Formação

Um Deus escondido e silencioso?

Agradecer a Deus pelo açúcar é fácil; bendizê-lo pelo sal é heroísmo!

comshalom

Foi em 1970 que me deparei com o livro “Deus existe, eu o encontrei”. Fora escrito no ano anterior por André Frossard, um francês que se convertera ao catolicismo, após percorrer os meandros da utopia comunista. O volume mereceu dezenas de edições, tanto na França como em outros países.Contudo, nos anos seguintes, ele foi contestado por várias publicações que, do título ao conteúdo, afirmavam exatamente o contrário: “Eu procurei, mas nada encontrei!”

 Uma pergunta perpassa a história da humanidade: se Deus existe, por que não revela toda a grandeza de seu poder, fazendo com que o bem,o amor, a verdade e a beleza triunfem em toda a parte? Pergunta esta que não nasce apenas do coração angustiado das vítimas da dor, mas até mesmo de pessoas que a Bíblia considera corretas e santas, como são os salmistas: «Senhor, porque ficas assim tão longe e, no tempo da aflição, te escondes?» (Sl 10,1).«Será que Deus se esqueceu de ter piedade? Será que a ira lhe fechou o coração?Eu confesso que é esta a minha dor: a mão de Deus não é mais a mesma!» (Sl77,10-11). «Até quando, Senhor Deus, ficarás sempre escondido?» (Sl 89, 47).

 O profeta Isaías também passou por essa crise: «És realmenteum Deus escondido, Senhor» (Is 45,15). Contudo, poucos versículos adiante, ele recebe a resposta que tanto desejava ouvir de Deus: «Não falei às escondidas,nem em algum canto escuro da terra. Eu não disse à descendência de Jacó: “É tempo perdido me procurar!» (Is 45,19).

 Para captar essa revelação e presença de Deus em nossa vida,porém, é preciso reassumir a simplicidade das crianças: «Eu te louvo, Pai,Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas aos orgulhosos e arrogantes, e as revelaste aos pequeninos!» (Mt 11,25). É o que nos ensina uma estória que me chegou via internet.

 Certo dia, a professora pergunta às crianças da catequese:«Como vocês sabem que Deus existe, se nunca o viram?». Pedro, um menino franzino e tímido, olha para os lados, levanta a mão e responde: «Mamãe me disse que Deus é como o açúcar no leite que ela me prepara todas as manhãs. Eu não vejo o açúcar, mas se mamãe esquece de o colocar, o leite não tem sabor.Deus existe e está sempre no meio de nós, mas nós não o vemos. Se, porém, ele sair de perto, nossa vida fica… amarga!».

 Deus pode ser visto como o açúcar quando a vida é um mar de rosas. Mas, se ela é um rosário de sofrimentos, então Deus se assemelha ao sal.Se o açúcar adoça, o sal conserva, purifica e amadurece. Como o açúcar, tambémo sal se esconde. Ambos são percebidos apenas quando faltam… A mesma coisa acontece com Deus: todos notam quando e onde ele não está presente. O pior é que, então, seu lugar é ocupado pelo Demônio, «o pai da mentira» (Jo 8,44) – e a vida se torna uma grande ilusão. Agradecer a Deus pelo açúcar é fácil; bendizê-lo pelo sal é heroísmo!

 Um Deus silencioso e oculto, então? Não, responde São João da Cruz, pelo menos para quem vive na humildade: «Ó alma, o que desejas e procuras fora de ti, se é em ti que estão as tuas alegrias, a tua consolação, a tua riqueza e o teu reino – numa palavra: o teu amado, aquele que tanto deseja se procuras? Só precisas saber uma coisa: embora esteja dentro de ti, ele está escondido.

 Talvez tu perguntes: “Se aquele que a minha alma ama está em mim, por que é que não o encontro nem sinto?” A resposta é que ele está escondido, e tu não te escondes para o encontrar e sentir. Portanto, uma vez que o teu amado é o tesouro oculto no campo da tua alma, pelo qual o sábio comerciante vendeu tudo, convém que, para o encontrar, esqueças todas as tuas coisas e, desapegando-te das criaturas, te refugies no interior do teu espírito».

 Uma coisa é certa: «É preciso passar por muitos sofrimentos para entrar no Reino de Deus» (At 14,22). Foi o que aconteceu com Jó. Somente depois de atravessar uma dolorosa noite escura é que pôde afirmar: «Antes eu conhecia a Deus apenas por ouvir dizer, mas, agora, eu o vejo com meus próprios olhos» (Jó 42,5).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *