Formação

Tu és o meu filho amado

comshalom

Dom Pedro José Conti

     Osditados do povo acompanham a nossa vida. Os encontramos em todos oslugares e para todos os gostos. Numa certa região deste mundo o povodiz: “os pais eternos crucificam os seus filhos”. Quando ouvi esseditado achei que era muita falta de respeito com o Divino Pai Eterno erelativo Filho. Hoje penso diferente. A sabedoria popular simplesmentequer nos lembrar uma verdade evidente, e para muitos uma durarealidade. Quem teve, ou tem, um pai autoritário que impõe de qualquermaneira a sua vontade, acaba sofrendo. Ainda hoje existem pais que seacham no direito de decidir pelos filhos e as filhas, exigindoobediência cega. Usam todos os meios, desde a violência até a chantagememocional. O que vale mesmo é que os filhos, ou as filhas, continuemfazendo o que eles mandarem. São aqueles pais que se achamtodo-poderosos e acabam crucificando os seus filhos. As conseqüênciaspodem ser diferentes. Alguns filhos ficam submissos a vida inteirasonhando com a libertação, outros se revoltam, saem de casa, buscando oseu caminho na vida. Poucos conseguem amar esse tipo de pais.

     Lembrei-medeste ditado popular refletindo sobre o evangelho deste domingo,chamado de o Batismo do Senhor, domingo que encerra o tempo litúrgicodo Natal. A voz do céu proclama: “Tu és meu Filho amado, em ti ponhomeu bem-querer”. Como conciliar essas palavras tão maravilhosas, essadeclaração de amor, com a cruz de Jesus, com o silêncio do Pai na horado Calvário? Parece impossível que um Pai que tanto ama o seu Filhopossa entregá-lo nas mãos dos perseguidores. Para nós amor e sofrimentonão podem andar juntos. Quem ama não pode querer o sofrimento e a mortedo amado. Nem pensar! Mas, e se fosse por um amor maior, por algo quejustifique tamanha entrega, seria possível?

     Nesse sentido, nós pobres serem humanos limitados, sempre teremosdificuldade de entender o amor de Deus. O amor divino sempre nossurpreenderá e sempre estará além da nossa compreensão.

     Oque podemos entender pelas palavras do Novo Testamento é a perfeitasintonia e a comunhão de amor entre o Pai e o Filho. Esse Amor,inclusive, tem nome: é o Divino Espírito Santo. Portanto o projeto deamor do Pai é também do Filho e do Espírito Santo. O Pai ama o Filho e,de comum acordo, se se pode dizer assim, amam a humanidade e decidemsalvá-la. Entre Eles o amor é um único e perfeito amar e querer.

     OPai ama enviando o Filho e o Filho ama obedecendo ao Pai eentregando-se totalmente à missão. Custe o que custar, até a morte e amorte de cruz. A obra se completa no silêncio e no sacrifício doCalvário, mas também no primeiro dia da semana, no dia radioso daPáscoa da Ressurreição. É até fácil dizer tudo isto. Perceber o tamanhoe a riqueza dessa dinâmica de amor é o nosso problema. Temosdificuldade de reconhecer que se pode amar até o sacrifício e a doaçãode si próprios.

Noinício da sua vida pública o Filho escuta as palavras do Pai que são deamor. Justamente a missão que foi entregue ao Filho será tão difícilque Ele precisa ouvir essas palavras de encorajamento e confirmação. Oresto da história já o conhecemos.

     Éo caso de nos perguntar quantos pais sabem encorajar os seus filhos, emlugar de crucificá-los com mandos e desmandos. Como também nosperguntar se acreditamos num amor capaz de dar a própria vida. Talveznão de uma vez, mas aos poucos, no dia a dia, no serviço silencioso, nadedicação e na honestidade. Amor de esposos e esposas, amor de pais efilhos, amor de irmãos, amor de amigos.

     Éaqui que entra também o nosso batismo, para nós recebido em nome do Paie do Filho e do Espírito Santo. Se não foi um mero ritual parasatisfazer a consciência dos pais, e se tornou compromisso com aeducação cristã dos filhos, nós também precisamos cumprir uma missão.Aliás, dar continuidade à missão que Jesus recebeu do Pai: continuar aamar a humanidade, acreditar nela ao ponto de gastar, para isso, anossa vida.

     Nós,hoje, merecemos mais ou merecemos menos o amor divino? Continuamosindiferentes, cobiçando o poder e o dinheiro, continuamos a desprezar avida e o jardim no qual moramos. Quem está disposto a dar a própriavida por causa da humanidade, que nos parece tão perdida, sem chance dese resgatar? Ainda bem que Deus nos amou primeiro e continua a nosamar. Nos ama no Filho que fala em nome do Pai que o enviou, nos ama emtodos aqueles e aquelas que aceitam entrar no jogo do amor, por amor.Até a cruz, se precisar.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *