Formação

São Carlos Lwanga e companheiros mártires, anunciadores de uma paz real

Esses mártires de Uganda, África, tiveram a tortura compartilhada com outros companheiros, católicos e anglicanos, vítimas das perseguições contra os cristãos, ocorridas no final do século XIX.

comshalom

A relação entre os povos africanos e outros povos do mundo era bem conflituosa no passado. Tanto, que talvez tenham sido eles os últimos a receberem o anúncio do Evangelho. Porém, mesmo ali, podemos encontrar grandes testemunhos de fé, mártires que ainda hoje são lembrados e homenageados pela Igreja. É nesse cenário que entram em ação as atividades missionárias de um grande anunciador do Evangelho e seus companheiros de missão, São Carlos Lwanga e seus companheiros mártires. A Igreja faz memória dos testemunhos desses servos no dia 03 de Junho. Afinal, então, quem foram eles?

Servos da Palavra, num ambiente hostil

Foram grandes anunciadores do Evangelho e da Salvação operada em Jesus. A atuação desses servos começou em 1879 na região de Uganda, África. Eram eles eram membros de uma congregação fundada pelo então cardeal Lavigerie.

A primeira e grande dificuldade que esses evangelizadores encontraram foi de mostrar que eles não eram colonizadores, assim, seus interesses não eram por terras, mas pela salvação eterna de suas almas. Pouco a pouco, apesar das suspeitas iniciais, com a paciência e a didática certa, os primeiros nativos africanos começaram a ser evangelizados. Porém, o cenário começou a mudar em 1886, quando Muanga assumiu o poder e foi declarado uma espécie de monarca do Povo. Infelizmente, ele não distinguia bem a atuação dos missionários e dos dominadores europeus. Assim, uma de suas primeiras ações foi justamente acabar com a presença dos cristãos nos territórios comandados por ele.

Um dos servos do rei africano, de apenas 17 anos, chamado Dionísio, foi flagrado pelo próprio rei evangelizando e ensinando os princípios da fé cristã. O Monarca, de próprio punho, feriu o jovem com uma lança. O objeto atravessou-lhe o peito, porém, não o matou subitamente. Esse anunciador da paz agonizou por toda aquela noite. O cruel assassino só permitiu a consumação de seu ato na manhã seguinte, ordenando sua decapitação. Esse requinte de crueldade foi um sinal de advertência de que, de fato, ele estava disposto a mandar matar todos os que falassem a respeito de Jesus.

Frutos da oferta fecunda desse jovem

Depois do triste ocorrido com um de seus discípulos mais jovens, Carlos Lwanga reuniu todos os outros servos que receberam o anúncio de Jesus por meio dele e fez com que orassem juntos. Na ocasião, batizou ainda os que não haviam sido batizados e prepararam-se para o que a providência de Deus os quisesse dar. O surpreendente é que nenhum desses jovens, cuja idade não passava de vinte anos, outros com apenas treze, arredou pé. Estavam convictos de que haviam encontrado em Jesus, o Shalom do Pai, um tesouro que compensaria todo o flagelo que pudessem enfrentar. Foram, então, encarcerados numa prisão em Namugongo, a setenta quilômetros da capital, Kampala.

Era dia 3 de junho de 1886. O rei desenvolveu uma estratégia para não precisar assassinar tanta gente, promover o descrédito de Jesus e seu Evangelho e ainda por cima se passar por compassivo: deu ordens para que apenas Carlos Lwanga fosse assassinado diante de outros fiéis. A ordem foi cumprida, os guardas o queimaram vivo. Entretanto, os planos do rei fracassaram, pois a oferta de Carlos tornou-se, na verdade, o oposto do que o cruel monarca esperava. Seus discípulos tornaram-se ainda mais convictos. No dia seguinte, então, aquelas vinte e duas almas apaixonadas por Jesus foram também cruelmente executadas. A oferta e a morte desses servos tiveram um efeito oposto: soaram como fogos de artifício no céu, que acordaram uma multidão que estava dormindo, indiferente a Deus.

Resultado: os demais cristãos que permaneciam escondidos animaram-se com mais fervor e parresia, professando a fé em Deus e na salvação conquistada por Jesus. Por fim, foram também assassinados com brutais torturas, alguns foram até queimados vivos.

Reconhecimento eclesial e público das virtudes e testemunho de fé desses anunciadores da paz

Essas testemunhas martirizadas por amor e fidelidade a Jesus foram beatificadas pela Igreja em 1920. Carlos Lwanga foi declarado em 1934 o Padroeiro da Juventude Africana. Trinta anos depois, esses servos foram declarados santos pelo Papa Paulo VI.
A admiração e reconhecimento da Igreja para com eles foi ainda mais longe: o Papa consagrou, em 1969, um altar de um santuário edificado exatamente no local onde eles, orientados por Carlos Lwanga, rezavam aguardando a hora de testemunhar sua fé e seu amor a Deus.

Que os testemunhos desses gigantes na fé possam nos encorajar a não diminuirmos em nada nosso ardor na evangelização. Que a intercessão deles nos anime a desenvolver modos ousados e criativos de evangelizar e formar nossos jovens.

São Carlos Lwanga e Companheiros Mártires, rogai por nós!

 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *