Formação

Ultrapassar rancores com a misericórdia,

comshalom

<!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}@page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;}div.Section1 {page:Section1;}–>

A misericórdia deve orientar a "justiça". Estesentimento exige que se "corrija o culpado, se repare o mal realizado e seprotejam as pessoas, sobretudo as mais fracas".

Quem tem a consciência da misericórdia divina "cresce em motivação paraajudar os outros a não desistir nunca de ninguém, por mais sancionável quepossa ser". Assim se referiu Dom Manuel Clemente durante a homilia, noSantuário de Fátima, presidindo à Peregrinação Internacional Aniversária esubordinada ao tema "Prefiro a Misericórdia ao sacrifício".

"Cristo e o seu Evangelho estão no mundo há 2 mil anos, mas há ainda muitoa fazer a partir deles para o triunfo da misericórdia". Neste centenáriodas aparições, D. Manuel Clemente pediu uma "grande misericórdia para omundo e a recuperação global de tudo e todos".

A misericórdia divina não "nos esconde a verdade nem dispensa dareparação, mas por ser a misericórdia absoluta, Deus evidencia que ainda nãosomos, nem nos sentimentos nem nas relações". O bispo do Porto pediu que"em toda a educação familiar, particular, pública e estatal se facultepositivamente às novas gerações o conhecimento da herança sapiencial ereligiosa da humanidade com um sólido legado para poder ser verdadeiramentelivre e responsável", indicou, "especialmente na misericórdia".

O mundo repete "rancores e violência, egoísmo e exclusão, desinteresse edesistência", onde mesmo que surjam novos nomes "se aplicam a pecadosvelhos, que só a misericórdia consegue ultrapassar", indicou o Bispo doPorto. O trabalho é "grande, muito grande, por isso o espírito de Deus éque nos muda os corações, com misericórdia, benevolência e caridade",sentimento que não esconde "a negatividade do pecado, mas não deixa desistirde ninguém".

"A festa de Deus é o regresso dos pródigos", finalizou. Esta alegria"verdadeira" é alargada a este "ano centenário das aparições deFátima". O Bispo do Porto apelou a todos que "nesta festa se escutaNossa Senhora, se apele à conversão dos pecadores e dos que precisam",pois "há uma festa divina a alargar ao mundo".


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *