Formação

Ser salvo ou ser santo?

A partir da experiência com o amor de Deus e com a graça do batismo, começamos a trilhar o que chamamos de caminho de salvação, que consiste em, através dos nossos atos livres, acolher a salvação que o próprio Cristo nos obteve.

A graça divina nos insere num caminho rumo ao Céu. Agora convém nos perguntar: qual é a importância e a necessidade da vida interior neste caminho rumo ao céu? É um chamado apenas para alguns ou para todos? Quero responder estas perguntas ao longo deste artigo.

A partir da experiência com o amor de Deus e com a graça do batismo, começamos a trilhar o que chamamos de caminho de salvação, que consiste em, através dos nossos atos livres, acolher a salvação que Jesus Cristo nos obteve. Ora, sabemos que não é pelos nossos méritos que obtemos a salvação (como se nós pudéssemos salvar a nós mesmos!), mas que o Cristo, pelo mistério pascal, já nos obteve a salvação, e o caminho que trilhamos é, portanto, de acolhida desta salvação que nos permite a entrada no céu.

Salvação e santidade

Pois bem, esse caminho de salvação não é diferente do caminho da santidade. Garrigou-Lagrange reprova o pensamento que apresenta a salvação e a santidade como dois conceitos apartados, pois segundo ele, os que entram no céu são os santos. Só os santos entram no céu, ou seja, só os santos são salvos.

Ensina o frade dominicano:

“Muitos parecem pensar: a final de contas, basta-me ser salvo; não é necessário ser um santo. Evidentemente, não é necessário ser um santo que faça milagres e cuja santidade seja oficialmente reconhecida pela Igreja; mas, para ser salvo, é preciso percorrer o caminho da salvação, e este é ao mesmo tempo o caminho da santidade: no céu não haverá senão santos. [1]”

Santidade e reconhecimento público

Como o teólogo francês indica, ao falarmos em “santo”, não nos referimos necessariamente aos homens e mulheres canonizados. Há muitos cristãos que entram no céu, seja logo após a morte ou depois de um tempo no purgatório, que não constam no cânon romano, ou seja, que não são reconhecidos publicamente como santos. Garrigou-Lagrange explica qual é a santidade necessária para ser salvo: “ninguém entra no céu se não tiver essa santidade que consiste em estar puro de todo pecado. [2]”

Uma purificação necessária

A santidade é a purificação do mal do pecado. De fato, é a isto que se refere a bem-aventurança: “Felizes os puros de coração porque verão a Deus” (Mt 5, 8). Este versículo extraído do Sermão da Montanha presente no Evangelho de Mateus fala de uma condição para ver a Deus. Cabe destacar que a expressão “ver a Deus” é sinônimo de entrar no céu, pois, no céu “veremos Deus”, O conheceremos como Ele se conhece.

Mas afinal, o que é a pureza?

O termo puro na sua raiz grega é kathanos, que significa “livre de mancha”. Ora, qual é a mancha que o cristianismo admite como fonte de todo mal e sofrimento na vida do homem? O pecado.

Para ver Deus temos que estar livres do pecado e esse é o objetivo da vida interior: nos levar a nos examinar para identificar as nossas faltas, nos deixar curar pela misericórdia e nos impulsionar a buscar a graça que nos capacita a fazer o bem e evitar o mal. A vida interior nos leva a união com Deus pela separação com o pecado.

Reconhecimento das nossas faltas

“Mas, todos somos pecadores”. Sim, somos e devemos ter clara essa noção, como os santos tiveram, para não cair no erro da presunção e no engano profundo a respeito de nós mesmos. Contudo, esta consciência não deve suscitar em nós o desespero (o que em si mesmo é um pecado contra a virtude teologal da esperança), nem o conformismo que nos leva a pensar com mediocridade: “ah, sou pecador mesmo, então vou me entregar ao pecado”. Com essa atitude não chegaremos a lugar nenhum. Nem nessa vida nem na próxima!

Impulsionados pela virtude da esperança

A consciência de que somos pecadores deve nos impulsionar a nos lançarmos nos braços de Deus e a nos abandonarmos inteiramente na Sua graça, pois somente pela graça o homem pode não pecar. Você sabia que a graça de Deus pode fazer um homem viver sem pecar? [3] Pois bem, a vida interior é um caminho que consiste em dar cada vez mais espaço à graça divina para que o Espírito Santo nos faça viver uma vida livre do pecado, ou seja, uma vida santa.

Considerações finais

A verdade é que não podemos ver a Deus se não somos puros, livres do pecado, e que só assim poderemos gozar a beatitude proclamada na bem-aventurança. É aí que reside a importância da vida interior. Não podemos ser salvos se não somos santos e a santidade passa por este caminho. Por isso, afirmamos que a vida interior é necessária para todos. Nunca deixe de cultivar a sua! Que Deus lhe dê a graça da perseverança.

 [1] Cf. GARRIGOU-LAGRANGE, R. As três idades da vida interior – Tomo I. São Paulo: Cultor de livros, 2018. pág. 3.

[2] Cf. GARRIGOU-LAGRANGE, R. As três idades da vida interior – Tomo I. São Paulo: Cultor de livros, 2018. pág. 3.

 [3] Cf. SANTO Agostinho, A graça (I), São Paulo: Paulus, 1998, 2 – A natureza e a graça, cap. IX.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *