; mso-footer-margin:35.4pt; mso-paper-source:0;}div.Section1 {page:Section1;}–>

Nos últimos decênios registrou-se na Igreja um movimentofavorável à definição de um dogma referente à Maria Santíssima Medianeira,Co-redentora e Advogada do gênero humano. As expressões desse movimento, quelevou à Santa Sé as suas petições, vão, a seguir, analisadas, ao queacrescentaremos o parecer de teólogos consultados pelo S. Padre João Paulo II arespeito.

 

1. Os Fundamentos Teológicos

 

Um dos expoentes mais significativos do movimentopró-definição é o Prof. Mark Miravalle, docente de Mariologia na UniversidadeFranciscana de Steubenville, Ohio, U.S.A. Publicou em 1996 a obra Mary:Coredemptrix; Mediatrix, Advocata. Theological Foundations II. (Queenship Publishing Company, SantaBarbara, Califórnia, U.S.A.). O livro tem o Prefácio do Cardeal EdouardGagnon, que lhe dá certa autoridade e que argumenta do seguinte modo: não bastaque o povo de Deus acredite na função medianeira da Ssma. Virgem: é preciso queesta seja solenemente proclamada.

 

No corpo do seu livro, o Prof. Miravalle propõe a seguinteformulação dogmática:

 

“A co-redenção de Maria é aquele privilégio pelo qual aImaculada sempre Virgem Mãe de Deus cooperou livremente com e sob Jesus Cristo,seu Filho e Redentor, na Redenção histórica da família humana, desde o seu Fiatna Anunciação até o sacrifício do seu coração materno no Calvário; e assimMaria se tornou para nós a Medianeira de todas as graças da Redenção e Advogadado Povo de Deus”.

 

O autor da obra não se esquece o aspecto ecumênico ou poucoecumênico que tal definição apresenta; sabe que tanto os protestantes quanto oscristãos ortodoxos veriam na definição um obstáculo a mais para o diálogoecumênico; julga, porém, que uma reflexão aprofundada evidenciaria osfundamentos patrísticos do dogma. Com efeito; registra-se na literatura cristãdos primeiros séculos a expressão Nova Eva, que parece conter implicitamente ostítulos de Medianeira e Co-redentora.

 

Mais: Miravalle cita textos patrísticos e, entre outros, umsermão de S. Cirilo de Alexandria (+ 444), que dizia:

 

“Salve Maria, Mãe de Deus (Theotókos), venerável tesouro domundo inteiro, é por meio de vós que a Ssma. Trindade é adorada e glorificada”.

 

Cita outrossim o teólogo russo Sérgio Bulgakov, queescreveu: “A fé em Cristo que não inclua o seu nascimento virginal e a veneraçãode sua mãe e uma outra fé, é outro Cristianismo diferente do da IgrejaOrtodoxa”.

 

Para corroborar sua posição, Miravalle afirma outrossim quea proclamação da co-redenção de Maria lembraria ao mundo que a participação nossofrimentos de Cristo é colaboração com a obra redentora do Senhor tambémquando ocorre nas gerações posteriores à de Maria Ssma. Consequentemente aIgreja estaria dizendo uma palavra de reconforto aos que sofrem em nossos diase julgam que eutanásia e aborto são a solução para certos casos dolorosos; eispalavras de Miravalle:

 

“O exemplo de Maria Co-redentora diz à Igreja e ao mundo queo sofrimento é co-redentor. Isto tem imediato significado para as tragédias doaborto e da eutanásia, recursos estes que, cada qual a seu modo, negam osefeitos fecundos do sofrimento”.

 

O teólogo norte-americano dilata mais ainda o seu olhar,juntamente com o teólogo anglicano John Maquarre; é da opinião de que adefinição da livre participação de Maria na obra redentora seria uma réplica aodeterminismo professado por Lutero e Karl Barth, assim como pelos materialistastotalitários de direita e de esquerda: a livre cooperação da Virgem Ssma. seriaparadigma da liberdade com que todos os homens podem e devem responder aochamado de Deus, cumprindo a missão a eles confiada. Maria seria o símbolo daperfeita harmonia que deve existir entre a vontade de Deus e a resposta doshomens ao plano do Pai.

 

Eis as principais razões aduzidas por Mark Miravalle emfavor da definição dogmática dos títulos de Maria Medianeira, Co-redentora eAdvogada.

 

De resto, Miravalle não é senão o porta-voz de cerca de 500Bispos, 40 Cardeais e numerosos fiéis do mundo inteiro que, seguindo os passosdo Cardeal Mercier e de S. Maximiliano Kolbe, pediram à Santa Sé, no século XX,a mencionada definição. Vejamos agora a atitude do magistério oficial da Igrejaem resposta à demanda.

 

2. AResposta da Santa Sé

 

A atitude da Santa Sé frente às mencionadas petições temsido sóbria e prudente.

 

1. Assim nos anos anteriores ao Concílio do Vaticano II ou,mais precisamente, entre 1959 e 1962 foram levadas à Comissão Preparatória doConcílio 265 petições de Bispos que solicitavam “fosse a doutrina da MediaçãoUniversal de Maria definida como dogma de fé”, 48 Bispos pediam o mesmo,acrescentando, porém “se isso for considerado oportuno” – o que perfazia umtotal de 313 petições, número não desprezível. Durante o Concílio mesmo, taispedidos tornaram-se raros, chegando a cessar à medida que se adiantavam osestudos das sessões do Concílio, estudos sempre acompanhados de oração. Finalmentea Constituição Lumen Gentium, em seu capítulo VIII, apresenta uma síntesemariológica que não contém a definição dogmática da Mediação Universal deMaria; tal documento foi aprovado em 21/11/1964 por 2151 votos numa assembléiade 2156 votantes. Este resultado beirava a unanimidade e exprimia bem opensamento do magistério da Igreja: entre os 2151 votos favoráveis estavamcertamente quase todos os dos 313 Bispos que haviam pedido a definiçãodogmática da Mediação Universal de Maria Santíssima.

 

Ora trinta e três anos após a promulgação da ConstituiçãoLumen Gentium – o que é pouco tempo, se se leva em conta que os Concíliosgerais são raros e excepcionais – os referenciais eclesiológicos, teológicos eexegéticos do magistério da Igreja não terão mudado. De resto, o Papa Paulo VI,ao encerrar a terceira sessão do Concílio em 21/11/64, declarou que o capítuloVIII da Lumen Gentium vem a ser a mais vasta síntese que um Concílio ecumênicojamais ofereceu “da doutrina católica referente à posição que a SantíssimaVirgem Maria ocupa no mistério de Cristo e da Igreja”.

 

Ora na base de tais fatos compreende-se que o Santo PadreJoão Paulo II se veja obrigado à cautela e reservas diante do movimentopró-definição.

 

2. Ademais é de notar que as próprias noções de Medianeira eCo-redentora são ainda ambíguas e obscuras no campo teológico. Com efeito: osmanuais de Mariologia publicados nos dez últimos anos – e são cerca de vinte –não concordam entre si na maneira de entender o significado de tais atributosda Virgem Ssma. Todos são cautelosos no sentido de não afetar a figura singulare o papel único de Jesus Cristo Redentor do gênero humano. Ora essa falta deunanimidade é suficiente para se deixar de lado qualquer tentativa de definiçãodogmática.

 

3. Nota-se outrossim que os principais pronunciamentos daIgreja editados nos últimos decênios têm evitado sistematicamente o uso dotermo Co-redentora. Assim sejam citadas a Constituição Munificentissimus Deus(1950) e as encíclicas Fulgens Corona (1950) e Ad Caeli Reginam (1954) de PioXII; a Constituição Lumen Gentium do Concílio do Vaticano II (1964); asExortações Apostólicas Signum Magnum (1967) e Marialis Cultus (1974) de PauloVI e a encíclica Redemptoris Mater (1987) de João Paulo II. Todos estes textosdavam ocasião a que se mencionasse o título de Co-redentora, mas observou-seabsoluto silêncio a respeito. Ora, se tal tem sido a orientação do magistério,pode-se entender que nos dias atuais o mesmo hesite em proceder à definiçãosolene de tal título.

 

4. Ao invés de Co-redenção, pode-se falar, sem os mesmosriscos de ambiguidade e desvios doutrinários, de Cooperação de Maria na obra dasalvação do gênero humano. Tal vocábulo se encontra na Lumen Gentium nº 53. 56.61. 63. Já S. Agostinho utilizava o termo cooperatio em sua obra De SanctaVirginitate 6. O Papa João Paulo II, em sua catequese de 6/4/1997, falouamplamente da cooperação de Maria na obra da salvação.

 

Em lugar de Medianeira, recomenda-se o recurso ao título deMãe de Deus (Theotókos) e Mãe dos homens (cf. Jo 19, 25-27): Jesus quis confiaro gênero humano à tutela e à intercessão de Maria Ssma. (cf. Lumen Gentium nº53-56.58.61.63.65.67.69). Na qualidade de Mãe, Maria intercede em favor doshomens desde a sua gloriosa Assunção até a consumação da história dahumanidade, como se lê na seguinte passagem da Lumen Gentium:

 

"A maternidade de Maria na dispensação da graça perduraininterruptamente a partir do consentimento que ela fielmente prestou naAnunciação, que sob a Cruz ela resolutamente manteve e manterá até a perpétuaconsumação de todos os eleitos. Assumida aos céus, não abandonou esta salvíficafunção, mas por sua multíplice intercessão continua a granjear-nos os dons dasalvação eterna. Por seu maternal amor cuida dos irmãos do seu Filho que aindaperegrinam rodeados de perigos e dificuldades, até que sejam conduzidos à felizpátria.

 

Por isto e Bem-aventurada Virgem Maria é invocada na Igrejasob os títulos de Advogada, Auxiliadora, Protetora, Medianeira. Isto, porém, seentende de tal modo que nada derrogue, nada acrescente à dignidade e eficáciade Cristo, o único Mediador.

 

Com efeito; nenhuma criatura jamais pode ser colocada nomesmo plano com o Verbo Encarnado e Redentor. Mas, como o sacerdócio de Cristoé participado de vários modos seja pelos ministros, seja pelo povo fiel, e comoa indivisa bondade de Deus é realmente difundida nas criaturas de maneirasdiversas, assim também a única mediação do Redentor não exclui, mas suscita nascriaturas uma variada cooperação, que participa de uma única fonte.

 

A Igreja não hesita em proclamar essa função subordinada deMaria. Pois sempre de novo experimenta e recomenda-se ao coração dos fiéis paraque, encorajados por esta maternal proteção, mais intimamente deem sua adesãoao Mediador e Salvador” (nº 62),Posteriormente o Papa Paulo VI escrevia em sua Exortação ApostólicaSignum Magnum nº 1:

 

“A Virgem continua agora no céu a exercer a sua funçãomaterna, cooperando para o nascimento e o desenvolvimento da vida divina emcada uma das almas dos homens redimidos. É esta uma verdade muitoreconfortante, que, por livre disposição de Deus sapientíssimo, faz parte domistério da salvação dos homens; por conseguinte, deve ser objeto da fé detodos os cristãos”.

 

Este texto chama a atenção por propor, não em termos dedefinição dogmática, mas como algo de muito lógico, a cooperação de Maria Ssma.Na obra de salvação dos homens.

 

De resto, deve-se frisar bem que nem todas as verdades de féhão de ser promulgadas por definições solenes do magistério extraordinário daIgreja. O magistério ordinário, que ocorre mediante o ensinamento constante emoralmente unânime dos Bispos, é suficiente para fundamentar uma verdade ou umartigo de fé. O magistério extraordinário da Igreja (que se exprime emdefinições solenes) há de ser sempre extraordinário; intervém por excelência emcaso de debates teológicos para dissipar heresias que ameacem o patrimônio dafé.

 

O Papa João Paulo II, em sua encíclica Redemptoris Materconcebe a mediação mariana como mediação materna. É por essa mediação maternaque a Vigem coopera para a salvação de todos os homens. Todas estas ponderaçõesestavam presentes aos teólogos que redigiram parecer sobre a solicitadadefinição, quando reunidos em Czestochowa, atendendo a um pedido do Papa JoãoPaulo II.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Quanta heresia, como disse Jesus em Marcos 4:12 falo em parábola para que olhem é não vejam, escutem é não entendam, como dia em 2 Tessalonicensses 2-11 , eu enviei o edpiritodoerro para que eles acreditam na mentira, é permaneçam na mentira!
    Assim são vocês, vi em na mentira, praticam a idateia, porém a negam,mas não vi forem imagens. Só a misericórdia de Deus todo poderoso. Em nome de Jesus