Formação

Você conhece o pecado da gula?

O Catecismo, no parágrafo 1865, alerta-nos sobre o perigo dos vícios capitais e como eles podem nos arrastar para outros pecados

comshalom

Deus, em sua Providência, ao criar o ser humano, uniu o prazer às operações necessárias para manutenção da vida individual e da própria espécie humana para que estas tarefas fossem executadas mais facilmente. Uma destas operações vitais é a nutrição, pela qual ingerimos alimentos e bebidas e que, pelo sentido do paladar, nos causam boas sensações, até chegarmos à saciedade. No entanto, em muitas ocasiões, comemos e bebemos além limite de saciedade.

Aqui, devemos acender um alerta: será que estamos caindo no pecado da gula? Primeiramente, devemos definir o que seja este pecado. Segundo o teólogo dominicano frei Antonio Royo Marín, em sua obra “Teologia Moral para Leigos”, o pecado da gula é um “apetite desordenado por comida e bebida”.

Este pecado, como nos diz o Catecismo da Igreja Católica (CIC), é listado entre os Pecados Capitais, juntamente com a vaidade, avareza, inveja, ira, luxúria e a preguiça. Mas, o que quer dizer pecado capital? Podem ser entendidos como hábitos maus, sendo também chamados vícios. No caso da gula, por exemplo, é o mau hábito comer e beber apenas pelo prazer que a alimentação proporciona.

Conforme Royo Marín, este excesso pode vir a ser um pecado grave, ou seja, um pecado que nos tira do estado de graça e exige confissão sacramental, quando: quebramos preceitos de jejum e abstinência; causamos danos graves à saúde; perdemos o uso da razão por embriaguez; causamos um desperdício grave; quando causamos escândalo em quem nos rodeia pela atitude gulosa; entre outras atitudes. Não chegando a estes extremos, considera-se pecado venial.

O Catecismo, no parágrafo 1865, alerta-nos sobre o perigo dos vícios capitais e como eles podem nos arrastar para outros pecados. No caso do pecado da gula, uma desordem é gerada em nós: nossa inteligência deixa de ter domínio sobre nossa vontade e somos levados pelos apetites do paladar, tornando-nos escravos de nossos sentidos! Podemos passar da gula para a luxúria, o vício dos sentidos sexuais!

Mas calma, a Misericórdia de Deus sempre oferece remédios para nossas misérias! Para cada vício, há uma virtude que lhe é oposta e pela qual podemos combatê-lo, e a virtude que modera os prazeres sensíveis chama-se temperança.

Para nos livrarmos desse vício, podemos seguir alguns passos: primeiro, se você identificou-se com alguma dessas situações de pecado mortal, faça um bom exame de consciência, busque um sacerdote e confesse todos os seus pecados graves; depois, mantenha uma vida de oração constante, é pela oração que recebemos forças para lutar contra nossas más inclinações; além disso, faça penitências, a mortificação dos sentidos ajudará muito nesse processo!

Escolha penitências relacionadas à alimentação: o jejum, principalmente às sextas-feiras; escolher algum componente da refeição que você goste menos; sair da mesa ainda com um pouco de fome; abster-se de um alimento muito querido por algum tempo. Você pode discernir com o seu diretor espiritual ou acompanhador qual penitência melhor se encaixa na sua realidade. Tudo isso ajudará no processo de fortalecimento da vontade e educação do corpo, restituindo a ordem natural tão querida por Deus em sua criação!

José Pedro Alves Santos

Obra Shalom


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *