Formação

Série vida interior: Sobre a alma humana

Quando Deus cria uma pessoa, cria juntamente o corpo e a alma, embora o primeiro ao ser gerado precise passar por um processo natural de desenvolvimento desde a fecundação do óvulo.

comshalom

Para viver a vida interior precisamos nos conhecer. Aliás, até para viver a exterior é necessário o autoconhecimento. Como é difícil viver sem nos conhecermos! Sem conhecer os nossos defeitos para corrigi-los, ou os nossos dons e virtudes para potencializá-los, é difícil progredir. Por isso, para crescer na vida interior, é fundamental que nos conheçamos.

Mencionamos anteriormente que somos um composto de corpo e alma. Certamente, hoje temos numerosos recursos, com os avanços da ciência, para conhecer o nosso corpo, tornando-se uma tarefa um tanto mais fácil. Conhecer a nossa alma é difícil, pois, não a vemos, não a sentimos, não a tocamos. Contudo, não é impossível. A alma não fica restrita a nos dar o primeiro impulso de vida, mas permanece operando em unidade com o corpo, de modo que podemos conhece-la identificando a sua ação no nosso dia a dia.

Isso fizeram muitos autores espirituais de antigamente (aliás, os primeiros a referir-se à alma foram os filósofos gregos antes mesmo do surgimento do cristianismo). Para nos ajudar a conhecer um pouco melhor a nossa alma recorreremos ao pensamento de Santo Tomás de Aquino.

Garrigou-Lagrange afirma, baseado na teologia de Santo Tomás de Aquino, que a alma é a forma substancial do corpo humano. Isso quer dizer que a alma dá ao corpo humano a sua natureza. No entanto, esse “dar” não se refere a um ato temporal, mas a uma constituição substancial. O termo substancial diz respeito àquilo que há de permanente nos seres, a sua essência. Isto quer dizer que a alma é algo de essencial do ser humano. Substancial difere do acidental, que é aquilo que casualmente pertence aos seres, mas que não é essencial. Por exemplo, é substancial que um livro tenha páginas, mas é acidental a quantidade delas. Ora, um livro sem páginas não pode ser considerado um livro, pois, ele precisa ter páginas para sê-lo, isso é substancial. No entanto, se ele tiver quinhentas ou cem páginas, não deixará de ser um livro, pois, isso é acidental.  Pois bem, a alma é a forma substancial do corpo humano, não acidental, de modo que dá ao corpo os seus atos vitais, àquilo que é próprio da sua natureza. Ensina Garrigou-Lagrange:

“A alma racional é a forma substancial do corpo humano, dá-lhe a sua natureza, porque é o princípio radical pelo qual o homem vive a vida vegetativa, a vida sensitiva e a vida intelectual. Com efeito, estes diferentes atos vitais nestas três ordens de vida são naturais ao homem e não acidentais nele. Nascem, portanto, de sua natureza, do princípio específico que anima o corpo” 

Quando Deus cria uma pessoa, cria juntamente o corpo e a alma, embora o primeiro ao ser gerado precise passar por um processo natural de desenvolvimento desde a fecundação do óvulo. Dado que a alma está unida ao corpo de maneira substancial, e não acidental, eles constituem um composto unificado, que em é algo em si mesmo, substancial e inerentemente, e não por acidente, como afirma Garrigou-Lagrange: “Uma determinada alma individual e o seu corpo formam um composto natural que é uno, no per accidens, mas per se.

É em virtude desta unidade que a alma possui funções que exigem a participação do corpo, como o olhar, o sentir e o mover-se. Deste modo, a alma só adquire natureza completa através da sua união com o corpo. Nesta união substancial, no momento da criação, a alma é criada totalmente por Deus e, diferente do corpo, não conta com a participação humana na pessoa dos genitores no processo da procriação.

Participe

Abertas as pré-inscrições para a Escola de Líderes Shalom 2021


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *