Formação

Santas virgens mártires: pureza e coragem na busca pela santidade

Com a graça do Espírito Santo se conquista virtudes. Nesta nova série apresentaremos Santas que foram puras de corpo, alma e coração e nos ensinam uma vida virtuosa.

comshalom

Um dos pensamentos mais preciosos que Santa Teresinha nos deixou foi: “Deus não poderia me inspirar desejos irrealizáveis, portanto, posso, apesar da minha pequenez, aspirar à santidade”.

Em suma, isto significa que o mesmo Senhor que nos chama, sabendo da nossa fraqueza, também disponibiliza todos os meios para que alcancemos a bem-aventurada meta da nossa existência: a união definitiva com Ele, afinal, se fosse uma finalidade impossível, Deus não nos permitiria desejá-la. 

Essa união absoluta com o Senhor, que se dará plenamente na eternidade, é construída pouco a pouco, no decorrer da nossa existência, por meio da santificação, ou seja, do processo contínuo e paulatino de rompimento com tudo o que nos afasta Dele. 

Em sua origem, a palavra santificação indica ao menos três condições: separação, sacralidade e pureza. A partir desses significados, podemos concluir que a santidade comporta uma eleição divina, pois ao escolher, o Senhor automaticamente separa os seus eleitos, colocando-os à parte e em lugar privilegiado. Também diz respeito a uma retomada da semelhança perdida pelo pecado original, pois sacralizar significa dar uma nova dignidade, elevar à categoria divina: o homem, criado à imagem e semelhança de Deus, tendo perdido tal semelhança por causa do pecado, retoma-a por meio da graça.

Por fim, a santificação indica a pureza, segundo São Paulo nos diz: Maridos, amai as vossas mulheres, como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela, para santificá-la, purificando-a pela água do batismo com a palavra, para apresentá-la a si mesmo toda gloriosa, sem mácula, sem ruga, sem qualquer outro defeito seme­lhante, mas santa e irrepreensível” (Ef 5,25-27). E é exatamente sobre este terceiro aspecto da santificação que vamos nos aprofundar durante as próximas semanas: a pureza, que é condição essencial para quem quer ser santo.

Existe uma relação intrínseca entre a pureza do coração, do corpo e da fé. Quando Jesus anuncia que a bem-aventurança dos puros de coração é a visão beatífica do Senhor (cf. Mt 5,8), afirma implicitamente que é necessário entregar o coração e a inteligência às condições exigidas pela santidade de Deus, especialmente no que diz respeito à caridade, à castidade e ao amor à verdade da fé, como ensina Santo Agostinho:

para que, crendo, obedeçam a Deus; obedecendo, vivam corretamente; vivendo corretamente, purifiquem seu coração; e, purificando o coração, compreendam o que creem“.       

O Catecismo nos recorda que é o Espírito Santo que concede o dom da pureza aos que foram regenerados pelo Batismo (cf. CIC, §2345). E ainda ressalta que a vivência desta virtude tem para os cristãos um modelo: Jesus Cristo. Por isso, a pureza vivida pelos cristãos deve imitar a pureza de Jesus.

E esta imitação se dá por meio de uma luta, pois, apesar da purificação recebida no Batismo, é preciso combater continuamente contra as concupiscências e desordens que tendem a se levantar em nosso interior, ameaçando a manutenção da pureza do nosso ser. A vitória se dará de forma semelhante à de Jesus contra o mal: pela graça de Deus, crucificar nossas paixões desordenadas junto ao Seu madeiro sagrado.

Tais combates se dão em nosso cotidiano, pois vivemos em meio a uma sociedade envolvida por um forte apelo ao hedonismo, à sensualidade, à banalização do corpo e às desordens afetivas. De fato, se tais aspectos não forem combatidos por uma graça particular, com o vigor e a determinação próprios de um guerreiro, certamente acabarão por nos afundar em uma vida vazia de sentido e longe de realizar a meta da santidade.

Por isso, como inspiração e incentivo para a vivência da pureza, apresentaremos, no decorrer das próximas semanas, o testemunho de fé das virgens mártires que, desde os primórdios da Igreja, vêm corajosamente entregando suas vidas pelo desejo de amar a Deus de forma exclusiva e única, em uma disposição de perder tudo, menos a pureza de seus corações.

Semana que vem, recordaremos a história da primeira virgem mártir de que se tem notícia da história da Igreja. Até lá!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *