Formação

Uma Inculturação bem sucedida

comshalom
Nos tempos natalinos aparecem certos “pensadores” que querem ver sinais de paganismo nas celebrações do nascimento de Jesus. Acham esses escavadores da História, informados pela metade, que aquilo que cerca o Natal nada tem a ver com Jesus. Assim, nos fazem lembrar que 25 de dezembro é uma data irreal para o nascimento do Menino. É data falsa, dizem. Quando a Igreja vem para uma nova região, transmitir o ensinamento do evangelho, não costuma substituir as culturas existentes, mas dá-lhes um sentido novo, sem as destruir. Por isso, a festa do Sol Invicto, existente entre os romanos, e celebrada em 25 de dezembro (alto inverno), não foi menosprezada, mas substituída no seu sentido. A Igreja ensinou que o verdadeiro sol é Jesus. O novo sentido “pegou”, porque a data real ninguém sabe. “Ela deu à luz seu filho primogênito” (Lc 2,4). Houve uma convenção sobre o Natal, agora fixado em 25 de dezembro.

Também quero ajudar a desfazer certas sinapses mal feitas nos neurônios de algumas pessoas. Dizem alguns, com expressão alvar, que tudo o que acompanha as festas natalinas não faz sentido cristão. A seguir quero explicar um pouco a grande riqueza cultural contida nos festejos populares. Assim, damos presentes às pessoas, sobretudo às crianças, porque o Pai do Céu nos deu o maior presente que é possível: seu Filho Jesus. A Ceia de Natal lembra que Jesus nasceu numa família e veio valorizar essa bela instituição, trazendo-lhe prosperidade. Usamos luzes de enfeite, porque Cristo é a luz do mundo. Enfeitamos árvores de natal, de preferência coníferas (pinheiros), árvores cheias de vida e verdes, porque Jesus é a vida perene. Colocamos bolas coloridas na árvore, porque a humanidade deve realizar muitas obras boas em favor dos outros. Montamos o presépio para mostrar que Jesus veio para todos, especialmente para os mais pobres. Colocamos anjos e trombetas, para dizer que começaram os novos tempos do Salvador, chamando a humanidade para a esperança. Sem me alongar em mais símbolos, quero mostrar que tudo isso a Igreja aproveitou, por já existir nas culturas do povo. E deu-lhe um novo sentido mais rico. Foi um sucesso cultural. Só o papai Noel continua sendo uma introdução incompreensível. Essa figura só existe há 100 anos. Mas à medida que nos conscientizarmos de sua banalidade, poderemos dar-lhe um novo sentido.

Dom Aloísio Roque Oppermann scj – Arcebispo emérito de Uberaba.

 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *