Institucional

Projeto de lei que protege crianças do aborto deve ser votado nesta quinta (24)

defesa da vida

Ficou para esta quinta-feira, 24 de setembro, às 9h, a votação do Projeto de Lei nº 5069/2013, na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados. O projeto é um contragolpe à lei 12.845/2013, a Cavalo de Troia, que passou sorrateiramente pelas duas Casas legislativas. A Cavalo de Troia facilita a prática camuflada do aborto, sobretudo em instituições públicas de saúde, cumprindo uma política de redução de danos.

No texto da Cavalo de Troia, a linguagem esconde a palavra aborto, substituindo-a por profilaxia da gravidez. Assim, a gestação é designada como doença que deve ser prevenida. Também há a grande chance de que vítimas de violência sexual sejam convencidas, já no atendimento médico, a abortarem.

Outro ponto grave da lei: a atividade sexual não consentida pela mulher pode ser interpretada como qualquer ato libidinoso para além do estupro. Caso a mulher esteja grávida em decorrência de estupro, o aborto pode ser assegurado, mesmo sem os exames de corpo de delito e apresentação de boletim de ocorrência no hospital.

Evandro Gucci (PV/SP), relator do PL 5069/2013 – elaborado pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ) – quer a punição de quem lucra com o sofrimento de crianças e mulheres. “Esse projeto é uma resposta à sociedade brasileira que não quer o aborto. Queremos a punição daquele que friamente estimula e induz a mulher – inserida em uma séria de dramas existenciais, psicológicos e morais – a abortar. A luta é para que possamos erradicar a prática e a cultura da morte no país”.

Penas

Além da Cavalo de Troia, o PL traz alterações em mais duas leis: Lei de Contravenções Penais e Código Penal brasileiro. Na primeira, o artigo 20, que prevê o pagamento de multa para quem anunciar meio abortivo, é revogado.

Já no Código Penal, as mudanças acrescentam os artigos 126-A e 134-A, que dão penas de detenção entre seis meses a dois anos para quem auxiliar, induzir, instigar o aborto ou anunciar meios abortivos.

Se o induzimento ou anúncio for feito por agente de saúde, médico, farmacêutico ou enfermeiro, a pena sobe: de um a três anos de detenção. Em todos os casos, a pena também pode ser acrescida em um terço se a indução for feita a uma gestante menor de 18 anos.

A proposta vem sofrendo grande ofensiva da base governista, representada pela deputada Érica Kokay (PT/DF). Na última terça-feira (22), ela pediu a retirada de pauta do projeto e utilizou argumentos duvidosos sobre a criminalização do aborto. “O projeto fala da criminalização de quem porventura faça apologia ou contribua com a prática do aborto (…). Na União Soviética, quando se proibiu o aborto, cresceu o número de práticas. Esse projeto é um retrocesso às vítimas de violência”.

Em contrapartida, Evandro Gucci ironizou a colocação da deputada. “A criminalização do aborto na União Soviética trouxe o aumento do número de abortos… Então, eu já descobri a solução para acabar com os homicídios, com os furtos e com todas as modalidades de crime: é só revogar todo o Código Penal brasileiro e, magicamente, todos os crimes deverão desaparecer”.

Audiência sobre aborto no Senado

Às 9h desta quinta-feira (24), o Senado Federal dá continuidade à discussão acerca da Sugestão de Iniciativa Popular (SUG) nº 15/2014. A sugestão quer a regulamentação da interrupção voluntária da gravidez – eufemismo para aborto – dentro das 12 primeiras semanas de gestação. Na redação da SUG, todo o processo será abarcado pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Nesta audiência pública interativa estarão os seguintes participantes:

Maria Teresa Blandón – Ativista Feminista da Nicarágua

Stela Barbas – Doutorada e Mestre em Direito. Professora universitária em Portugal

Adelice Leite Godoy D’avila – Integrante do Movimento Pró-Vida de Campinas (SP)

Nazareno Vasconcelos Feitosa – Integrante do Movimento Brasil Movida do Distrito Federal

José Eustáquio Diniz Alves – Doutor em Demografia, Professor Titular do Mestrado e Doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE

Olímpio Barbosa Moraes Filho – Presidente da Comissão de Abortamento, Parto e Puerpério da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO)

Maria José Rosado Nunes – Coordenadora Geral do Católicas pelo Direito de Decidir

Pedro Stepien – Diretor Nacional do Pró-Vida

A audiência será transmitida (com direito a participação on-line) pelo portal e-Cidadania. Outra possiblidade de interação é pelo Alô Senado, no número 0800 61 2211.

 

 

Por Lilian da Paz 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *