Formação

São José e o Natal

comshalom

Uma das figuras do Presépio que mais despercebida passa, nestes dias, é a de São José. Este ano, contudo, recebe um destaque inesperado no Vaticano, que decidiu colocar o presépio da Praça de São Pedro na sua casa de Nazaré, seguindo uma passagem do Evangelho de São Mateus, em que um anjo convence José, durante um sonho, a aceitar Maria e o seu filho.

Acredita-se que São José seria mais velho do que Maria quando a tomou como noiva, mas a iconografia tradicional “exagera” essa diferença de idades, em muitos casos.

Pelos relatos evangélicos percebe-se que José e Maria eram descendentes de David e que o seu matrimônio deverá ter sido combinado para evitar que, na ausência de descendentes homens de Joaquim (avô materno de Jesus), a sua herança passasse para um outro clã ou outra tribo.

O esposo de Maria e pai legal de Jesus trabalhava como carpinteiro em Nazaré. Após o nascimento de Jesus e do exílio forçado da Sagrada Família no Egito, regressou a Nazaré.

Os Evangelhos falam dele pela última vez no encontro do Menino Jesus no Templo, aos 12 anos.

O seu drama pessoal ao ter conhecimento da gravidez de Maria, com quem se teria comprometido a viver na castidade, está bem presente no Evangelho de Mateus. Nele se refere que o nascimento de Jesus Cristo foi assim: “Maria, sua mãe, estava desposada com José; antes de coabitarem, notou-se que tinha concebido pelo poder do Espírito Santo. José, seu esposo, que era um homem justo e não queria difamá-la, resolveu deixá-la secretamente”.

“Andando ele a pensar nisto, eis que o anjo do Senhor lhe apareceu em sonhos e lhe disse: «José, filho de David, não temas receber Maria, tua esposa, pois o que ela concebeu é obra do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, ao qual darás o nome de Jesus, porque Ele salvará o povo dos seus pecados»”; continua o relato evangélico.

E as Ladainhas de São José invocam-no nestes termos: “Custos pudice Virginis” (Casto guardião da Virgem), “Joseph castissime” (José castíssimo) e “Custos virginum” (Guardião das virgens).

Antes dos pastores, antes de Simeão, antes dos Magos, São José contempla o Filho de Deus feito homem, do qual se tornou o pai, contempla Deus que ninguém nunca tinha visto. Tornou-se ainda o chefe da Sagrada Família, modelo e imagem das famílias.

João Paulo II escreveu “o filho de Maria é também filho de José”. Nele o papa diz que graças a essa atitude de silencio, “pode captar-se perfeitamente a verdade contida no juízo que dele nos dá o evangelho: «o justo»”.

Ecclesia


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *