Mundo

Senado argentino rejeita legalização do aborto

comshalom

Com 38 votos, o Senado da Argentina rejeitou na madrugada desta quinta-feira, 9, a legalização do aborto até a 14ª semana da gravidez. A sessão durou 12 horas e teve 31 votos a favor da proposta e duas abstenções.

Além de despenalizar o aborto, o projeto de lei exigia que o Estado o custeasse em hospitais e clínicas argentinas. Com a decisão, a interrupção voluntária da gravidez continua sendo crime. A Argentina é um dos muitos países da América Latina que não permitem a prática.

No Brasil, o Supremo Tribunal Federal (SFT) discute a descriminalização do aborto nesta semana. A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) foi uma das 26 entidades que puderam apresentar argumentos quanto à Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442.

Aborto: leia o discurso da CNBB no STF


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado.