Formação

Vida Orante

comshalom

Dom Orani João Tempesta


Nodia da Apresentação de Nossa Senhora, neste ano na véspera daSolenidade de Cristo Rei, comemoramos o Dia “das Religiosas deClausura”. É uma boa oportunidade para abrirmos nossas mentes e valorizar essa bela vocação na Igreja e descobrir sua importância no mundo.

Todosos cristãos têm a vocação de viver a vida na oração e no trabalho, ouseja, na missão e na vida de oração. Assim, também a Igreja necessitada vocação missionária radical e daquelas e daqueles vocacionados paraa intercessão orante e penitente. Em todos nós devem estar a ação e acontemplação, a oração e o trabalho, porém, como Igreja, agradecemos aDeus a existência de pessoas que fazem de suas vidas a ação pela oraçãoe penitência constante. É o mistério da vocação “de clausura”, chamadode Deus, que leva a pessoa a uma doação tal que a faz feliz em suamissão e disponível para o serviço do Reino.

Asnossas irmãs que vivem na clausura, como nos recorda o Papa Bento XVI,são uma “autêntica central de energia espiritual que se alimenta dafonte da contemplação, sob o exemplo da oração à qual Jesus se dedicavana solidão”, e exatamente por esse motivo estão em grau de olhar a simesmas, aos outros, à história dos homens e das mulheres com os olhosmisericordiosos de Cristo. “Não abdica ao seu modo de ver, mas aprendea ver verdadeiramente passando de uma perspectiva subjetiva – o seuestar diante de Cristo por todos – a uma perspectiva de conjunto,tentando ver o que vê Cristo, porque amar é olhar na mesma direção, émorar no mesmo olhar (Edith Stein). Isso significa entrar nascoordenadas de Cristo, habitar nas suas vísceras de ternura, estar namesma lágrima, aprender a ver no espírito das bem-aventuranças,contemplar a realidade suspensa entre o céu e a terra, tornando a ver,como o bom samaritano, quem para muitos é simplesmente invisível.

Lembra-nos a Intrução Verbo sponsa, nº 6 “pelasua específica chamada à união com Deus na contemplação, as monjas declausura encontram-se plenamente na comunhão da Igreja, tornando-se umsinal singular da união íntima com Deus de toda a comunidade cristã.Através da oração, particularmente pela celebração da liturgia, e dasua imolação quotidiana, elas intercedem por todo o povo de Deus eunem-se à ação de graças que Jesus Cristo eleva ao Pai (cf. 2 Cor 1,20;Ef 5,19-20)”.

Nestedia, memória da Apresentação de Nossa Senhora, a Igreja pede, hácinquenta anos, que dediquemos a nossa oração àquelas que sempre estãoa rezar por todos nós, e que concretizemos a nossa oração fazendotambém uma generosa oferta aos nossos Mosteiros.

Comodisse ainda Bento XVI: “Em virtude da primazia absoluta reservada aCristo, os mosteiros estão chamados a ser lugar nos quais se realize acelebração da glória de Deus, se adore e se cante a presença divina nomundo, misteriosa, porém real; trata-se de viver o mandamento novo doamor e do serviço recíproco, preparando assim ‘a revelação final dosfilhos de Deus’ ” (cf. Rm 8, 19).

Disseainda o Papa: “Possam os mosteiros ser sempre cada vez mais oásis devida ascética, onde se percebe o fascínio da união esponsal com Cristoe onde a opção pelo Absoluto de Deus se encontra envolvida por um climaconstante de oração e de contemplação”.

Por todas essas razões, em mais esta Jornada “Pro Orantibus”,unamo-nos ao reconhecimento grato de toda a nossa Arquidiocese a essasirmãs que, como oferenda perfeita, buscam ser quotidianamenteagradáveis ao Senhor.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *