Formação

São Lucas, um grande e incansável anunciador do Evangelho

Segundo a tradição, o autor do Evangelho de São Lucas e dos Atos dos Apóstolos. É o santo padroeiro dos pintores, médicos, artistas, celebrado neste dia 18 de outubro.

comshalom

Hoje vamos recordar com gratidão o testemunho fiel de São Lucas. Esse gigante da fé fez parte dos primeiros anunciadores de Jesus e é o autor de um dos Evangelhos sinóticos e do livro dos Atos dos Apóstolos. Segundo alguns grandes teólogos e biblistas, seus textos estão entre os de maior expressão literária do Novo Testamento. Vamos descobrir, então, qual é a origem desse servo fiel.                                                                                                                          

Lucas nasceu no século I da era cristã, em Antioquia, na Síria, região situada próxima à costa do Mediterrâneo, atual sudeste da Turquia. Pelo tom mais instruído de seus escritos, acredita-se que pertencia a uma família culta e com boa condição financeira. Segundo informações da Tradição, ele era muito habilidoso na arte da pintura e exercia ainda a profissão de médico. As primeiras referências a São Lucas constam das epístolas de São Paulo, nas quais ele é chamado de “colaborador” e de “o médico amado” (Cl 4,14). Acredita-se que ele tinha por volta de 40 anos de idade quando foi evangelizado.

Lucas não conheceu pessoalmente Jesus, mas fez parte do numeroso público que foi evangelizado pelos Apóstolos, tornando-se, assim, um exímio colaborador do anúncio da Salvação. Ele participou das ações evangelizadoras da Igreja nascente em Jerusalém, tornando-se depois um grande apoiador e discípulo de São Paulo.                                                                                                                  

O Evangelho de São Lucas       

Em resumo, o Evangelho, expressão grega que significa “boa nova”, porta a feliz mensagem da Salvação obtida pela Encarnação, Morte e Ressurreição de Jesus. O Evangelho atribuído a São Lucas provavelmente foi escrito entre os anos 50 e 60 d.C. e contém vinte e quatro capítulos. O escrito é dividido em três partes: da infância de Jesus até João Batista; a atividade de Jesus na Galileia; e Jesus em Jerusalém, onde os acontecimentos de Sua Paixão, morte e Ressurreição se desenvolvem. 

Apesar de ser um dos Evangelhos sinóticos, ou seja, que traz muitas semelhanças com a narração de Mateus e Marcos, o texto lucano apresenta algumas passagens exclusivas e até palavras de Jesus que não se encontram nos demais Evangelhos. Por exemplo, Lucas é o único a narrar a promessa de Jesus Crucificado ao bom ladrão: “Em verdade te digo: hoje estarás comigo no paraíso” (Lc 23,43). 

Ele foi ainda o evangelista que mais falou sobre a Virgem Maria e, a partir disso, traçou um relato importante sobre a infância de Jesus. Lucas nos mostra segredos e detalhes sobre a Anunciação, a Visitação e o Nascimento de Jesus, deixando a entender que obteve informações particulares diretamente da Mãe do Senhor ou de alguém muito próximo a ela.

Destaca também aspectos relevantes sobre a personalidade de Jesus: seu amor pelos pobres, pelas crianças, pelas mulheres e pelos pecadores, como nas parábolas do bom samaritano, do amigo inoportuno, da ovelha perdida e do filho pródigo. Ressalta, ainda, temas como a piedade, a oração, a alegria nascida da fé e a ação do Espírito Santo.     

Os Atos dos Apóstolos

O livro dos Atos dos Apóstolos está disposto imediatamente após os Evangelhos na Bíblia, relatando os acontecimentos entre o desfecho da vida terrena de Jesus, com sua Ascensão, e os primeiros tempos da Igreja nascente, que tem sua origem na grande manifestação do Espírito Santo, que foi o acontecimento de Pentecostes, e a consequente e destemida evangelização promovida pelos apóstolos e discípulos de Jesus por todo o mundo.

Na narrativa, que provavelmente foi escrita em meados dos anos 80 d.C., os feitos de Pedro, Paulo, Filipe, Estevão, Barnabé e dos demais discípulos de Jesus foram protagonizados pelo Espírito Santo, o qual Jesus havia prometido e que é a força propulsora que move e conduz a Igreja até hoje. Em meio às perseguições e aos grandes desafios para anunciar a Boa Nova, os apóstolos percorreram muitas regiões para atestar que o tempo da Salvação havia chegado. 

Como Jesus tinha prometido, muitos sinais acompanharam os Seus discípulos: curas, milagres, dons do Espírito Santo e, por fim, o martírio, sinal máximo da perseverança e fidelidade ao Evangelho, que os uniu perfeitamente a Cristo e fecundou com precioso sangue a missão da Igreja que, ao invés de definhar pelo medo das torturas e da morte, cresceu sobremaneira, atraindo inúmeros homens e mulheres a abraçar a fé.                 

A páscoa de São Lucas

Após ter anunciado incansavelmente a Boa Nova de Cristo à humanidade, finalmente o Evangelista deveria terminar a sua caminhada nesta terra. Existem várias versões sobre a morte de São Lucas. Em uma delas, diz-se que foi martirizado em Patras; outra, em Roma, ou mesmo em Tebas. A Tradição, no entanto, diz que ele morreu martirizado após ser pendurado sob uma árvore na Acaia, no ano 84. 

Que Deus derrame sobre toda a Igreja, por intercessão deste santo servo, um renovado ardor missionário. Que a seu exemplo, possamos anunciar a paz, até o fim. 

São Lucas, rogai por nós.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *