Formação

Reflexão do dia: Independência e liberdade no processo de maturidade humana

Vamos falar sobre liberdade?

comshalom

O dia de hoje, feriado de 7 de setembro aqui no Brasil, nos remete às margens do riacho do Ipiranga, quando o então príncipe da Coroa Portuguesa, Dom Pedro, em viagem de Santos para São Paulo, decidiu levantar a espada do alto de seu cavalo e gritar “Independência ou morte”.

Os fatos históricos nos contam que, na época, era intenção de Portugal recolonizar o Brasil, porém, Dom Pedro, não concordando com tais ideais, em 7 de setembro de 1822, proclamou a Independência do país, onde a partir dali, nenhuma lei de Portugal seria colocada em vigor sem a sua autorização, marcando assim, o fim do domínio português e a suposta conquista da autonomia política.

É interessante lembrar que o o conceito político de independência – qualquer Estado que não dependa nem seja subordinado a outro – surgiu na Declaração da Independência dos Estados Unidos em 1776, que desencadeou, na sequência, em outros países, a disposição de se tornarem independentes e livres para aplicar as suas próprias leis.

Independência e liberdade

Conquistar a independência é também um processo natural do ser humano, quando, aos poucos, à medida que vamos crescendo, novas sensações vão sendo descobertas, desde o comer sozinho na primeira fase da vida à autonomia nas próprias escolhas, já na idade adulta.

Assim como vários Estados, antes de alcançar a independência, precisavam travar guerras ou revoluções, da mesma forma nós fazemos em nossos conflitos pessoais e interiores. No entanto, temos uma forte tendência de confundir a tal independência com a liberdade. Achamos que ser independente é ser livre, mas não necessariamente.

Como vários países, o Brasil se tornou, de fato e de direito, independente da Coroa Portuguesa, mas, o processo de libertação foi um processo que durou muito tempo. No âmbito pessoal, a independência das nossas vidas passa pela total liberdade interior, que também leva tempo para ser concretizada.

A independência e a liberdade na vida dos santos

Lembro aqui, dentre tantos outros santos, de Teresinha de Lisieux. Com 15 anos de idade, ao se tornar freira carmelita descalça e deixar a casa dos seus pais, livremente viveu no claustro de um pequeno convento na França. A sua vida, aos poucos, se tornou exclusiva de Deus, que nos menores atos, sabiamente, deixava sua alma independente, livre para conhecer o verdadeiro Amor e assim transbordar a todos, do assassino por quem ela intercedeu aos membros das missões que jamais visitaria pessoalmente.

Como ela, vários outros santos compreenderam e experimentaram o verdadeiro sentido de uma alma livre, porque souberam, sim, ser independentes para serem dependentes de Deus. A verdadeira liberdade se conquista assim!

Que neste dia, nossas orações possam apresentar a Deus o nosso Brasil, e que Ele nos ajude a ser um país não só independente, mas livre, formado por homens e mulheres verdadeiramente livres para amar.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *