Formação

São Tomás de Aquino (parte 2)

comshalom

Queridos irmãos e irmãs,

 hoje desejo continuar a apresentação de São Tomás de Aquino,um teólogo de tal valor que o estudo de seu pensamento foi explicitamenterecomendado pelo Concílio Vaticano II em dois documentos, o decreto Optatamtotius, sobre a formação ao sacerdócio, e a declaração Gravissimum educationis,que trata da educação cristã. Além disso, já em 1880 o Papa Leão XII, grandeapreciador e promotor dos estudo tomísticos, quis declarar São Tomás Patronodas Escolas e Universidades Católicas.

 O motivo principal deste apreço reside não somente noconteúdo de seu ensinamento, mas também no método por ele adotado, sobretudo asua nova síntese e distinção entre filosofia e teologia. Os Padres da Igrejaencontravam-se confrontados por diversas filosofias de tipo platônico, nasquais apresentava-se uma visão abrangente do mundo e da vida, incluindo aquestão de Deus e da religião. No confronto com essas filosofias, eles mesmoshaviam elaborado uma visão abrangente da realidade, partindo da fé e usando elementosdo platonismo, para responder às questões essenciais dos homens. A essa visão,baseada sobre a revelação bíblica e elaborada com um platonismo correto à luzda fé, eles chamavam de "filosofia nostra". A palavra"filosofia" não era então expressão de um sistema puramente racionale, como tal, distinto da fé, mas indicava uma visão complexa da realidade,construída à luz da fé, mas tornada própria e pensada pela razão; uma visãoque, certamente, ia além das capacidades próprias da razão, mas que, como tal,era também por ela satisfeita. Para São Tomás, o encontro com a filosofiapré-cristã de Aristóteles (morto cerca de 322 a.C.) abria uma perspectiva nova.A filosofia aristotélica era, obviamente, uma filosofia elaborada semconhecimento do Antigo e do Novo Testamento, uma explicação do mundo sem arevelação, através da pura razão. E esta racionalidade consequente eraconvincente. Assim, a antiga forma da "filosofia nostra" dos Padresnão funcionava mais. A relação entre filosofia e teologia, entre fé e razão,tinha de ser repensada. Existia uma "filosofia" completa econvincente em si mesma, uma racionalidade precedente à fé, e, também, a"teologia", um pensar com a fé e na fé. A questão premente era esta:o mundo da racionalidade, a filosofia pensada sem Cristo, e o mundo da fé sãocompatíveis? Ou se excluem um ao outro? Não faltavam elementos que afirmavam aincompatibilidade entre os dois mundos, mas São Tomás esta firmementeconvencido da sua compatibilidade – também que a filosofia elaborada sem oconhecimento de Cristo quase que esperava a luz de Jesus para ser completa.Essa foi a grande "surpresa" de São Tomás, que determinou o seucaminho como pensador. Mostrar esta independência entre a filosofia e ateologia e, ao mesmo tempo, a sua recíproca relacionalidade foi a missãohistórica do grande mestre. E, assim, entendemos que, no século XIX, quando sedeclarava fortemente a incompatibilidade entre a razão moderna e a fé, o PapaLeão XIII tenha indicado São Tomás como um guia para o diálogo entre uma eoutra. Em seu trabalho teológico, São Tomás supõe e concretiza esta relação. Afé consolida, integra e ilumina o patrimônio da verdade que a razão humanaadquire. A confiança que São Tomás dispensa a estes dois instrumentos deconhecimento – a fé e a razão – pode ser atribuída à convicção de que ambosprovêm da única fonte de toda a verdade, o Logos divino, que atua seja noâmbito da criação, seja no da redenção.

 Juntamente com o acordo entre a razão e a fé, deve-sereconhecer, por outro lado, que elas se utilizam de processos cognitivosdiferentes. A razão acolhe uma verdade por força de sua evidência intrínseca,mediata ou imediata; a fé, contudo, aceita uma verdade com base na autoridadeda Palavra de Deus que se revela. Escreve São Tomás no início de sua SummaTheologiae: "Há dois gêneros de ciências. Umas partem de princípiosconhecidos à luz natural do intelecto, como a aritmética, a geometria esemelhantes. Outras provêm de princípios conhecidos mediante uma ciênciasuperior; como a perspectiva, de princípios explicados na geometria, e amúsica, de princípios aritméticos. E deste modo é ciência a doutrina sagrada(isto é, a teologia), pois deriva de princípios conhecidos à luz de uma ciênciasuperior, a saber: a de Deus e dos santos"(I, q. 1, a. 2).

 Essa distinção assegura a autonomia tanto das ciênciashumanas, quanto das ciências teológicas. Isso, no entanto, não equivale àseparação, mas implica, acima de tudo, uma mútua e benéfica cooperação. A fé,de fato, protege a razão de toda a tentação de desconfiança nas própriascapacidades, a incentiva a se abrir a horizontes sempre mais amplos, mantémviva a busca dos fundamentos e, quando a razão mesma é aplicada na esferasobrenatural do relacionamento entre Deus e o homem, enriquece o seu trabalho.Segundo São Tomás, por exemplo, a razão humana pode definitivamente iniciar aafirmação da existência de um único Deus, mas somente a fé, que acolhe aRevelação divina, é capaz de alcançar o mistério do Amor de Deus Uno e Trino.

 Por outro lado, não é somente a fé que ajuda a razão. Tambéma razão, com os seus meios, pode fazer algo de importante pela fé, tornando-seum tríplice serviço que São Tomás resume no prefácio de seu comentário ao DeTrinitate de Boezio: "Demonstrar os fundamentos da fé; explicar mediantesemelhanças a verdade da fé; rejeitar as objeções que se levantam contra afé" (q. 2, a. 2). Toda a história da teologia é, no fundo, o exercíciodesse esforço de inteligência, que mostra a inteligibilidade da fé, a suaarticulação e harmonia interna, a sua racionalidade e a sua capacidade depromover o bem-estar humano. A exatidão dos raciocínios teológicos e o seu realsignificado cognitivo são baseados no valor da linguagem teológica, que é, deacordo com São Tomás, principalmente uma linguagem analógica. A distância entreDeus, o Criador, e o ser das suas criaturas é infinita; a dessemelhança ésempre maior que a semelhança (cf. DS 806). No entanto, em toda a diferençaentre Criador e criatura, existe uma analogia entre o ser criado e o ser doCriador, que nos permite falar com palavras humanas sobre Deus.

 São Tomás estabeleceu a doutrina da analogia, bem como, combase em argumentos puramente filosóficos, também o fato de que com a RevelaçãoDeus mesmo falou a nós e, portanto, nos autorizou a falar d’Ele. Consideroimportante chamar atenção para esta doutrina. Essa, de fato, nos ajuda asuperar algumas objeções do ateísmo contemporâneo, que nega que a linguagemreligiosa seja fornecida com um significado objetivo, e sustenta, ao contrário,que tenha apenas um valor subjetivo ou simplesmente emotivo. Essa objeçãodecorre do fato de que o pensamento positivista está convencido de que o homemnão conhece o ser, mas somente as funções experimentáveis da realidade. Com SãoTomás e com a grande tradição filosófica, estamos convencidos de que, narealidade, o homem não conhece apenas as funções, objeto das ciências naturais,mas conhece algo do próprio ser – por exemplo, conhece a pessoa, o Tu do outro,e não apenas o aspecto físico e biológico do seu ser.

 À luz desse ensinamento de São Tomás, a teologia afirma que,embora limitada, a linguagem religiosa é dotada de sentido – porque tocamos oser -, como uma flecha que se dirige a uma realidade que significa. Esse acordofundamental entre razão humana e fé cristã é identificado em outro princípiobásico do pensamento de Tomás de Aquino: a Graça divina não anula, mas supõe eaperfeiçoa a natureza humana. Essa última, de fato, também após o pecado, nãoestá completamente corrompida, mas ferida e enfraquecida. A Graça, concedidapor Deus e comunicada através do Mistério do Verbo encarnado, é um domabsolutamente gratuito com o qual a natureza é curada, fortalecida e ajudada aperseguir o desejo inato no coração de todo o homem e toda a mulher: afelicidade. Todas as faculdades do ser humano são purificadas, transformadas eelevadas pela Graça divina.

 Uma importante aplicação desta relação entre natureza eGraça encontra-se na teologia moral de São Tomás de Aquino, que mostra-se degrande atualidade. No centro de seu ensinamento neste campo, ele coloca a novalei, que é a lei do Espírito Santo. Com um olhar profundamente evangélico,insiste no fato de que esta lei é a Graça do Espírito Santo, dada a todosaqueles que creem em Cristo. A tal Graça une-se o ensinamento escrito e oraldas verdades doutrinais e morais, transmitidas pela Igreja. São Tomás,sublinhando o papel fundamental, na vida moral, da ação do Espírito Santo, daGraça, para cultivar as virtudes teologais e morais, nos faz entender que todoo cristão pode alcançar as altas perspectivas do "Sermão da Montanha"se vive uma relação autêntica de fé em Cristo, se se abre à ação de seu SantoEspírito. Mas – acrescenta o Aquinense – "também se a graça é mais eficazque a natureza, todavia a natureza é mais essencial para o homem" (SummaTheologiae Ia, q. 29, a. 3), pelo que, na perspectiva moral cristã, há um lugarpara a razão, a qual é capaz de discernir a lei moral natural. A razão podereconhecê-la considerando o que é bom e o que deve-se evitar para alcançaraquela felicidade que é desejada por todos, e que impõe também umaresponsabilidade para com os outros, e, portanto, a busca do bem comum. Emoutras palavras, as virtudes humanas, teologais e morais, estão enraizadas nanatureza humana. A Graça divina acompanha, sustenta e incentiva o compromissoético, mas, de per si, segundo São Tomás, todos os homens, crentes e nãocrentes, são chamados a reconhecer as exigências da natureza humana expressasna lei natural e a se inspirar nela para a formulação das leis positivas, istoé, aquelas emanadas pelas autoridades civis e políticas para regular aconvivência humana.

 Quando a lei natural e as responsabilidades que implica sãonegadas, abre-se dramaticamente o caminho para o relativismo ético no plano individuale ao totalitarismo do Estado no plano político. A defesa dos direitosuniversais do homem e a afirmação do valor absoluto da dignidade da pessoapostulam um fundamento. Não é exatamente a lei natural este fundamento, com osvalores não negociáveis que indica? O Venerável Papa João Paulo II escreveu nasua Encíclica Evangelium Vitae palavras que permanecem de grande atualidade:"Para bem do futuro da sociedade e do progresso de uma sã democracia,urge, pois, redescobrir a existência de valores humanos e morais essenciais econgênitos, que derivam da própria verdade do ser humano, e exprimem e tutelama dignidade da pessoa: valores que nenhum indivíduo, nenhuma maioria e nenhumEstado poderão jamais criar, modificar ou destruir, mas apenas os deverão reconhecer,respeitar e promover" (n. 71).

 Em conclusão, Tomás nos propõe um conceito da razão humanaamplo e confiante: amplo porque não é limitado aos espaços da assim chamadarazão empírico-científica, mas aberto a todo o ser e, portanto, também às questõesfundamentais e irrenunciáveis do viver humano; e confiante porque a razãohumana, especialmente se acolhe as inspirações da fé cristã, é promotora de umacivilização que reconhece a dignidade da pessoa, a intangibilidade de seusdireitos e a irrefutabilidade de seus deveres. Não surpreende que a doutrinaacerca da dignidade humana, fundamental para o reconhecimento dainviolabilidade dos direitos humanos, tenha sido amadurecida no ambiente depensamento que recolheu o legado de São Tomás de Aquino, que tinha um conceitoaltíssimo da criatura humana. A define, com a sua linguagem rigorosamentefilosófica, como "o que há de mais perfeito em toda a natureza, isto é, umsujeito subsistente em uma natureza racional" (Summa Theologiae, Ia, q.29, a. 3).

 A profundidade do pensamento de São Tomás de Aquino surge -não o esqueçamos nunca – da sua fé e da sua devoção fervorosa, que expressavaem orações inspiradas, como esta em que pede a Deus: "Concede-me, te peço,uma vontade que te busque, uma sabedoria que te encontre, uma vida que teapraza, uma perseverança que espera em ti com confiança e uma confiança que aofinal chegue a possuir-te".


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *