Formação

Procurado e Amado por Deus

comshalom

Ninguém duvida que o ser humano seja o único dotado de liberdade e de vontade, capaz de dizer "sim" e "não", de construir o seu futuro na paz ou de destruir o seu presente, ameaçando o amanhã através da guerra e da destruição mais brutal. Nenhum animal, por mais feroz que fosse, inventou os campos de concentração ou lançou a bomba atômica sobre os outros animais. É verdade que os animais defendem os seus territórios, mas não abortam os filhos que a natureza lhes concede.

A inteligência humana é de uma capacidade tal que não é possível medir e que, de vez em quando, dominada pelo orgulho, é tentada a substituir Deus. Essa mesma inteligência crê-se no direito de ultrapassar qualquer limite e de satisfazer qualquer capricho e sonho, até de clonar o ser humano.

O ser humano, corajoso navegador nos mares do saber, é grande à medida que sabe ser humilde. A humildade não humilha, mas enaltece aquele que é consciente de que há limite em tudo e que, por trás de todas as coisas, está sempre o desconhecido, o mistério que só pode acolher na fé pura quem ama.

Por trás de todas as coisas que vemos está sempre o ser humano. Quando contemplamos os outdors luminosos que enfeitam as ruas e avenidas das grandes cidades, por trás deles está o homem que os pensou e realizou. Quando paramos extasiados contemplando uma pintura, uma obra de arte, por trás dela está o ser humano que com sua inteligência soube traduzir numa forma plástica e harmônica algo que nos convida à paz ou infunde em nós o horror para com o mal… Por trás de tudo está o ser humano, desejoso de ir sempre além. Assim é em todas as ciências: da medicina à arte, à arquitetura, à astronomia, à agricultura transgênica…

Tudo leva-nos a gritar com o salmista: "Que maravilha sou eu, Senhor". Saber maravilhar-se humildemente do que somos capazes de fazer não é orgulho, mas humildade. Humildade é caminhar na verdade, na busca da única verdade que nos liberta e nos faz adoradores do Deus escondido e presente.

Onde estás? … O que fizeste?

Mas por trás de todo homem está Deus, o Criador. Sem Ele nada existiria. O homem, para ser feliz, deve procurar a sua origem, o seu criador, a fonte de sua existência, este desejo que angustia e, em certo momento, faz-se dramático. É o único caminho da plenitude e da realização. Quem não tem fé sente-se necessariamente incompleto. Esta experiência de sentir-se incompleto e vazio não sou eu que afirmo, mas os filósofos de todos os povos e os teólogos de todas as religiões. A religião não é ópio e alienante, é necessidade para suprir a nossa deficiência. Deus nos criou necessitados e pobres, e isto faz parte da verdadeira antropologia. É o nosso DNA que, para ser pleno, deve estar ligado ao mistério.

Quanto mais estamos doentes, mais desejamos a saúde; quanto mais nas trevas, mais desejamos a luz. Assim, quanto mais estamos longe de Deus, consciente ou inconscientemente, mais o buscamos para dialogar com Ele.

Quando o homem descobre que está nu e tenta fugir de Deus, escondendo-se como nos relata o Gênesis, Deus sai do seu silêncio e vai à procura da criatura, criada por Ele por amor e feita à sua imagem e semelhança. Deus jamais poderá esquecer-se daquele que foi criado por amor e no amor. O amor é incapaz de esquecer. A memória do amor é mais forte do que a morte, recorda-nos o Cântico dos cânticos.

"Deus é o primeiro a chamar o homem. Ainda que o homem esqueça o seu criador ou se esconda longe de sua face; ainda que corra atrás de seus ídolos ou acuse a divindade de tê-lo abandonado, o Deus vivo e verdadeiro chama incessantemente cada pessoa ao encontro misterioso da oração. Essa atitude de amor fiel vem sempre em primeiro lugar na oração. A atitude do homem é sempre resposta a esse amor fiel" (Cat, 2567).

É necessário, para poder entrar no dinamismo da oração, sentir-se procurado e amado por Deus. Nós fugimos, mas alguém corre atrás de nós para que voltemos para a casa de onde saímos: o coração de Deus. Fora desta casa há frio, desolação, deserto, morte… Mas o homem geralmente gosta de "pedir as contas" a Deus Pai, como na parábola do filho pródigo, e percorrer outros caminhos, experimentar a brisa da falsa liberdade de fazer o que quer, de gerir a sua vida e de esbanjar o dom da graça. Mas, se for sincero consigo mesmo e com o Pai que abandonou, um dia, caindo em si mesmo, retomará o caminho da casa paterna.

O orante é quem percebeu a própria "nudez", a fragilidade, e escondeu-se para não se deixar ver tão miserável por Deus, que o havia criado tão belo, rico e bonito. Deus vem à nossa procura no nosso esconderijo de pecado e de dor, para reiniciar conosco um diálogo que nós mesmos interrompemos. É o que os místicos nos dizem constantemente: "Se é verdade que o homem procura a Deus, ainda é mais verdade que Deus procura o homem" (São João da Cruz). O próprio Jesus sai do coração do Pai para vir ao nosso encontro, para reatar conosco uma amizade que estava destruída pela força do pecado; e todos os profetas nos anunciam que o Senhor quer fazer conosco uma nova Aliança. Deus, em Jesus, veste-se da nossa humanidade para que não tenhamos medo, e vem nos procurar no deserto para reconduzir-nos ao redil, à casa paterna. Não podemos iniciar o caminho da oração se o orgulho, a auto-suficiência, a sede de poder e a soberba nos dominam.

Onde você se esconde? Quais são os pecados que lhe obrigam a "fugir de casa e se esconder", para que Deus não veja você na sua pobreza e miséria?
A oração nasce neste reencontro entre Deus, que nos busca, e nós que, medrosos, nos escondemos e insistimos em não querer voltar para casa. Só o amor é capaz de romper todas as barreiras do egoísmo humano.

A criação: primeiro livro da oração

Deus criou o universo e o colocou ao serviço do ser humano. Esta simples verdade comove-nos profundamente porque faz-nos compreender como nada teria sentido sem a presença do homem. Somente ele é capaz de agradecer, de louvar, de bendizer…de destruir. O primeiro livro que devemos aprender a ler, meditar e a transformar em oração é a criação, como obra-prima do amor criativo de Deus: "É sobretudo a partir da realidade da criação que se vive a oração" (Cat, 2569).

Vivemos numa sociedade da técnica, onde a criação se tornou simples ecologia e a defendemos não tanto por sua beleza e por uma necessidade contemplativa como escada e meio que nos elevam a louvar e a reconhecer a obra do Criador, mas puramente pela necessidade de sobrevivência. Hoje, mais do que nunca, sabemos que destruindo a natureza ou o ecossistema, estamos sujeitos a um suicídio coletivo. Se queremos continuar a viver, a habitar o planeta, devemos defender a natureza.

No entanto, não seriam necessárias leis para defender e cuidar da natureza se experimentássemos o amor por esta realidade que nos fala de Deus. A beleza do Criador se reflete nas suas criaturas. São Paulo da Cruz, em momento de íntima contemplação, gritava para as flores: "Vós falais mais forte de Deus do que eu". Deus nos dá o sentido contemplativo, amoroso, capaz do extasiamento diante de uma flor, descobrindo que o Criador das flores, dos campos, é muito mais belo que as flores.

Conta a história, não sei se é lenda ou realidade, que alguns filósofos iluministas insistiam em dizer que a necessidade de Deus não era outra coisa senão a projeção humana: "O homem ‘criou Deus’ e não Deus criou o homem". Para provar isto, isolaram uma criança num lugar bonito, com uma floresta linda e jardim com as mais belas flores. Colocaram perto da criança educadores ateus, que nunca e por nenhum motivo falassem para ela de Deus, de religião, do sobrenatural. Um dia, a criança estava brincando no jardim com uma flor e falava sozinha. Aproximou-se dela o educador, severo e ateu comprovado, e perguntou-lhe: "O que você está fazendo com esta flor e o que diz para ela?" A criança, com toda inocência, respondeu: "Digo: como tu és bela… mas quanto mais belo deve ser Aquele que te criou e te fez assim!"

Não é necessário que alguém nos fale de Deus. Nós o trazemos dentro de nós. É preciso somente debruçar-nos sobre as belezas da natureza para sentirmos o palpitar do coração e do amor do Senhor.

Francisco de Assis teve esta intuição contemplativa da presença cosmológica de Deus. Ele é o cantor livre e apaixonado do Deus presente nas coisas. Quem de nós não conhece o Cântico das criaturas? Para Francisco, todas as criaturas são irmãs e irmãos: "Louvado sejas, Senhor, por todas as tuas criaturas, principalmente o irmão sol que nos traz o dia e com o qual nos iluminas… Louvado sejas, Senhor, pela irmã lua e pelas estrelas que puseste no céu, claras, preciosas e belas! Louvado sejas, Senhor, pelo irmão vento…"

Os Padres da Igreja, quando falam da criação, sempre comparam-na a um jardim onde Deus gosta de passear entre as suas criaturas para contemplá-las e por elas ser contemplado. A delícia de Deus é passear entre os homens.

São João da Cruz, no seu poema Cântico Espiritual, fala-nos com uma ternura impressionante da beleza da criação: "Ó bosques e espessuras, plantados pela mão de meu Amado! Ó prado de verduras, de flores esmaltado, dizei-me se por vós Ele há passado!" (C 4).

Teresa de Ávila tinha um sentido especial pela água; nela via a forma mais plástica da oração, necessária para regar o jardim de nossa alma. Os místicos orientais também têm um apreço especial para com a natureza.

Voltar ao essencial

A beleza artificial nos agride e aliena da verdadeira e autêntica beleza da criação, que é sempre pacificadora e harmoniosa. O canto dos pássaros não agride ninguém, ele chega à profundidade do nosso ser e nos harmoniza. O perfume das flores, o canto das cascatas e a voz rumorosa dos rios, a beleza da luz do sol e das estrelas pacificam o nosso espírito. Mas quem de nós não se sente agredido pelo som a todo volume de um rádio, de um CD, de um violão elétrico? Quem não se sentiu na vida agredido pela luzes multicores que quase nos cegam?… É necessário voltar ao essencial da natureza para podermos reaprender o caminho do diálogo com o Senhor criador.

Responda rápido a estas perguntas:

– Quanto tempo faz que você não olha o céu estrelado?
– Quanto tempo faz que não contempla uma flor desinteressadamente, e não na floricultura: com a flor nos olhos e a mão no bolso?
– Quanto tempo faz que não pára para escutar o canto de um pássaro?
– Quanto tempo faz que não fica sozinho num lugar solitário, prestando atenção à voz do vento, ao murmúrio da água, ao correr dançante de uma lagartixa?

Faça da natureza o seu livro de oração. É claro, a natureza não tem voz, não tem sentimentos, não tem energia (não acreditamos na Nova Era e em coisas semelhantes), mas ela tem a capacidade de falar-nos do Criador, e nós, homens e mulheres com sentimentos, damos voz e sentimentos a tudo o que está ao nosso redor.
Abra lenta e silenciosamente o livro da natureza e deixe que ele te ensine e te fale de Deus. Acolha a voz da natureza, deixe-se guiar por ela até o Criador. "Tudo que respira louve o Senhor! Aleluia!" (Sl 150,6).

Venha comigo, meu irmão, a um lugar separado, distante, para escutarmos a voz do silêncio e, depois de termos louvado o Senhor, voltarmos à cidade dos homens para falarmos de Deus com o nosso silêncio, que é sempre amor. Quando não soubermos como rezar, não nos esqueçamos nunca: é só olharmos os lírios dos campos, as aves do céu, o azul do firmamento, o brilho das estrelas… e eles nos dirão quem é o Senhor.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *