Formação

Quadros e qualidades – a missão de cada um

comshalom

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

A pessoa é o tesouro maior de toda instituição na execução de suamissão e como possibilidade para que suas metas sejam alcançadas.Contam, sim, os equipamentos disponibilizados para agilidade e eficáciados processos. Porém, nada se compara à importância de cada pessoa –que é a riqueza maior de cada instituição, com sua presença,inteligência, singularidade e competência. Os processos modernos embusca de metodologias gerenciais corporativas dependem das pessoas.

Sua importância e singularidades são tão determinantes que pessoa epessoas podem fomentar a cristalização dos processos, criando emantendo dinâmicas e funcionamentos obsoletos, ou podem inaugurar aabertura de novas perspectivas e mantê-las com respostas pertinentes.Essa é uma abordagem de grande importância para a sobrevivênciainstitucional e a garantia de sua contemporaneidade e fidelidade à suaidentidade e missão. Não se pode descuidar da qualidade, sob pena defracassos e de prejuízos grandes para a configuração institucional e,sobretudo, o que é lamentável, para os destinatários dos serviçosprestados.

Os quadros formados por pessoas são determinantes para que umainstituição realize suas propostas e cumpra a sua missão. A escassez edesqualificação do pessoal, nos quadros de uma instituição, sãocomprometimentos certos. A qualificação, pois, dos quadrosinstitucionais é uma prioridade irrenunciável para se enfrentar nummundo contemporâneo de mudanças tão rápidas e múltiplas com galhardiaas transformações – sem perder o fio da meada e o foco, e ter condiçõespara que o serviço a ser oferecido seja à altura da qualidade da missãoda instituição e que define a sua identidade.

Examinar os quadros e qualificá-los é tarefa permanente e sempreurgente para que a instituição avance na consecução de sua missão eviva a fidelidade à sua identidade própria. É fantástico o exemplo quese encontra na maestria de Jesus formando os seus discípulos. Os quatroevangelhos, Marcos, Mateus, Lucas e João têm exemplos admiráveisfocalizando esse processo de formação dos discípulos tendo comoambiente vital a vida da comunidade. Vale a pena deter-se em conjuntosde passagens como aquela do Sermão da Montanha, narrado peloevangelista Mateus, nos capítulos cinco a sete. Outro exemplo rico é oconjunto da narração que o evangelista João faz nos capítulos treze adezessete do seu Evangelho. O ambiente vital da vida da comunidade,portanto a consideração central do outro, dos outros, tem a pessoa dodiscípulo como foco central.

Sua qualificação pela conquista de estatura interior e compreensãoadequada são garantias de fecundidade na missão que o Senhor Jesus lhesdá. As dimensões dessa missão ultrapassam os cálculos meramente humanosquando, por exemplo, narra o evangelista João, Jesus diz aos discípulosque assim como o pai me enviou, eu também vos envio, quebrando abarreira do medo e indicando um longo caminho pelo mundo. O mesmodesafio missionário é dado quando Jesus também, narra Mateus, lhesenvia dizendo: Ide e fazei discípulos meus todos os povos. A Igreja nocolégio dos apóstolos recebe esta grande missão que só é exeqüível pelaqualificação permanente dos seus discípulos, formando os seus quadrosde servidores nos mais diversificados serviços e ministérios.

A Igreja, também, uma instituição querida por seu fundador e Senhor,para execução da missão que recebeu do seu Mestre tem a insubstituíveltarefa de escolher e cuidar adequadamente da formação e provisão dosseus quadros nas diferentes instâncias na sua condição de anunciadora eservidora do Evangelho da vida. Convocado pelo Papa Bento XVI, a Igrejano mundo inteiro faz a abertura solene, 2009 – 19 de junho – 2010, deum Ano Sacerdotal, celebrando o 150º. ano da morte do Cura d’Ars, SãoJoão Maria Vianey, um sacerdote que marcou época na França, por suasimplicidade, proximidade do povo e serviço abnegado, fecundados porsua santidade de vida, cultivada pela oração sem cessar.

Todos os católicos são convidados a voltar, de modo especial, seuinteresse para um conhecimento mais profundo do dom do sacerdócio navida da Igreja, a importância do serviço sacerdotal, com orações, e umcomprometimento mais efetivo com sua promoção e vivência. De modoparticular, cada padre é chamado a revisitar o sentido do mistério desua consagração, como ungido pelo Espírito Santo e unido a Cristo, sumosacerdote, renovando seu amor e qualificando sua tarefa pastoral,cotidianamente realizada em comunhão afetiva e efetiva com o seu bispoe com os demais padres da diocese em favor do povo de Deus. O serviçodo padre é essencial na vida de uma Igreja toda ministerial. Suaalavanca é a santidade de vida – o amor preferencial pelos pobres e aosoutros. Seu compromisso: ser servidor contemporâneo. Seu desafio:delicadeza e acolhida, suas marcas essenciais.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *