Formação

Quais pensamentos estão na mente do ansioso?

A ansiedade é uma emoção humana fundamental que se reveste de uma importante função no que diz respeito à capacidade de adaptação do homem.

Unsplash

Segundo Barlow (2002, 104), a ansiedade se caracteriza por ser uma emoção orientada ao futuro, caracterizada por certa sensação incontrolável, principalmente diante de eventos imprevisíveis, na qual o foco da atenção se concentra potencialmente sobre o perigo de uma situação, ou sobre as reações afetivas causadas por essa (situação).

A ansiedade é uma emoção humana fundamental que se reveste de uma importante função no que diz respeito à capacidade de adaptação do homem. Deixa, porém, de ser positiva, quando assume características de persistência e quando, por exemplo, diante de uma situação normal, nos deparamos com certa tensão ou apreensão interior sem um real motivo.

É importante que partamos do aspecto benéfico que a ansiedade pode nos dar. Talvez, isso nos ajude a desdramatizar algo que vemos sempre como uma ameaça. Por exemplo, diante de uma prova para a qual precisamos estudar, e cuja data de realização se aproxima, a emoção da ansiedade nos faz estar mais em alerta. Conseguimos acordar mais cedo, parece que nossa inteligência e criatividade funcionam mais rápido, etc. Então, não existe algo de positivo, nisso? Como vemos, a presença da ansiedade nos ajuda a afrontar atividades que exigem nosso empenho, concentração, atenção. Enfim, parece que muitas vezes desenvolvemos até certa competência diante de novas situações.

 

Sã ou patológica?

Então, a primeira coisa a fazer é analisar se a emoção de ansiedade que sentimos é sã ou patológica. A pessoa que tem uma ansiedade doentia é aquela que amplifica tal emoção, mesmo diante de algo simples, normal. Ao invés de focar-se naquilo que deve fazer, ela fica presa em seu estado emocional.  Seu “foco” fica comprometido por uma espécie de apreensão, medo, temor; a sua mente ou “estado de cognição” fica totalmente concentrado no que está por vir, apartando-se do aqui e agora (momento presente). A persistência em tal estado vai, por sua vez, provocar respostas somáticas, ou seja, o corpo vai sentir também os alarmes de que algo não está normal, através de palpitações, sudoração, rigidez muscular, aceleração cardíaca, formigamento, boca seca, vertigens, cefaleia, alterações no sono, etc.

É interessante percebermos que a ansiedade tem um ápice, mas tenderá, sempre, a cair depois. Ou seja, não ficaremos para sempre em tal estado emotivo. Esse estado tem um ápice, que logo depois tende a cair. Quanto mais nos conscientizarmos que tal estado emotivo pode passar, mais o seu estado inicial tenderá a não chegar ao ponto máximo. E assim vamos vencendo a ansiedade.

Mas, quando a ansiedade se torna patológica? É quando esse “estado máximo” persiste por muito tempo e, sobretudo, sem ter uma razão concreta para isso. Antes que o acontecimento/evento chegue, o ansioso já está, literalmente, preso emotivamente ao que ainda nem aconteceu: preocupado, temeroso, fixado em tal pensamento e, consequentemente, mais comprometido em nível de outras emoções, como a angústia, sensação de fracasso, apreensão, e – outra consequência, a somatização, com os efeitos que descrevemos acima.

Leia também:

Como anda sua autoestima?

Resiliência não é sinônimo de autossuficiência

Mente ansiosa

Quais pensamentos estão na mente do ansioso? Segundo Muscella e Saba (2013), a mente do ansioso começa como que a ser contaminada por alguns “vírus mentais”, isto é, pensamentos e ideias negativas e, quase sempre, automáticas, que só alimentam a distorção da realidade, provocando, por sua vez, emoções desagradáveis e desconfortáveis. São chamados, também, de pensamentos disfuncionais.

São eles:

 Generalização (pensamentos com uso de palavras: como sempre, nunca, ninguém – que descrevem, de modo exagerado, uma determinada realidade);

Obrigação (uso exagerado de: eu devo, se deve, é preciso… conotando uma espécie de exigência sobre si, sobre os outros ou sobre uma situação);

Leitura de pensamento (crer que se sabe tudo o que se passa na cabeça do outro…. É diferente de uma intuição que, às vezes, vai se comprovando com o tempo);

Atenção selecionada (estamos atentos apenas àquilo com o qual concordamos, enfatizando, dessa forma, apenas alguns aspectos que nos convém, e ignorando outros); Razão emocional (considerar como verdade apenas aquilo que sentimos emocionalmente);

Pensamentos tudo ou nada (percebe-se somente duas alternativas, nunca existe uma via intermediaria); Catastrofização (fazer de um evento negativo simples, uma tragédia);

Culpar-se (interpretar os acontecimentos negativos com uma culpa pessoal, sem visualizar outros fatores). O ansioso permanece por um longo período preso em tais pensamentos, tendo-os como verdade e, dessa forma, perdendo um pouco a exatidão das situações diante das quais ele se encontra, e do que elas, na verdade, representam.

Segundo a linha Cognitivo-comportamental, são os pensamentos (cognição) desencadeados por um evento ou situação que provocam nossas emoções. Então, de tanto pensar disfuncionalmente, nossas emoções serão comprometidas negativamente e, então, pouco a pouco vamos adoecendo. Esse princípio é básico também para alguns tipos de depressão.

 

Cuidados preventivos…

Creio que nosso primeiro passo é desmistificar o conceito que temos de ansiedade, detectando que, até certo ponto, ela é benéfica à capacidade de adaptação do homem. Outro ponto, a meu ver importantíssimo: não rotularmos a nós ou aos outros de ansiosos, ou generalizarmos achando que tudo é ansiedade. Fazemos muito isso! Precisamos mudar um pouco nosso vocabulário, isso nos ajudará até a promover mais saúde em nosso ambiente comunitário!

 Gosto muito de fazer a analogia que devemos ser como “amortecedores” de um carro: podemos ser essa espécie de “amortecedores”, que suavizam e protegem nossos irmãos. O simples fato de gerarmos resiliência (valores, sistema organizativo, comunicação) já contribui para que o ansioso tenha um recurso extraordinário o qual o protege e o fortalece. Uma atmosfera fraterna sã é impressionantemente curativa! O aspecto da organização e comunicação ajuda muito aos outros que tem tendência à ansiedade! Por isso, através da prevenção, favorecendo um ambiente saudável, você tem muito a contribuir com pessoas que tem tais traços.

A atividade física também é um excelente ansiolítico natural, nos faz estar em contato com o nosso corpo (liberando catecolaminas* e endorfinas*) e nos desconecta de alguns pensamentos.

Outro ponto também é a velha percepção, ou observação. Ao perceber que sintomas de ansiedade perduram por algum tempo (+ ou –, os 6 meses com os sintomas descritos acima), precisamos recorrer ao tratamento adequado junto a pessoa: reforçar os encontros, ajudá-lo a ler melhor os fatos, promover o descanso, recorrer a um processo de terapia e, quando necessário, sempre orientados pelo profissional de saúde, a cura farmacológica. Com certeza, “emprestar um pouco” o nosso olhar para ajudá-lo a ler melhor a realidade e os acontecimentos vão favorecer muito.

Não nos esqueçamos que o ansioso se aprisiona em pensamentos e emoções que o comprometem, então o nosso olhar junto a ele, analisando situações e percebendo que se é possível, pode colaborar bastante nesse processo.

A prevenção é fantástica, não é? E digo mais, não precisamos obrigatoriamente ser médicos para fazê-la – se já estamos doentes, sim! O profissional de saúde é fundamental. Prevenir é colocar no nosso ambiente alguns ingredientes como envolvimento pessoal, sabedoria, visão do que pode vir a acontecer, usufruir dos dons que nos são dados no presente, enfim … assim construímos saúde pessoal e comunitária.

 

A ansiedade tem cura?

Uma emoção ou estado emocional tem cura? Ela precisa de fato desaparecer por completo? Creio que não. Porém, com certeza, precisa ser controlada, “domada” (como alguns cognitivos-comportamentais dizem). Por isso, podemos dizer que não nos curamos de ansiedade, mas aprendemos a controlá-la para que ela esteja a nosso favor, seja sã, e não maléfica.  Que até um certo ponto aconteça, acelerando dessa forma nossa capacidade cognitiva, alerta ao perigo, rapidez, criatividade.

 

                                                                                                                                                                                      Rômulo Araujo

 

BIBLIOGRAFIA

BARLOW D. H. (2002). Anxiety ande its disorders: the nature ande treatment of anxiety and panic. New York: Guilford Press.

BECCIU M., COLASANTI A.R. (2016). Prevenzione e salute mentale. Manuale di psicologia preventiva. Milano: Franco Angeli.

American Psychiatric Association (2014). DSM-5. Manuale Diagnostico e statistico dei disturbi mentali. Milano: Raffaello Cortina Editore.

MUSCELLA I., SABA A. (2013). La promozione della salute mentale. Roma: AIPRE.

WALSH F. (2008). La resilienza familiare. Milano: Raffaello Cortina Editore.

 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *