Formação

Vida consagrada e nova criação

comshalom

A Bíblia diz que no início Deus disse “fiat” (faça-se) e aconteceu a criação do universo, com os seres vivos, inclusive o ser humano. Este, porém, Deus fez à sua imagem e semelhança. Por orgulho do ser humano houve a degradação e o pecado, ferindo a imagem divina na criatura humana.

Deus não abandonou a obra prima da criação. Em Cristo se inclinou até a pessoa humana, assumiu a natureza humana, reparou pela vida, morte e ressurreição o pecado e houve a nova criação. “Eis que venho para fazer a tua vontade”, disse o Filho de Deus ao Pai Eterno. Jesus, no horto das oliveiras, suou sangue de pavor. Mas disse de novo: “Fiat”, faça-se. E houve a redenção.

Maria disse também ao anjo: “Faça-se em mim segundo a tua palavra”. E houve a encarnação do Filho de Deus.

Um dos primeiros escritores leigos do cristianismo – Orígenes – quando foi batizado o filho, arrancou a camisa dele, ajoelhou-se e beijou-lhe o peito, dizendo: “Eu te adoro Trindade santa, presente no coração de meu filho”. Esta é a nova criação. O “sim” de cada pessoa humana atualiza a nova criação, o projeto de Deus na Igreja. Entre tantas maneiras de seguir a Cristo, está a “vida religiosa”, ou vida de especial consagração. É a vocação que recordamos no terceiro domingo de agosto, o mês vocacional.

É uma atração especial, um encantamento por Cristo, para viver como ele, assumir o estilo de vida próprio dele. Viver só para ele, desprendido dos bens que passam e dizer pela vida o “sim” de Cristo, o “sim” de Maria.

Encontrei um jovem que me chamou a atenção. Perguntei: quem é você? E Ele: “Sou aprendiz de cristão”. Perguntei mais: casado, enamorado? Resposta: “Enamorado pelo Reino, celibatário por opção, só a serviço de Cristo e do povo”. Isto acontece hoje, numa periferia urbana.

Lembra o salmista: “O homem, mesmo de fé, é como um sopro; ele passa como a sombra que se esvai; ele se agita e se preocupa inutilmente, junta riquezas sem saber quem vai usá-las” (Sl 38, 7). O religioso não amontoa riquezas, faz voto de pobreza.

Maximiliano Kolbe, o padre que morreu num campo de concentração em lugar dum pai de família, escreveu: “A Sagrada Escritura resumiu a longa permanência de Cristo em Nazaré com estas palavras: E era-lhes submisso” (Lc 2, 51).

Faz eco ao Apóstolo Pedro: “Deus resiste aos soberbos, dá a sua graça aos humildes. Lançai sobre ele toda a vossa preocupação, pois é ele quem cuida de vós” (1 Pd 8, 5-7). O religioso faz voto de obediência.

O Apóstolo Paulo fala do “coração dividido”. Ele mesmo optou totalmente por Cristo: “Para mim, viver é Cristo”. Novamente cito Maximiliano Kolbe: “Não conhecemos, para progredir no amor a Deus, livro mais sublime que Jesus Cristo crucificado” (extraído de uma carta). O religioso faz voto de castidade.

Obrigado, mulheres e homens, que optaram pela vida de especial consagração. Obrigado pelo exemplo de vida, obrigado pela dedicação ao povo e a glória de Deus. O compromisso do povo cristão é orar pelos religiosos, apoiá-los na sua vocação e olhar com ternura para as novas vocações à vida religiosa.

Dom Sinésio
Bispo da diocese de Santa Cruz do Sul (RS)

Fonte: CNBB


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *