Formação

Vida no Espírito

comshalom

Reciclagem Shalom1998 – Formação Doutrinária – Parte III
___________________________________________________________________________

De tudo o que foi dito, podemos constatar que o Espírito Santo é verdadeiramente o coração da vida cristã, a sua própria respiração, de modo que não se trata de sermos “devotos”do Espírito Santo, mas de viver e respirar o Espírito Santo.
Se por um lado não é fácil descrever o Espírito Santo, por outro lado, Ele transforma e transfigura de tal modo a vida do cristão, realizando uma mudança tão profunda naqueles que se deixam guiar por Ele, que Sua presença não pode passar despercebida.

1. O Espírito nos torna participantes da vida divina
II Pd 1,4

Isto acontece pelo Batismo, através do qual morremos para o pecado e nascemos pa-ra uma vida nova, isto é, somos purificados dos nossos pecados e inicia-se em nós um processo de "cristificação". Assim é que o Espírito Santo vai "esculpindo"a imagem de Cristo em cada batizado.

2. O Espírito nos dispõe para a acolhida da vida divina
I Cor 2,2-5.12-14

O Espírito Santo age lá onde nasce a nossa opção fundamental. A fé, embora pressu-pondo a colaboração da liberdade humana, é um dom de Deus, e como qualquer outro dom este é concedido pelo Espírito Santo. Assim é que o cristão, animado pela fé, pode mudar totalmente de atitude diante do mundo e da realidade, olhando e interpretando cada coisa através dos olhos do Espírito. É Ele que ajuda a discernir tudo o que na história se opõe ao plano de Salvação, e que abre o coração aos mistérios de deus, a ponto de se ver a vida, os acontecimentos, a história toda sob a Sua luz. Podemos compreender sobretudo o mistério da cruz, que, de outro modo, seria simplesmente loucura para a razão humana. Em outras palavras, trata-se de captar a essência do Evangelho, isto é, a lógica própria de Deus, que é oposta à dos homens, segundo a qual a vida nasce da morte, reinamos servindo, e nos tornamos livres e felizes na medida em que somos ca-pazes de nos doar aos outros sem cálculos e sem medidas, na mesma linha traçada por Cristo com o seu comportamento.

3. O Espírito nos torna filhos no Filho
Rom 8,14-16

Tendo recebido o Espírito Santo, somos enxertados no Filho de Deus (Cristo), como ramos em uma videira. Assim é que, sendo Cristo Filho de Deus por natureza, nós nos tornamos filhos de Deus por Graça. A adoção divina estabelece um vínculo mais estreito do que a filiação física. Mas o Espírito Santo não somente nos faz filhos de Deus, mas nos dá experimentar esta filiação, ou seja, é capaz de produzir em nós a certeza e o sentimento de sermos filhos de Deus. O Espírito então infunde em nós uma liberdade filial diante de Deus e uma confiança incondi-cional nele, tal como as crianças têm em seus pais. esta disposição e ânimo filial não é algo me-ramente afetivo, mas brota no íntimo da pessoa, fazendo-a crescer e transformar-se em todos os aspectos de sua vida. Na experiência da filiação divina, o Espírito nos revela a nós mesmos quem de fato somos, fazendo-nos descobrir o sentido da nossa existência. (Veja Gl 6,15; II Cor 5,17).
A consciência da filiação divina se expressa existencialmente na oração filial e na obediência filial ao Pai, em seguimento a Jesus, que é o Filho Primogênito. Assim é que a vida filial do cristão sob a guia do Espírito Santo será uma constante procura da vontade do Pai para se conformar a ela, por amor, e não por temor, porque o Espírito Santo é Aquele que liberta do medo do escravo e nos introduz na gloriosa liberdade dos filhos de Deus ( Veja Rm 8,14-16 e Gl 4,4-7)
4. O Espírito nos leva a orar como filhos de Deus
Rom 8,26-27
Sozinho, o homem pode unicamente pronunciar palavras e falar consigo mesmo, mas não orar. A oração é sempre dom do próprio Deus. A oração é ação de Deus e do homem. Brota do Espírito e de nós. O homem ainda vive imerso na flutuação dos acontecimentos, e por isso experimenta dificuldade em rezar, sem nem mesmo saber o que pedir. Por isso é preciso que o Espírito venha orar nele e por ele, intercedendo por Ele de acordo com a vontade do Pai. É na oração que tomamos cada vez mais consciência da nossa relação filial com Deus. Como ensina o Catecismo da Igreja Católica: "Na Nova Aliança, a oração é a relação viva dos filhos de Deus com Seu Pai infinitamente bom, com Seu Filho Jesus cristo, e com o Espírito Santo (…) A vida de oração desta forma consiste em estar habitualmente na presença do Deus três vezes Santo e em comunhão com Ele".

5. O Espírito nos transforma em testemunhas de Cristo
Jo 15,26-27

Não é possível testemunhar a Cristo sem a força do espírito santo. É dele que rece-bemos a força para testemunhar. S. Cirilo de Jerusalém dizia que “ se ninguém pode sequer dizer que Jesus Cristo é o Senhor, senão sob a ação do Espírito Santo (veja I Cor 12,3), quem poderá dar a vida por Jesus a não ser sob a ação do mesmo Espírito Santo?”

As testemunhas por excelência são os mártires (que em grego, significa exatamente “testemunhas”), os de ontem e os de hoje, os quais doaram a própria vida até o extremo, para com Deus e para com os homens. Mas todo cristão é chamada testemunhar o Evangelho com a doação da própria vida, ainda que isso não exija sempre o martírio de sangue, mas o das dificul-dades da vida cotidiano: solidão, doença, velhice, pobreza, incompreensões, fracassos da vida. Em todas essas coisas é o Espírito santo que intervém para nos fazer experimentar, na provação e no abandono, a “perfeita alegria”(Veja Tg 1,2 e IPd 4,14). Por isso, S, Francisco considera que “acima de todas as graças e dons do Espírito santo, as quais Cristo concede aos seus amigos, está o fato de vencer a si mesmo, e de boa vontade, por amor a Cristo, aguentar castigos, injúrias, opróbrios e incômodos”(Fioretti,VIII). Que os Batizados estejam conscientes de que ser cristão significa estar prontos para morrer por Cristo a cada momento, de tal modo que o martírio se prolongue assim em toda a sua vida.
O Espírito Santo ainda inspira e fortalece os “sucessores do mártires”, ou seja, os homens e mulheres consagrados na vida religiosa, que é um dom de Deus Pai à Sua Igreja, por meio do Espírito Santo.
Ainda ao lado deste “novos mártires”João Paulo II lembra o testemunho de tantos esposos cristãos que realizaram a sua vocação cristã no Matrimônio à custa de enormes sacrifí-cios.
Assim é que à frente de bispos, padres, diáconos, monges, virgens e fiéis leigos atra-vés de todas as nações, está o Espírito Santo, que preside e distribui a cada um o seu carisma.

6. O Espírito Santo nos conduz à liberdade de filhos de Deus
Romanos 8,1-12

Na seqüência da festa de Pentecostes, a Igreja reza assim ao Espírito Santo: “Sem a tua força nada existe no homem, nada de inocente. Lava o que é sujo, rega o que é árido, cura o que sangra. Dobra o que é rígido, aquece o que é frio, dirige o que está transviado”. Assim é que através doEspírito, o coração se eleva, os fracos são conduzidos pela mão, os defeituosos se tor-nam perfeitos. Mas além disso existe um fruto do Espírito que brota diretamente da Caridade e do fato de sermos filhos no Filho: a liberdade. Por isso, “quanto mais alguém tem Caridade, mais tem a liberdade” ( Veja ICor 3,17), porque é impulsionado a fugir do mal não por medo, mas por amor. Sto Tomás de Aquino ensina a esse respeito: “Ora, é exatamente isto que realiza o Espírito Santo, que aperfeiçoa inteiramente o nosso espírito, comunicando-lhe um dinamismo novo, de tal modo que ele se abstem do mal por amor”.

Mas a ação do Espírito Santo na vida do cristão não é automática. Este não permane-ce numa atitude passiva diante dessa ação, mas colabora nela, primeiramente eliminando o que pode impedir a obra do Espírito. Para isso, a vontade humana é uma condição essencial. Ensina S. Basílio, Bispo de Cesaréia, que “no que diz respeito à íntima união do Espírito Santo com o ser humano, não se trata de uma aproximação local, mas de exclusão de paixões”.
Esse processo de purificação é chamado nas Cartas, aos Gálatas e aos Romanos de “luta contra a carne”(Carne aí significa o homem decaído, sujeito ao poder do próprio egoísmo, e qe por isso vê tudo idolatricamente, em referência a si mesmo). Embora pelo Batismo o Espírito já lhe tenha sido dado, permanece a triste e ameaçadora possibilidade de “sufocar”as obras do Espírito e voltar a viver como escravos do próprio egoísmo.Por isto é que S. Paulo exorta a não nos sujeitarmos de novo ao jugo da escravidão, porque fomos chamados à liberdade (Veja Gl 5,1), e esta não deve dar nenhuma oportunidade à carne, já que seus desejos se opõem ao Espiri-to (Veja Gl 5,16-17) e onde está o Espírito, aí sim está a liberdade (Veja II Cor 3,17). Assim é que a ascese não constitui um conjunto de regras morais, mas um meio de adquirir o Espírito Santo, e com Ele, a verdadeira liberdade.

Seqüencia desta formação:

Seqüencia desta formação:

Seqüencia desta formação:

Parte I – DOM QUE NOS IMPULSIONA AO DOM
Parte II – O ESPÍRITO SANTO NA CRIAÇÃO


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *