Formação

Quero ser escravo

comshalom

Dom Anuar Battisti

Dianteda comemoração do dia da abolição da escravatura, realizada em 13 demaio 1888, pela Princesa Isabel e o Conselheiro Rodrigo Augusto daSilva, com a assinatura da lei áurea, pensei que essa data pudessedespertar, em todos nós, um reconhecimento,  pelo direito à liberdade,mas principalmente nossa gratidão e pedido de perdão pelos milhares deescravos que derramaram o próprio sangue no trabalho forçado, em nossopaís. Sei que ainda tem muitos, não só negros, vivendo em situaçãodeprimente para arranjar riqueza para patrões ambiciosos. A escravidãonão terminou, pelo contrário, é o grande desafio da sociedade moderna,fazer com que todos “ganhem o pão com o suor do próprio rosto”, comdignidade.

Hoje,constatamos uma série de novas escravidões que vai além do trabalhobraçal. A técnica, os avanços da informática, os novos e modernos meiosde comunicação social, como a internet, são sinais de progresso, demodernização cuja finalidade é aproximar pessoas, construir valores,criar relacionamentos verdadeiros. Ao mesmo tempo, gerou umamentalidade que está cravada na mente e no coração desde os maispequenos e humildes, de consumo desenfreado e absurdo. Somos hoje,escravos do celular,  carregando até nos momentos mais sagrados, nostemplos de oração, obrigando expor avisos de “desligue o celular porfavor aqui é lugar de oração”. 

Outraescravidão é a da internet, que trás mil e uma vantagem, mas que malusada, cria dependência e escraviza de tal forma, que já não se dialogamais com os da aldeia e sim com os da “aldeia global” . Os amigos jánão são mais os pais ou os filhos, já não importa quem está ao lado ese dele precisar é para o estritamente necessário. As relações sãofrias e formais, não tem espaço para o afeto e o calor humano que formaa mente e o coração de quem ama e ensina a amar. Escravos porquequeremos ser livres, livres para fazer o que mais convém ou para serperfeitos à imagem e semelhança de quem nos criou? As coisas de Deus,nunca podem ocupar o lugar do Deus das coisas. Tudo tem como finalidadepromover a dignidade de todos e Glória do Pai Deus.

Criadoscomo seres livres e para a liberdade, nos sentimos escravizados pelorelógio que corre contra o tempo, pela agenda que transborda decompromissos, pelos desejos que se somam intermitentemente numacorrente sem fim, pela vontade de querer fazer tudo e mais um pouco,dentro do menor tempo possível. Assim, dominados pelas exigências davida moderna, sentimos a necessidade de sermos escravos, não das coisase dos desejos, mas sim dos deveres e dos direitos de ser gente capaz detrabalhar com dignidade, de cultivar  auto-estima acreditando nospróprios talentos, o gosto de viver e defender a vida, de ter tempopara trocar idéias e criar relações de amizades que perduram,de ter umtempo para orar e medir com o criador a força da perseverança. 

Esseé um tempo de nos deixar escravizar pela prática do bem e da verdade,pela busca incansável de justiça e de paz, pela capacidade de dialogarcom o outro e com o totalmente outro. Esse é um tempo que jamais serepetirá em nossas vidas, seremos gente livre e com força de libertarquando formos escravos do amor a nós mesmos, para poder amar o outro,garantindo assim o maior amor ao Pai Deus. Quem sabe poderemos repetircomo a menina de Nazaré: “Eis aqui a escrava do Senhor, faça-se em mimsegundo a tua Palavra”(Lc 1,38).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *