Formação

Quando a confissão comunitária pode ser feita?

comshalom

No dia 07 nov 2006 o Papa falou da Confissão Comunitária epediu aos sacerdotes para observar rigorosamente as normas da Igreja sobre osacramento da Penitência, em particular as que afetam à absolvição coletiva.

Ao constatar «a crise do sacramento da Reconciliação» o Papaconvidou os Bispos da Suíça, em visita “ad limina apostolorum” «a relançar umapastoral penitencial que estimule a confissão individual».

O Papa disse «Pedi a vossos sacerdotes que sejam confessoresassíduos, oferecendo generosamente aos fiéis horários apropriados para aConfissão pessoal; estimulai-os para que eles mesmos se aproximem comfreqüência deste sacramento».

«Exortai os fiéis a aproximar-se regularmente do sacramentoda Penitência, que permite descobrir o dom da misericórdia de Deus e que leva aser misericordioso com os outros, como Ele.»

A Confissão «ajuda a formar a consciência, a lutar contra asmás inclinações, a deixar-se curar por Cristo, a progredir na vida doEspírito».

O Papa convidou os sacerdotes «a observar rigorosamente asnormas da Igreja sobre a absolvição coletiva», «que exigem situações verdadeiramenteexcepcionais para recorrer a esta forma extraordinária do sacramento daPenitência».

Estas normas, recordou, são apresentadas pelo «Motu proprio»«Misericordia Dei», publicado por João Paulo II em 7 de abril de 2002.

Segundo este documento, a «absolvição geral» ou «coletiva»tem um caráter de excepcionalidade» e não pode enviar-se com caráter geral, anão ser que se dêem duas condições. O Catecismo da Igreja explica quando sepode realizar a Confissão comunitária:

§1483 – “Em casos de necessidade grave, pode-se recorrer àcelebração comunitária da reconciliação com confissão e absolvição gerais. Estanecessidade grave pode apresentar-se quando há um perigo iminente de morte semque o os sacerdotes tenham tempo suficiente para ouvir a confissão de cadapenitente. A necessidade grave pode também apresentar-se quando, tendo-se emvista o número dos penitentes, não havendo confessores suficientes para ouvirdevidamente as confissões individuais num tempo razoável, de modo que ospenitentes; sem culpa de sua parte, se veriam privados durante muito tempo dagraça sacramental ou da sagrada Eucaristia. Nesse caso, os fiéis devem ter,para a validade da absolvição, o propósito de confessar individualmente seuspecados no devido tempo (CDC, cân. 962,1). Cabe ao Bispo diocesano julgar se osrequisitos para a absolvição geral existem (CDC, cân. 961). Um grande concursode fiéis por ocasião das grandes festas ou de peregrinação não constitui casode tal necessidade grave (CDC, cân. 961,1)”.

É importante notar que a Igreja obriga a pessoa que realizouuma Confissão comunitária, se confessar com o sacerdote tão logo seja possível.Assim, a Confissão comunitária, embora válida, não substituiu a Confissãoauricular.

Note também que o documento declara que «não se considerasuficiente necessidade quando não se pode dispor de confessores por causa só deuma grande concorrência de penitentes, como pode suceder em uma grande festa ouperegrinação».

A primeira coisa que Jesus fez após a Ressurreição, no mesmodomingo, foi instituir o Sacramento da Confissão: “Dizendo isto soprou sobreeles e disse: Recebei o Espírito Santo; aqueles a quem perdoardes os pecados,os pecados ser-lhes-ão perdoados; aqueles aos quais os retiverdes, ser-lhes-ãoretidos” (Jo 20,22-23).

O Catecismo da Igreja ensina que “O perdão dos pecadoscometidos após o Batismo é concedido por um Sacramento próprio chamadosacramento da Conversão, da Confissão, da Penitência ou daReconciliação”(§1486). E que “Aquele que quiser obter a reconciliação com Deuse com a Igreja deve confessar ao sacerdote todos os pecados graves que aindanão confessou e que se lembra depois de examinar cuidadosamente suaconsciência” (§1493).

No mínimo uma vez ao ano todo católico deve se confessar; éum dos mandamentos da Igreja: “Todo fiel, depois de ter chegado à idade dadiscrição, é obrigado a confessar fielmente seus pecados graves, pelo menos umavez por ano” (CDC, cân. 989). Aquele que tem consciência de ter cometido umpecado mortal não deve receber a Sagrada Comunhão, mesmo que estejaprofundamente contrito, sem receber previamente a absolvição sacramental (Conc.Trento, DS 1647,1661), a menos que tenha um motivo grave para comungar e lheseja impossível chegar a um confessor (CDC, cân. 916; CCEO, cân.711). Ascrianças devem confessar-se antes de receber a Primeira Eucaristia” (CDC, cân.914). (§1457).

O Catecismo da Igreja chama o Sacramento da Confissão de“Sacramento de cura”. Certa vez o Papa João Paulo II disse que os consultóriosde psiquiatras estão cheios porque os Confessionários estão vazios.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *