Formação

Valor da concepção virginal de Jesus

comshalom

Do Livro: "A VIRGEM MARIA" – 58 CATEQUESES DO PAPA JOÃO PAULO II

No seu desígnio salvífico Deus quis que o Filho unigênito nascesse de uma Virgem. Tal decisão divina postula uma relação profunda entre a Virgindade de Maria e a Encarnação do Verbo. "O olhar da fé pode descobrir, tendo em mente o conjunto da Revelação, as razões misteriosas pelas quais Deus, no seu desígnio salvífico quis que seu Filho nascesse de uma Virgem. Estas razões tocam tanto a pessoa e a missão redentora de Cristo quanto o acolhimento desta missão por Maria em favor de todos os homens" (Catecismo da Igreja Católica, n. 502).

A concepção virginal, excluindo uma paternidade humana, afirma que o único pai de Jesus é o Pai celeste e que na geração temporal do Filho se reflete a geração eterna: o Pai, que tinha gerado o Filho na eternidade, gera-O também no tempo como homem.

A narração da Anunciação põe em relevo o estado de "Filho de Deus", apôs a intervenção divina na concepção. "O Espírito Santo virá sobre ti e a força do Altíssimo estenderá sobre ti a Sua sombra. Por isso mesmo é que o Santo que vai nascer há de chamar-Se Filho de Deus" (Lc. 1,35). Aquele que nasce de Maria é já, em virtude da geração eterna, Filho de Deus; a sua geração virginal, operada por intervenção do Altíssimo, manifesta que, também na sua humanidade, Ele é o Filho de Deus.

A revelação da geração eterna na geração virginal é sugerida também pelas expressões contidas no Prólogo do Evangelho de João, que põem em relação a manifestação do Deus invisível, por obra do "unigênito que esta no seio do Pai" (1,18), com a sua vinda na carne: "E o Verbo fez-Se Homem e habitou entre nós, e nós vimos a Sua glória, glória que Lhe vem do Pai, como Filho único cheio de graça e de verdade" (1,14). Narrando a geração de Jesus, Lucas e Mateus afirmam também o papel do Espírito Santo. Este não é o pai do Menino: Jesus é Filho unicamente do eterno Pai (cf. lc. 1,32.35) que, por meio do Espírito, opera no mundo e gera o Verbo na natureza humana.

Com efeito, na Anunciação o anjo chama ao Espírito "força do Altíssimo" (Lc. 1,35), em sintonia com o Antigo Testamento que o apresenta como a divina energia operante na existência humana, tornando-a capaz de ações maravilhosas. Ao manifestar-se no grau supremo no mistério da Encarnação, esta força, que na vida trinitária de Deus é Amor, tem a tarefa de dar o Verbo Encarnado à humanidade.

3. O Espírito Santo, em particular, é a Pessoa que comunica as riquezas divinas aos homens e lhes participa a vida de Deus. Ele, que no mistério trinitário é a unidade do Pai e do Filho, operando a geração virginal de Jesus, une a humanidade a Deus. O mistério da Encarnação põe em evidência também a incomparável grandeza da maternidade virginal de Maria: a concepção de Jesus é fruto da sua generosa cooperação na ação do Espírito de Amor, fonte de toda a fecundidade. No plano divino da salvação, a concepção virginal é, portanto, anúncio da nova criação: por obra do Espírito Santo, em Maria é gerado Aquele que será o homem novo. Como afirma o Catecismo da Igreja Católica, "Jesus é concebido pelo poder do Espírito Santo no seio da Virgem Maria, pois Ele é o Novo Adão que inaugura a nova criação" (n. 504). No mistério dessa nova criação resplandece o papel da maternidade virginal de Maria. Chamando a Cristo "Primogênito da Virgem" (Adv. Haer. 3, 16, 4), Santo Ireneu recorda que, depois de Jesus, muitos outros nascem da Virgem, no sentido que recebem a vida nova de Cristo.

"Jesus é o Filho Único de Maria. Mas a maternidade espiritual de Maria estende-se a todos os homens que Ele veio salvar: ‘Ela engendrou seu Filho, do qual Deus Se fez o Primogênito entre uma multidão de irmãos’ (Rom. 8,29), isto é, entre os fiéis, em cujo nascimento e educação Ela coopera com amor materno (LG, 63)" (Catecismo da Igreja Católica, n. 501).

4. A comunicação da vida nova é transmissão da filiação divina. Podemos aqui recordar a perspectiva aberta por João no Prólogo do seu Evangelho: Aquele que por Deus foi gerado dá aos crentes o poder de se tornarem Filhos de Deus (cf Jo. 1, 11-12). A geração virginal consente a extensão da paternidade divina: os homens tornam-se filhos adotivos de Deus, n’Aquele que é Filho da Virgem e do Pai. A contemplação do mistério da geração virginal faz-nos então intuir que Deus escolheu para o seu Filho uma Mãe Virgem, a fim de oferecer de modo mais amplo à humanidade o seu amor de Pai.

L´Osservatore Romano, n.31, 03/08/1996, pag. 8(372)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *