Formação

Semana de oração pela unidade dos cristãos

comshalom

“Pai, que todos sejam um!”
Estepedido é considerado o coração da sublime, apaixonada e intensíssimaoração de Jesus, chamada de sacerdotal porque brotou do coração ardentede amor de Cristo no momento de sua entrega total, na ceia derradeira.

1.    O mandato recebido por Jesus.

Aunidade é o sinal que caracteriza a natureza da comunidade cristã, é umbem precioso em si mesmo, sinal de eleição e do seu caráter deverdadeira comunidade de Jesus.

Segundoo evangelho de João, a unidade da comunidade fundamenta-se na unidadede Deus e a torna visível. A unidade, por assim dizer, existe antes daIgreja, é um presente doado à Igreja, não uma meta a ser alcançada: seela renunciasse à unidade, corromperia a sua própria natureza e seriainfiel à sua vocação. È um axioma ecumênico que as Igrejas não podemcriar e produzir sozinhas a unidade, pois ela é um dom. Elas poderãosomente acolhê-la e recebê-la como expressão de uma comunhão jápresente que encontra o seu fundamento último em Deus Trindade.

Nestaperspectiva, o ecumenismo não é um hobby ou um opcional, mas seconstitui como fidelidade à oração de Jesus e ao seu testamento: quetodos os que crêem nele sejam um, como ele com o Pai e o Pai com ele.Qualquer séria ameaça à unidade não é periférica na vida da Igreja, maspõe em questão a própria comunidade na sua existência e na sua missão.Na Igreja primitiva esta convicção era tão forte que ela foi sigiladano símbolo niceno-constantinopolitano e traduzida na afirmação pelaqual a unidade é sinal essencial da Igreja, sendo a sua primeira notacaracterística.

Comoa unidade pertence à sua natureza, a Igreja não pode acostumar-se com adivisão que contradiz à intenção fundante de Jesus e à sua própriaessência. Nem uma história secular de separação pode legitimar o fatoque as igrejas se neguem mutuamente a comunhão na pregação, nosacramento e no ministério. Sendo que inegáveis motivos da verdadeevangélica e da ética cristã não justificam a quebra da comunhãoeclesial, a separação torna-se ilegítima porque é uma ofensa contra anatureza da Igreja. Portanto pode se considerar em culpa uma comunidadecristã que aceita e justifica a divisão ou se fixa nela, qualquer queseja o motivo que a originou. “Não é a unidade que requer umajustificativa, mas a separação!” (J. Ratzinger, TheologischePrinzipienlehre, Munchen 1982, 211)

2.    Credibilidade e responsabilidade diante do mundo

Adivisão das Igrejas prejudica profundamente a credibilidade do anúnciocristão. A atividade ecumênica deve dar credibilidade às Igrejascristãs e ao seu anúncio, sobretudo a respeito dos temas da justiça eda paz, da opressão e da fome, da perseguição e dos direitos humanos,colocando-se assim a serviço da unidade da sociedade e da humanidade ecomo paradigma para o exercício da tolerância e do diálogo, aintegração e inclusão social.

3.    Fundamentalmente unidos

Existe,a meu ver, uma visão insuficiente de ecumenismo em certos âmbitoseclesiais: refiro-me ao fato de cristãos se reconhecerem em comunhãoapenas porque, com boa vontade e com esforço, procuram ir além dasdivisões. Em outras palavras, as diversas igrejas e comunidadeseclesiais não se consideram realidades isoladas e distintas, estranhasumas às outras por causa das divisões só porque o amor vai além dasdiferenças. Isto, ainda que válido e importante por causa do amorfraterno, é insuficiente.

Seos cristãos se reconhecem em comunhão, é antes de tudo porque já estão!É muito mais importante o que os une! O que a caridade pode fazer e fazé atualizar, vivificar e fortalecer o que já são!

É uma perspectiva ao mesmo tempo ontológica e profética. Baseia-se no que somos e antecipa o que seremos!

JoãoPaulo II em Genebra ao Conselho Mundial de Igrejas em 1984 afirmou:“Eis aqui o que nos impulsiona a renovar os vínculos de comunhão.Trata-se de aceitarmos ser aquilo que somos! Nossas divisões contrastamcom a unidade já existente e são, por isso mesmo, muito maisescandalosas!” A mesma convicção caracteriza também o pensamento dePaulo VI quando escreve ao Patriarca ecumênico Atenágoras: “Temos dechegar a levar à sua plenitude e perfeição, a comunhão tão rica que jáexiste entre nós!”

4.    Não eclesiocentrismo, mas Cristocentrismo.

Nenhuma Igreja é o centro de convergência!

Areferência ao Mistério de Cristo é a maneira correta de apreciar acomunhão existente entre as Igrejas: quanto mais nos aproximarmos deCristo, mais perto estaremos uns dos outros!
A atividade e oespírito ecumênicos, portanto, devem estar baseados no encontro, nodiálogo, e na convergência em direção ao Cristo. As nossas diferençasnão nos levem a frisar a divisão, mas sirvam para nos enriquecer! Paraconcluir diria: nem divisão, nem uniformidade, mas unidade trinitária!

5.    Para não se decepcionar

JoãoXXIII, no seu sonho de criança, desejava o Concílio Vaticano II paraque, entre as outras finalidades, pudesse realizar a unidade dasIgrejas cristãs. O caminho mostrou-se mais árduo e longo do que sepodia imaginar. Para não se decepcionar declarou: “Deus não nos pedeque realizemos a unidade, mas que por ela oremos, trabalhemos, soframose estejamos dispostos a dar a vida!”

Éo que estamos fazendo em ocasião da Semana de Oração pela Unidade doscristãos, este ano com o lema: “Unidos na tua mão!” (Ez 37,17) quase anos dizer que basta abandonar-nos na mão de Deus para que ele nos façasentir irmãos no aconchego de sua mão. Ela completou o seu 100°aniversário no ano passado, coincidentemente com a celebração docentenário do nascimento de Dom Helder.

Sãodele os pensamentos que coloco, à guisa de conclusão, a esta simplesreflexão, na esperança que seus sonhos se tornem os sonhos de todos oscristãos.

As fraquezas da Igreja

Pensas, então…
Que as fraquezas da Igreja
Levarão o Cristo a abandoná-la?
Quanto mais
Nossa fragilidade humana
Atingir a Igreja – que é nossa e d’Ele mais –
Ele a sustentará com seu apóio
Com seu carinho.
Abandonar a Igreja
Seria o mesmo que abandonar
Seu próprio corpo…

Esperança

Esperança sem risco
Não é esperança.
Esperança é crer
Na aventura do amor,
Jogar nos homens,
Pular no escuro,
Confiando em Deus.

Unidade

Diante do colar belo como um sonho
admirei, sobretudo, o fio que unia as pedras
e se imolava anônimo para que todos fossem um!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *