Notícias

7 virtudes do orçamento financeiro

A autêntica conversão passa pelo bolso. Veja como exercitar as virtudes na administração dos seus bens.

comshalom

O Papa Francisco tem afirmado repetidas vezes que a conversão passa pelo bolso. “Quando a conversão chega lá, então sabemos que é uma verdadeira conversão. Se ficar só nas palavras, nos gestos, não é uma boa conversão”, disse o Pontífice em uma de suas catequeses em 2019. Por isso, trouxemos uma lista com sete virtudes que você pode exercitar na administração dos seus bens. De acordo com a consagrada da Comunidade de Aliança e mentora de finanças, Gigliola Sena (@gigliolasena), estas virtudes são o segredo para um orçamento financeiro ordenada.

Leia também| Por que ordenar as finanças é tão difícil?

Temperança

O Catecismo da Igreja Católica define a temperança como “a virtude moral que modera a atração pelos prazeres e procura o equilíbrio no uso dos bens criados. Ela assegura o domínio da vontade sobre os instintos e mantém os desejos dentro dos limites da honestidade”. Sendo assim, a temperança é a virtude adequada para ser aplicada na administração das necessidades. Com ela, é possível combater as tentações do hedonismo e do consumismo.

Clique aqui e adquira o livro O Segredo da Providência Divina 

Prudência

“O sábio de coração será chamado prudente” (Pr 16,21). O Catecismo ensina que “a prudência é a virtude que dispõe a razão prática para discernir, em qualquer circunstância, nosso verdadeiro bem e para escolher os meios adequados para realizá-lo”. A prudência guia nossas decisões para a vontade de Deus.

Faz parte também desta virtude a previdência. A Bíblia traz vários exemplos de pessoas previdentes. Um deles, José do Egito, estocou trigo no tempo da fartura e, por isso, teve recursos para o período da fome. Traduzindo para os termos atuais, ser previdente seria organizar uma reserva de emergência. Porém, sem cair na idolatria ao dinheiro e na avareza.

Sabedoria

A sabedoria de coração governa muitas virtudes. Nesse sentido, a verdadeira sabedoria canaliza a inteligência para amar e servir a Deus. Assim, vista sob a perspectiva do orçamento financeiro, buscar esta virtude seria dedicar meios para alimentar a inteligência com conteúdos que nos ajudem a amar mais e servir melhor a Deus.

Gratidão

A virtude da gratidão integra duas ações: reconhecer e retribuir. Para reconhecer, é preciso enxergar aqueles bens que temos e que são dignos de gratidão. Dito de outra forma, enxergar as graças que Deus nos deu, o esforço constante do cônjuge, a dedicação e carinho dos pais, entre outros. E então retribuir, proporcionar aos outros a alegria que merecem. Portanto, na lógica do orçamento, a vivência da gratidão corresponde à devolução do dízimo (retribuição a Deus pelos dons que Ele nos dá) e aos presentes que proporcionamos de tempos em tempos as pessoas que amamos, bem como as doações que fazemos.

Justiça

“A justiça consiste na constante e firme vontade de dar a Deus e ao próximo o que lhes é devido”, ensina o Catecismo. Ela é uma das virtudes cardeais. Um dos deveres de justiça é o descanso. Ensinava São João Paulo II, “o homem tem que imitar a Deus tanto trabalhando quanto descansando, pois Deus mesmo quis apresentar-lhe a própria obra criadora sob a forma de trabalho e de descanso”. E São Josemaria Escrivá: “o descanso não é opcional, é um dever da lei moral natural e um preceito da Igreja, estabelecido como parte constitutiva da santificação das festas”.

Portanto, saber reservar parte do seu orçamento para o descanso e lazer da família é também uma forma de viver a virtude da justiça. Vale lembrar que descanso não se trata de ócio e moleza. Se assim fosse, não seria virtude. Descansar significa afastar-se das tarefas diárias para retomá-las com mais vigor e disposição. Dito de outra forma, é mudar de ocupação.

Autocontrole

O autocontrole ou autodomínio é a porta para fugir das tentações do consumismo. Na busca pela vivência do autocontrole nasce outra virtude, a sobriedade. Nesse sentido, ele nos ajuda a saber viver com o que é necessário e justo, sem cair na busca por bens supérfluos.  

Fortaleza

“A fortaleza é a virtude moral que, no meio das dificuldades, assegura a firmeza e a constância na prossecução do bem”, ensina o Catecismo. Dessa forma, a virtude da fortaleza nos ajuda a priorizar o bem dentro do orçamento financeiro. Por exemplo, se hoje a sua prioridade é quitar uma dívida, a fortaleza vai ajudar você a se manter firme nesse propósito, mesmo diante das dificuldades do caminho.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado.