Formação

Rasgando o coração

comshalom

Na última semana que vivemos antes de entrar nesta Quaresma, a liturgia nos presenteou com uma página evangélica das mais fortes. Quis o Senhor que ela também nos acompanhasse, aquecendo-nos o coração para este maravilhoso tempo de conversão; e é por ela que meditaremos sobre a purificação do coração, tão necessária à contemplação do Deus Verdadeiro e boa vivências das celebrações pascais. Dizia-nos o Senhor:tumblr_legnx2NecW1qb9uyvo1_500_large

 “Se tua mão, pé, olho te leva a pecar, corta-o! É melhor entrar na vida sem uma das mãos, pés, olhos, do que, tendo as duas, ir para o inferno, para o fogo que nunca se apaga.” (Mc 9, 43-48)

Não podemos negar … É fortíssimo! E imediatamente nos faz meditar sobre nossa conduta, para onde os nossos membros nos tem levado. Contudo, não podemos achar que Jesus seria ingênuo ou superficial o bastante para apenas mandar cortar uma mão, um pé ou arrancar fora um olho, crendo que isso resolveria o problema do pecado em nós. Superficiais seríamos nós se assim pensássemos. Ao longo da história houve mesmo quem se mutilasse achando ser esse, de fato, o teor mais profundo dessas palavras de Jesus. No entanto, a ordem de cortar fora o que nos leva a pecar transmite, em termos bem extremos, a radicalidade da disposição que devemos ter no rompimento com o pecado.

Ainda que não seja tão explícito, a dureza dessas palavras não aponta para outro lugar senão ao coração do homem, a sede de suas decisões, o único local onde pode haver uma verdadeira ruptura com o pecado. Entender isso neste tempo favorável é essencial para que o vivamos bem e possamos colher bons frutos de conversão e santidade. Não é apenas exterior. É bem mais profundo… O mais profundo possível. É lá no âmago de nossa consciência, no núcleo mais secreto, no sacrário do homem, acessível somente a ele mesmo e a Deus, que se dá esta ruptura radical e dolorosa; é no coração, que deve deixar-se purificar e converter pelo amor de Deus, passando pela cruz, “fazendo morrer o velho” que lá existe.

Na Quaresma, tudo nos inspira à penitência; a palavra sempre está nos impelindo de alguma forma ao sacrifício. Mas, qual é o sacrifício que realmente agrada a Deus? Podemos passar este tempo maravilhoso colecionando penitências e catalogando abstinências das mais variadas e criativas e, no entanto, não conseguir deixar-se levar pelo Espírito, com Jesus, ao deserto do próprio coração, para lá combater e dar a vitória ao Senhor. Assim, buscaremos a todo custo purificar-nos para as festas da Páscoa do Senhor, à força de nossa própria boa vontade, numa queda de braços sem fim com nossos limites e pecados, na ânsia de chegarmos perfeitos ou, pelo menos, “melhorzinhos” nas festas pascais. Sem perceber, estaremos andando em círculos, errando o alvo, pois é o coração o alvo da purificação que Deus quer realizar, e tudo será bem marginal se não for com foco na vida interior, na purificação do coração.

Pense bem: adiantaria combater algum tipo de vício ou desordem (a gula, por exemplo), bombardeando somente as suas manifestações exteriores (parando de comer)? Claro que não, pois não é na boca, na língua, nem mesmo no estômago que está a raiz de tal desordem, mas no coração. É aí que moram as ansiedades, o egoísmo, os desejos de compensação, as carências e toda sorte de desequilíbrios que podem expressar-se no pecado da gula.

Isto posto, recordo-me agora das palavras do nosso fundador, Moysés Azevedo, convidando-nos a uma experiência transformadora: “O único caminho que poderei dar para ser trilhado é o caminho que o Senhor me deu (…) a oração profunda”. A oração sincera e humilde, verdadeira, é a única garantia de que nossa esmola e nosso jejum serão de qualidade. Ou seja, não há esmola e jejum verdadeiros se não surgirem como fruto de um coração arrependido.

Isso quer dizer que toda penitência e sacrifício são inválidos? Absolutamente, não! Nossa co-fundadora, Emmir Nogueira, nas formações do Tecendo o Fio de Ouro, nos ensina magistralmente: “Não é o sofrimento que purifica, mas o amor”, nos mostrando, assim, que no fim de tudo, o que vale é deixar que o amor de Deus nos incendeie o coração, consuma em nós tudo que não é Ele, nos purifique. E a Palavra não deixa dúvidas: “rasgai o vosso coração, não as vossas vestes…” (Joel 2,13); “Meu sacrifício é minha alma penitente, não desprezeis um coração arrependido.” (Salmo 50/51).

A Quaresma, então, é tempo de intensificar os sacrifícios sim, e, principalmente, trilhar um caminho interior, buscando a verdadeira compunção de coração. Talvez até aqui nesta Quaresma você já tenha uma boa coleção de sacrifícios e penitências realizados, mas pouquíssimo caminho interior trilhado com o Senhor. Não seria o momento de um recomeço, deixando-se levar pelo Espírito até as profundezas do coração de Deus? Lá, certamente, nossa Quaresma e sacrifícios serão de tal forma incendiados pelo amor divino que não dará em outra: chegaremos aos ritos pascais mais assemelhados a Cristo, no qual todos os nossos sacrifícios são recapitulados e entregues ao Pai.

A própria liturgia da Quaresma nos faz suplicar a Cristo um coração penitente:

“Ó Cristo, sol de justiça,
brilhai nas trevas da mente.
Com força e luz, reparai
a criação novamente.

Dai-nos, no tempo aceitável,
um coração penitente,
que se converta e acolha
o vosso amor paciente.”

(Hino das Laudes / Tempo da Quaresma)

Que o Senhor nos conceda esta graça. Shalom!

Elkenson Costa

Formação Mar/ 2014


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *