Formação

Vocação e profissão

comshalom

Vivenciamos o “Ano Sacerdotal” numa oportunidade especial para que cadapresbítero renove seu propósito interior assumido no dia de suaordenação sacerdotal. Nas intenções do papa Bento XVI, o alvo a seratingido é aquele vivido pelo patrono dos padres, São João MariaVianney, o Cura d’Ars, na disponibilidade e entrega total de si mesmo.

Avida sacerdotal teve um íter diversificado nos vários momentos dahistória. Podemos destacar os inícios da Igreja, a Idade Média e ostempos modernos. No primeiro caso, o ministério sacerdotal era mais emsintonia com a comunidade. No segundo momento, dominava o clericalismoextremo. Na nova cultura, há uma tendência muito secularista.

Oque se observa hoje é um grande desgaste na identidade sacerdotal,tendo como atitudes os sinais de fidelidade e de mediocridade. Dentrodas críticas da cultura hodierna, que observa um lado obscuro da vidaclerical, falamos de vocação e de profissão. São dois caminhos derealização humana e distintos nos seus reais objetivos.

Quem sesente realmente vocacionado para a vida sacerdotal, tê-la comoprofissão não se satisfaz. A vocação supera o simples caminhoprofissional. Ela exige mais entrega de si mesma, de dedicação, empenhoe sacrifício. O seu caráter tem mais sentido de perenidade e dimensãodefinitiva. Vocação é serviço, é ser servo de todos e é dom do Espírito.

Comodom de Deus, a vocação deve corrigir, em todos os presbíteros, osimples acento funcionalista. O padre não pode ser funcionário dosagrado, principalmente por saber que a vocação brota do coração, dasua própria identidade, que ultrapassa, em muito, uma simples profissãoou funcionalismo do altar.

O bom profissional busca suashabilidades participando daquilo que o capacita para agir. Para isto háos cursos de “qualidade total” com requinte de perfeição. A qualidadedo sacerdote vem de sua experiência de vida com Deus. Sem isto, a açãodo padre não passa de uma profissão e perde sua força missionária.

Atônica da Igreja é o Povo de Deus, de onde surgem as vocações para avida sacerdotal. Podemos dizer que a vocação nasce do povo e é colocadaa serviço desse mesmo povo. Na nova cultura, todo padre corre o riscode cair na superficialidade, na cultura da imagem, não dando maissentido aos símbolos.

A estética, a aparência e osexteriorismos, também litúrgicos, reforçam a infecundidade doministério sacerdotal. A mídia é importante, atrai multidões, encantaas pessoas, mas exalta muito o aspecto individualista do cristão. Nemsempre consegue integrar as pessoas na vida comunitária.

Aofalar de encontro pessoal com Jesus Cristo, de conversão e dediscípulos missionários, a Igreja revela sua preocupação com aidentidade dos cristãos. Não adianta dizer “Senhor, Senhor”. É precisoagir com vocação alimentada no seguimento do Mestre, com convicção epropósitos firmes.

A partir de tudo exposto, fazendo uma totalrevisão nas nossas atitudes de vocacionados, podemos dizer que o AnoSacerdotal poderá atingir os objetivos almejados. Como sacerdotes,deixaremos de ser simples profissionais, para ser imagem do CristoSacerdote na construção do Povo de Deus.

Dom Paulo Mendes Peixoto


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *