Formação

São Tito

comshalom

A festa de S. Tito entrou no Missal Romano no ano de 1854, no tempo de Pio IX. Sobretudo os Padres Gregos apresentam extraordinárias ponderações sobre a santidade e o zelo deste discípulo de São Paulo; e os bizantinos dão-lhe mesmo o título de apóstolo, seguindo São Paulo que lhe chama "apóstolo das igrejas e glória de Cristo". A sua basílica da ilha de Creta remonta pelo menos ao século VI.

      Nada sabemos ao certo sobre a sua origem e lugar de nascimento. Uma coisa é certa: que era gentio, não judeu; e é probabilíssimo que se tenha convertido devido à pregação de S. Paulo, pois este chama-lhe "filho verdadeiro seu, segundo a fé".

       Pelo ano de 48 a 50, subiu S. Paulo a Jerusalém para o Concílio e levou Tito; apresentou-o aos Apóstolos e opôs-se energicamente a que fosse circuncidado, como desejavam os cristãos judaizantes.

       Na terceira viagem apostólica, Tito substitui Silas, cristão de Jerusalém, e segue constantemente S. Paulo nas suas várias missões e fundações. Os dois detiveram-se longamente em Éfeso, e daqui passou Tito a Corinto com uma incumbência difícil. Devia substituir Timóteo, caráter mais suave e ingênuo, pacificar os ânimos dos fiéis e organizar a coleta para os pobres de Jerusalém. O zelo, a ponderação e a energia conseguiram a finalidade que S. Paulo se propusera. A paz voltou à Igreja de Corinto e todos ficaram reconhecidos ao missionário.

       São Paulo seguira, com verdadeira inquietação, o desempenho de tal incumbência, pois reconhecia quanto era árdua. Trocaram impressões e Paulo animou-se a destinar Tito para uma segunda viagem a Corinto, onde anunciasse a sua próxima chegada e completasse a recolha das esmolas que devia levar ele próprio a Jerusalém.

      Já não volta S. Lucas a falar de Tito. Sem as pastorais de S. Paulo perderíamos completamente os vestígios dele, dum dos operários mais notáveis da Igreja primitiva.

      A carta a Tito, escrita provavelmente da Macedônia depois da viagem à Hispânia, pelo ano de 65, não revela que tenha ficado à frente da Igreja de Creta. São-lhe dadas instruções para que proveja de bons superiores aqueles fiéis e saia depressa a caminho do Epiro, onde Paulo conta passar o inverno na cidade de Nicópolis.

       Teve de seguir as indicações de São Paulo e pôr-se a caminho para o Epiro. O mestre e o discípulo encontraram-se na Dalmácia, quando foi escrita a segunda carta a Timóteo.

       Os fatos posteriores relativos a este grande companheiro de São Paulo são desconhecidos. Tito deve ter sido mais idoso e experimentado que Timóteo, o outro companheiro inseparável de S. Paulo. Não sendo judeu, teve mais aceitação entre os cristãos de origem pagã.  


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *