Sem Categoria

Sudão do Sul: quatro milhões de pessoas afetadas pela fome

comshalom
Fonte: AIS

A Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) denunciou ontem, 22, que a falta de alimentos no Sudão do Sul afeta cerca de quatro milhões de pessoas, também atingidas pela cólera.

Numa nota enviada à Agência ECCLESIA, o secretariado português da AIS informa que o governo do Sudão do Sul declarou “formalmente a situação de fome” em algumas regiões do país.

A Organização das Nações Unidas contabiliza “mais de 1 milhão” de pessoas a passar fome no país.

A Fundação Ajuda à Igreja que Sofre informa também que se registou “um surto de casos de cólera” nas regiões de Yirol East e de Awerial, “contabilizando as autoridades sanitárias mais de três centenas de casos apenas nos últimos dias”.

Segundo a AIS a guerra civil entre partidários do presidente Salva Kiir e do ex-vice-presidente Riek Machar corresponde ao confronto entre as etnias Dinka e Nuer que agravou a “débil produção agrícola” fazendo temer uma situação trágica em julho, quando “normalmente, se verifica a maior escassez de alimentos”.

O Papa Francisco fez um apelo onde alertou para a grave situação da nação africana que vive um “conflito fratricida”, ao qual se junta a fome que afeta muitas pessoas, especialmente as crianças, no final da audiência pública na Praça de São Pedro.

A fundação pontifícia explica ainda que o Sudão do Sul, que a 15 de dezembro de 2013 “voltou a mergulhar na guerra”, é o mais jovem país do mundo tendo proclamado a independência a 9 de julho de 2011, “depois de décadas de conflito com o vizinho do norte, o Sudão”.

Fonte: Agência Ecclesia


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *