Formação

São Calisto I: Papa e mártir

comshalom

Um dos mais importantes e gloriosos na história da igreja é o pontificado de S. Calisto I, mas a sua figura luminosa está envolvida num halo de obscuridade e névoa, levantado pelas acusações e invejas dos seus adversários: Tertuliano, e sobretudo Hipólito Romano, o autor do livro chamado Filosofúmena. Enquanto este livro denigre e rebaixa quanto pode o nome de São Calisto, o Liber Pontificalis exalta-o e põe-no ao nível dos maiores papas.

Parece certo ter Calisto nascido escravo. Chamava-se o seu próprio amo Carpóforo e deve ter sido cristão, embora clandestino, homem de muito dinheiro e grandes negócios. Calisto já desde os primeiros anos era a pessoa toda a confiança. Carpóforo encarregou-o do banco; muitas viúvas e muitos cristãos confiaram-lhe os seusbens. Não sabemos como – segundo os seus inimigos, por má administração –Calisto perdeu o dinheiro. Temendo o castigo, fugiu; mas foi surpreendido poroutros escravos do mesmo senhor e condenaram-no ao pistrino, lugar onde osservos faziam andar, como animais, a roda do moinho. Afinal parece ter sidoCalisto vítima, nos seus negócios, dum engano urdido por parte dos judeus. Osenhor acabou por restituí-lo à liberdade, como esperança de ele recuperar operdido. Calisto deve ter tido altercações violentas com os que o enganaram, osquais, sendo mais influentes que ele, conseguiram que fosse deportado para asminas da Sardenha como cristão.

 A adversidadeforjava assim o caráter do futuro diácono do papa Zeferino, que foi antecessorseu na Cátedra de Pedro. O confessor de Cristo, vítima ao que parece avareza,voltou a Roma. Por morte do Papa Vítor – que diriamos ter olhado sempredesfavoravelmente para São Calisto, influenciado sem dúvida pelas calúniaslevantadas pelos seus inimigos – S. Zeferino subiu à cátedra de Pedro. Deviaconhecer muito de perto as notáveis qualidades de Calisto e depositou nele todaa confiança. Nomeou-o secretário e confiou-lhe a administração dos bens daIgreja.

 Como arcediago deRoma, desempenhou atividade benemérita para a toda a comunidade e mesmo para osfiéis do mundo todo. Foi ele quem dirigiu a ampliação do cemiteriozinho entre avia Ápia e a Ardeatina, que hoje é conhecido pelo nome de Catacumbas de S.Calisto; nos séculos III e IV adquiriram importância excepcional, sendo hoje asmais visitadas de Roma.

 A influenciadoutrinal e dogmática do acerdiago que teve o papa Zeferino foi também decisivanos princípios do século III. Começavam em Roma as lutas trinitárias ecristológicas. Havia perigo de exagerar a unidade divina, negando a distinçãorela entre as três pessoas, ou também de insistir demasiado na trindade comdetrimento da unidade de natureza e essência. Calisto combateu energeticamente omonarquismo trinitário contra Práxeas e Sabélio: em Deus há três pessoasrealmente distintas e em tudo iguais, ainda que a natureza seja a mesma para astrês. Das três Pessoas divinas só o Filho encarnou e morreu por nós.

 Nos anos de 218 e219 foi eleito papa s. Calisto. Fora combatido por Hipólito e por Tertuliano. Opapa Calisto tornou público um decreto que prometia absolvição canônica a todaa espécie de pecadores, contando que se sujeitassem à correspondentepenitência. Muitos se alegraram com esta compreensão e mansidão do sucessor dePedro, que recebera os poderes de Cristo para salvar e não condenar, para abriras portas do céu aos homens de boa vontade e não as fechar. Mas assim um certorigor de rigoristas, personificados na África por Tertuliano, já cismático, eem Roma por Hipólito, levantou-se uma poeira de calúnias, tergiversações eatitudes.

Sempre a verdade e a virtude foram a medida e discrição,perante o extremismo inconsiderado e intemperante do erro e da heresia. Nadamais conforme ao Coração bondoso e manso de Jesus, que a bondade e perdãodiante do pecador arrependido, que aceita a penitência para satisfazer a culpa.Neste caso, todo o rigor é inimigo da salvação.

São Calisto coroou a vida com o martírio, como Bom Pastorque dá a vida pelas ovelhas. Segundo a tradição mais segura, morreu numarevolta popular contra cristãos e foi lançado a um poço. Mais tarde deram-lhesepultura honorífica no Cemitério de Capedódio, na Via Aurélia, junto do lugardo seu martírio. Assim, se explica não ter sido enterrado na grande necrópoleque ele próprio ampliara e onde foram enterrados S. Zeferino e os Papasseguintes, na parte chamada precisamente Cripta dos papas.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *