Formação

Reflexão para a solenidade da epifania do Senhor

comshalom

Esta festa nos fala da abertura do Reino de Deus, abertura de suas portas de para em par, para acolher todos aqueles homens que possuem os sentimentos de paz, que buscam fazer o bem e evitar o mal, ou seja, Deus acolhe em sua casa todos os homens de boa vontade. É o redimensionamento do História da Salvação, ou melhor, é a plenificação de seus objetivos.

Se antes Deus possía um povo, o Povo de Israel, agora o Senhor torna público, de modo absoluto, o seu amor pelo Homem.
No presépio tivemos representando Israel, os pastores, agora, representando toda a Humanidade, temos os Magos. Portanto, a festa da Epifania celebra a manifestação do Amor de Deus a todos os Homens, não apenas ao Povo da Antiga Aliança, mas a todos os Povos de todos os Tempos!

Isso também vale para nós cristãos. Não somos donos do Amor do Senhor, mas temos a grata, a sublime missão de anunciá-lo a todos os homens. Não somos nós os batizados em nome da Trindade e nem os filhos da Antiga Aliança, os únicos chamados ao banquete celestial, mas todos aqueles que buscam a verdade, que são tementes a Deus, que fazem o bem e evitam o mal.

O Povo da Aliança deixa de ser um povo marcado pelo mesmo sangue e pela mesma cultura e passa a ser composto por aquelas pessoas que aceitam os ditames do Menino Deus, do Príncipe da Paz que surgiu na noite de Natal e bandidos e ressuscitou ao terceiro dia após ter sido setenciado como blasfemo e criminoso – por ter dito que era Deus e que era Rei – em uma cruz ao lado de dois malfeitores. Os ditames desse rei diferente de todos os demais são; amor, perdão, simplicidade de vida, generosidade.

Nas festas de Natal demonstramos nosso poder aquisitivo na compra de presentes e no preparo de nossa ceia, contudo a comida já foi para um lugar escuso e os presentes ou começaram a perder o seu valor e poderão irão parar nas mãos de quem não amamos. O tempo corrói! Mas as esmolas que demos, as visitas que fizemos, o tempo gasto com pessoas marginalizadas pela sociedade e também o tempo dedicado à oração foram contabilizados na economia da salvação, se transformaram em bens de eternidade, de acordo com os valores do grande rei, o menino que nasceu no presépio e morreu na cruz, após lavar os pés de seus discípulos.

Supliquemos com muita fé ao Senhor, peçamos a intercessão da Virgem Maria e de São José para mudarmos o nosso modo de pensar e de agir. Temos consciência disso tudo, somos evangelizados, praticamos a religião, mas o velho e viciado modo de pensar e de agir, fala mais alto na hora das decisões. É preciso uma grande graça de Deus para vivermos de acordo com o Evangelho de Jesus Cristo. A salvação não virá dos poderosos, nem do dinheiro, nem da sociedade consumista. Será de um coração despojado, fraterno, pobre, que confia em Deus e nele tem sua única riqueza que o Senhor se servirá para fazer o bem.

Bento XVI no almoço das festas de Natal, em que se sentou com os pobres atendidos pelas Missionárias da Caridade, falou que Madre Teresa de Calcutá “é um reflexo de luz do amor de Deus”! Tenhamos a coragem de romper com os vícios do passado e vivmos a autenticidade do Evangelho. Sejamos luz do amor de Deus, permitamos que em nós Ele faça sua Epifania como a fez em Teresa de Calcutá e em tantos homens e mulheres de todos os tempos. É preciso coragem! Não tenhamos medo! Coragem! Jesus disse que somos “sal da terra e luz do mundo”. Coragem! Ele venceu o mundo!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *