Institucional

São Cornélio e São Cipriano, rogai por nós!

comshalom

A Igreja celebra hoje (16) São Cornélio e São Cipriano, que por amor a Deus e zelo pela fé em Jesus Cristo sofreram o martírio no século III. Os testemunhos dos dois santos ajudam na compreensão de que o cristão, quando está firme no amor esponsal por Cristo e sua Igreja, não rejeita a fé, ainda que padeça duras incompreensões, até o martírio de sangue.

Cornélio
Cornélio nasceu em Roma. Foi eleito para o pontificado depois de um período vago na cátedra de São Pedro, devido à violenta perseguição imposta pelo imperador Décio. O papa Cornélio foi eleito quase por unanimidade, menos por Novaciano, que esperava ser o sucessor, martirizado por aquele cruel tirano. Assim, Novaciano consagrou-se bispo e proclamou-se papa, isto é, antipapa. Nessa condição, criou-se o primeiro cisma da Igreja.

A Igreja debatia, internamente, para tentar uma solução definitiva quanto à conduta a ser adotada em relação a um dos seus maiores problemas da época, referente aos “lapsos”, nome dado aos sacerdotes e fiéis que renegavam a fé e separavam-se da Igreja durante as perseguições que se impunham aos cristãos.

Segundo os partidários de Novaciano, Cornélio teria adotado um discurso e uma postura muito indulgente, boa e compreensiva para com os desertores da fé católica. Atitudes que lhe valeram grandes atribulações e incompreensões. Mas a toda essa oposição contou sempre com o apoio incondicional e fiel do bispo Cipriano de Cartago, Argélia, norte da África.

Entretanto o imperador Décio morreu em combate, sendo sucedido por Galo, que voltou com as perseguições. Assim, o papa Cornélio acabou preso e exilado para um lugar que hoje se chama Cività-Vecchia, em Roma.

No exílio, o papa Cornélio passou os últimos dias da sua vida. Onde encontrava um pouco de alegria era nas cartas que recebia do bispo Cipriano, seu admirador e amigo de fé, muito preocupado em mandar-lhe algumas palavras de consolo.

Morreu em junho de 253, sendo sentenciado ao martírio por ordem daquele imperador, por não aceitar prestar culto aos deuses pagãos. Foi sepultado no Cemitério de São Calixto. A festa litúrgica do santo papa Cornélio foi colocada, no calendário da Igreja, no dia 16 de setembro, junto com a de São Cipriano, que depois também foi martirizado pela fé em Cristo.

Cipriano
Thascius Cecilianus Cyprianus nasceu na África em torno do ano de 200.Um pagão, tornou-se um advogado, professor e muito conhecido pela sua eloquência em defender seus pontos de vista nos tribunais. Ele foi convertido para o cristianismo por Caecilius, um velho sacerdote em 246 e tronou-se um renomado especialista em textos bíblicos. Em 248, Cipriano tornou-se bispo de Cartago, hoje moderna Tunísia, mas teve que fugir logo depois para escapar a perseguição que se seguiu aos cristãos. Um padre chamado Novatus provocou considerável dificuldade sobre o papel dos “lapsis”,(cristãos que renunciavam a sua fé para escapar a tortura e a morte). Cipriano conseguiu reunir um Concílio em Cartago em 251 e nele o seu grande trabalho chamado “De Catholicae Ecclesiase Unitate” foi lido.

Quando Cartago foi atingida pela praga em 252, Cipriano trabalhou para ajudar as vitimas e ele e os cristãos foram culpados pela epidemia e foram odiados pela população. Cipriano escreveu “De Mortalite” para consolar os cristãos naquele tempo de duros reveses. Pouco tempo depois, ele se opôs a política do batismo do Papa Esteves (254-257). Cipriano escreveu ao Papa sobre a necessidade de rebatizar os cristãos, entretanto, um decreto imperial proibindo aos cristãos de se reunirem iniciou uma perseguição pelo Imperador Valeriano (253-260). Cipriano foi preso e ordenado a participar das cerimonias religiosas pagãs oficias do Estado. Quando ele se recusou foi exilado em uma cidade a 75 km de Cartago. Em 258, Cipriano foi julgado por Calerius Máximo, um procônsul que ordenou que ele fosse decapitado no dia 14 de setembro. Os ‘Atos do Martírio” são detalhados. Ele foi pioneiro da literatura latino-cristã e teve um papel importante na Igreja Católica ocidental. Seus escritos apresentam um zelo pastoral muito lúcido e contém inteligentes decisões. Seus tratados incluem “DeCatholicae Ecclesiase Unitate”, sobre a natureza da unidade da Igreja , o “De Lapsis” sobre as condições que os cristãos poderiam retornar a Igreja e á fé, e “Ad Quirinam” uma compilação de textos bíblicos.

Uma de suas máximas era: “Você não pode ter Deus para seu pai, se não tem a Igreja como sua mãe”.

São Cipriano tem seu nome incluído na primeira oração Eucarística. Na arte litúrgica da Igreja ele é mostrado como um bispo segurando uma palma e uma espada.

Com informações de www.paulinas.org.br


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *