Formação

Um político de ficha limpa

comshalom

A campanha em favor da “ficha limpa” mobilizou, em todo oBrasil, milhões de pessoas que acreditaram na possibilidade da decência e daética na política. Em Brasília houve quem apostou que seria mais fácil a vacavoar do que esse projeto de lei de iniciativa popular passar pelo CongressoNacional. Surpresa! A vaca não voou, mas o projeto passou, a lei já foisancionada e está em vigor. Agora é vigiar e clamar pela sua aplicação correta.O País agradece a tantos cidadãos que se empenharam para barrar, antes das urnas,pretendentes a mandatos políticos que não podem ostentar idoneidade moral paragovernar ou legislar. Será bom para o Brasil. Muito bom.

Mas, sejamos justos. Nem todos os políticos foram ou são“fichas sujas”. Muitos desempenharam com dignidade e grandeza a sua missão. Nopassado e no presente. Quero lembrar um deles, Tomás Morus, um político inglês.Não é que faltem exemplos também entre nós, mas porque esse é emblemático.Nasceu em Londres, em 1478; estudou Direito em Oxford, casou, teve 3 filhas e umfilho. Homem de vasta cultura, amigo de notáveis protagonistas do Renascimento,escreveu vários livros sobre a arte de governar e em defesa da religião – eracatólico fervoroso. Em 1504 foi eleito para o Parlamento e o rei Henrique VIIIconfiou-lhe importantes missões diplomáticas e comerciais; chegou a ser membrodo Conselho da Coroa, vice-tesoureiro do Reino e, em 1523, presidente da Câmarados Comuns. Em 1529 foi nomeado chanceler de Sua Majestade.

Quando o soberano, não atendido pelo papa em sua pretensãode divórcio, resolveu ser, ele mesmo, o chefe na Igreja da Inglaterra,separando-a de Roma, o fiel chanceler começou a ter problemas. Não aprovando aingerência do rei na Igreja e não aderindo à sua política discriminatóriacontra os católicos, Tomás Morus renunciou ao cargo e retirou-se da vidapública, para sofrer, com sua família, o ostracismo e a pobreza. Foiencarcerado na Torre de Londres e submetido a várias formas de pressão paraprestar juramento de fidelidade ao rei. Preferiu permanecer fiel à suaconsciência e, com firmeza, denunciou no tribunal o despotismo do soberano.Condenado à morte por “infidelidade ao rei”, foi decapitado no dia 6 de julhode 1535.

Da prisão, escreveu à filha Margarida: “Fica tranquila,minha filha, e não te preocupes com o que possa me acontecer neste mundo. (…)Até agora, Deus me deu a graça de tudo desprezar, do fundo do coração –riquezas, rendimentos e a própria vida – ao invés de jurar contra minhaconsciência”. E manteve esta posição com serena firmeza. Não traiu aconsciência por vantagens, poder, riquezas, prestígio, nem passou por cima daverdade e da decência, mesmo para salvar a própria vida. Permaneceu “fichalimpa”, sabendo que isso lhe custava a cabeça. Literalmente.

Em 1935, quatro séculos depois de seu martírio, o papa PioXI declarou-o “santo” e, no ano 2000, João Paulo II proclamou-o patrono dosgovernantes e políticos. De fato, vários chefes de Estado e de Governo,numerosos dirigentes políticos, além de Conferências Episcopais, haviamapresentado sugestão ao papa, nesse sentido. Tomás Morus foi um políticocomprometido com a verdade e com os valores éticos. O que mais impressionanesse grande homem público é a retidão e a inflexível fidelidade à própriaconsciência. Colaborou com a Autoridade e as instituições, enquanto eramlegítimas; exerceu o poder na medida da justiça, como serviço ao povo e a seupaís. Mas sua grande firmeza de caráter e sua sólida estatura moral não lhepermitiram cair na tentação de usar o poder para sua vantagem e ganhos pessoais.Colocou sua atuação pública ao serviço dos mais pobres e desprotegidos,promoveu a paz social, a educação integral da juventude, a defesa da pessoa eda família. Diante das lisonjas do poder, das honrarias e das riquezas,conservou uma serena jovialidade, inspirada no sensato conhecimento da naturezahumana e da futilidade do sucesso. Manteve o bom humor, mesmo diante daiminência da morte.

Tomás Morus harmonizou, de forma extraordinária, sua intensavida pública com suas convicções interiores. Um bom político, de fato, não podeseparar-se da verdade, nem dissociar sua ação da moral. A dignidade dos homenspúblicos é certificada por uma boa consciência. Como explicar, diante do povo,vantagens desonestas, sem afundar ainda mais no charco da mentira e dadesonestidade? A vida de Tomás Morus é um belo exemplo de ética na política.Coisas que ficaram no passado? Não creio. É o mesmo anseio manifestado, aindahoje, pelos milhões de brasileiros que apoiaram o projeto de lei de iniciativapopular “ficha limpa”. O futuro confirmará, com toda a certeza, que esta leiterá contribuído muito para melhorar o nível ético da política brasileira.

Estamos num ano eleitoral e o povo brasileiro é convidado,mais uma vez, a fazer um discernimento acurado sobre candidatos e partidos,para escolher e votar. Esta é mais uma boa chance dos cidadãos para deixarclaro quais rumos querem ver na política do nosso País. Tomás Morus tem algo aensinar e nos lembra, sobretudo, que a verdade e a ética são inegociáveis. Nãotêm preço. Também alerta que a corrupção da consciência é uma vilania que podelevar ao despotismo e às maiores injustiças. Com freqüência, clama-se porreformas profundas para melhorar a política do País e elas, certamente, sãonecessárias. Porém, mais necessários ainda, na condução da vida política de umpovo são os políticos íntegros. Chegou a hora de conhecê-los e de votar neles.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *