Formação

Quarenta dias no deserto

comshalom

DESERTOComo rito das cinzas, na quarta feira passada, a Igreja abriu o tempo da Quaresma do ano litúrgico. É tempo de preparação para a Semana Santa, tempo de recolhimento, de reflexão, de oração sobre a morte e a ressurreição de nosso Senhor Jesus Cristo.

Começamos recordando os quarenta dias de Jesus no deserto, em recolhimento e colóquio com o Pai, antes de dar início à pregação do Reino. O recolhimento e a oração de Jesus inspiraram aos primeiros cristãos reviver e recordar a Paixão, a Morte e a Ressurreição do Senhor. Os cristãos, desde o começo, estavam decididos a colocar em prática o mandamento que o Senhor tinha dado aos apóstolos. Jesus na última Ceia, depois de ter distribuído o pão e o vinho, convertidos no seu corpo e sangue, disse: “Fazei isto em memória de mim”. Era o partir o pão, a Eucaristia, a Missa.

Os hebreus faziam cair a sua festa semanal no sábado, mas Jesus ressuscitou no dia seguinte, e os cristãos fizeram festa no dia seguinte que chamaram o dia do Senhor, em latim Dominica Dies, domingo. No domingo começaram a reunir-se, para cumprir o mandamento do Senhor, celebrar a Eucaristia. Para os hebreus, naquele ano a sua Páscoa caiu no sábado e assim com maior solenidade, comemoravam então a sua passagem da escravidão do Egito para a liberdade. Páscoa quer dizer passagem.

Também os cristãos passaram a considerar a Páscoa a sua festa máxima no seguimento de Jesus. Ele morreu e ressuscitou nos dias da Páscoa judaica. A Páscoa cristã significa também passagem: passagem de Jesus da morte para a vida. Naquele dia Jesus venceu a morte, libertando o homem do pecado e do mal. Bom motivo para celebrar festivamente.

Os primeiros cristãos passaram a comemorar aqueles acontecimentos centrais para a fé, com a Semana Santa. Deviam preparar-se de modo adequado: refletir, meditar, rezar. Para compreender Jesus profundamente é preciso tempo. Jesus deu o exemplo.

Depois do batismo recebido de João Batista para preparar-se para a sua missão, Jesus se retirou no deserto para rezar durante quarenta dias. Assim diz o evangelho de Marcos 1, 12-15: “O Espírito levou Jesus ao deserto e aí permaneceu quarenta dias”, para preparar-se em colóquio com o Pai celeste.

Os primeiros cristãos acreditaram que também eles tinham necessidade de tomar para si, cada ano, quarenta dias, para meditar sobre o mistério de Jesus morto e ressuscitado. Assim nasceu a Quaresma. Quaresma, em latim Quadragésima, significa quadragésimo dia. De quarta feira de cinzas até começar a Semana Santa são quarenta dias.

O que fazer nesse tempo? Os evangelistas nos apresentam Jesus como pessoa reflexiva que amava o recolhimento, a meditação, a oração. Seguindo o seu exemplo somos convidados a criar também para nós este clima de seriedade e de empenho.

Ser capazes de algumas vezes desligar o rádio e o televisor em nossa casa. Tomar em mãos um bom livro, abrir o Evangelho: ler, refletir, pensar em nossa vida, em nossos projetos, o que estamos preparando. Pensar nos que nos são caros, no significado de nossa presença em seu meio. Enfim no que pensamos fazer sob o olhar do Senhor.

Quaresma é tempo de reflexão, porque o cristão é alguém que pensa. É preciso aprofundar, compreender. Jesus depois de quarenta dias voltou para o meio da gente e começou a pregar: “O tempo chegou, o reino de Deus está próximo, convertei-vos e crede no Evangelho”. São palavras sérias e comprometedoras.

Convertei-vos,do grego metanoeite, significa mudar a mentalidade, o modo de pensar. Que se torne menos nosso e mais segundo Jesus.

Crer no evangelho. Somos tentados a responder: nós já cremos no Evangelho! Todavia nos resta ainda muito para compreender. Compreender não é tudo, devemos nos tornar coerentes, isto é, viver o Evangelho.

Ocorre pensar e pedir essas coisas. É hora de recolher-se em oração, fazer deserto. Aprender de Jesus, que se retirava de bom grado nos lugares solitários. Um pouco de escuta, de reflexão, de troca de ideias. Depois a volta à vida de todos os dias. Eis a surpresa: tornou-se diverso. Mudou-se por dentro.

A exemplo de Jesus, fazer jejum e viver intensamente a caridade.

 

Formação: Março/2009

25.02João Paulo II afirmou na quarta-feira de cinzas do ano de 1988: “Para nos recordar que ‘nas suas chagas fomos curados’ (Is 53,5) e suscitar em nós o horror ao pecado, a Igreja convida-nos a fazer muitas vezes, durante a Quaresma, a piedosa prática da Via-Sacra.” Com o desejo de colaborar em sua caminhada de conversão nesse período, as Edições Shalom lançam este livro: uma coletânea de meditações sobre a Via-Sacra a fim de que você possa, sempre que desejar, contemplar o mistério da Paixão e Morte do Senhor e, assim, configurar-se mais a Ele.

Adquira o seu [AQUI]


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *