Formação

Sobre os telhados

comshalom

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Arcebispo de Belo Horizonte/MG

 

A espionagem de todo tipo é marca antiga nas práticas dosque consideram este um caminho eficiente na busca da verdade e no tratamentoadequado da realidade. Morbidez, comércio, dinheiro, disputa de poder,vingança, interesses, perversidades, vantagens, planos para prejudicar e odesejo incontrolável de dominação, uma lista incalculável de outros itens,compõem este quadro que leva à prática da espionagem. Já se atingiu umaverdadeira sofisticação neste âmbito, enquanto ao mesmo tempo se mantém aescuridão própria do que não é praticado às claras. A sofisticação dos avançostecnológicos inclui uma lista surpreendente de artefatos que dão suporte a estaprática. Uma caneta presa ao bolso ou um relógio de pulso bastam para gravarconversas. São equipamentos que transmitem freqüência de imagem e som. E otelefone que capta o áudio e o remete para qualquer parte do mundo? Tem tambémmaleta para interceptar ligações de celular.

É um mercado muito bem alimentado. E as câmeras escondidasem bonés, maços de cigarro, bolsas, botões de camisa, fichários e agendas? Domesmo modo que se compra um jantar se encomenda um grampo telefônico. Câmerasocultas, dissimuladas, variados tipos de artefatos para escuta, disfarçados emdespertador, calculadora, mouse; dispositivos microauricular e outros. Há umbom midiático a respeito do assunto, mostrando as possibilidades para osusuários dos serviços e deixando em alerta e paranóicos os outros todos. É umaverdadeira guerra que se instala, com a perversidade do comércio e a sofisticaçãodas configurações tecnológicas. De um lado os recursos para bisbilhotar a vidaalheia; de outro lado também o desenvolvimento de recursos para garantirproteção e privacidade anulando a espionagem. Este cenário hospeda, ao mesmotempo, o lado doentio dos que se alimentam da curiosidade; os que buscaminformações e recursos para alcançar interesses próprios e de grupos; osmecanismos para encontrar em falas a saída para prejudicar os outros; o caminhocurto que dispensa o diálogo e a verdade no relacionamento; também a questão dodireito à privacidade que a Constituição Federal, artigo 5º., garante a cadacidadão.

Esta febre da espionagem, recurso espúrio e doentio na lutamórbida pelo poder, tem um contra ponto muito interessante num ensinamentoclássico e central de Jesus, quando ele chamou os seus discípulos e os enviouem missão. É um contra ponto simples e de extrema sabedoria. Uma sabedoria quedá ao discípulo um incalculável poder de domínio e liberdade sobre talsituação. Enviando os seus discípulos em missão, Jesus fez-lhes importantesrecomendações: “Vede, eu vos envio como ovelhas para o meio de lobos. Sede,portanto, prudentes como as serpentes e simples como as pombas. Cuidado com aspessoas, pois vos entregarão aos tribunais e vos açoitarão nas sinagogas.Quando vos entregarem, não vos preocupeis em como e o que falar, pois nãosereis vós que falareis, mas o Espírito do vosso Pai falará em vós. O irmão entregará àmorte o próprio irmão; o pai entregará o filho; os filhos se levantarão contraos pais e os matarão. Não tenhais medo deles. Não há nada de oculto que nãovenha a ser revelado, e nada de escondido que não venha a ser conhecido. O quevos digo na escuridão, dizei-o à luz do dia; o que escutais ao pé do ouvido,proclamai-o sobre os telhados”, narra o evangelista Mateus 10,16-27.

A maestria de Jesus adverte e treina os seus discípulos parauma dimensão ética alargada e enraizada, como caminho único na construção dorelacionamento fundado sobre os pilares da verdade, da liberdade e da justiça.Outra dinâmica ou outra direção estão na contramão dos valores e dos princípiosque devem reger a conduta cidadã e a condição de autêntico discípulo. Há quemindique não falar ao telefone para escapar o risco de ser grampeado. O controlesobre os que espionam é praticamente impossível. Viver a paranóia dadesconfiança geral, certamente, não é o caminho. Contra atacar, parece óbvio,não é o caminho certo na defesa da própria privacidade. O contexto é confuso.Além dos mecanismos sofisticados e dos interesses variados, nesse processo têminteresses muitos que jamais estariam relacionados numa lista de espiões e dosque usam destes mecanismos para alcançar suas metas.

A indicação de Jesus, edificada na transparência de atos eintenções, faz lembrar o tempo das histórias: era uma vez. O tempo dashistórias de verdade. Era uma vez, um homem honesto e simples; pai de família etrabalhador. Sua vida era o trabalho empenhado. Suas escolhas eram simples.Seus interesses eram cidadãos. Seu comportamento era exemplar. Dele semprediziam: é o homem mais honesto da cidade. Não mentia, não fofocava, era fiel ejusto. Conduta moral exemplar. Admirado e respeitado. Este homem jamais tevemedo de espionagem.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *