Formação

A Igreja Doméstica e os primeiros templos cristãos

comshalom
Domus Ecclesiae Romana (Ilustração/Reprodução

O Cristão é a morada de Deus, a sua pessoa é o templo em que, pela graça do Batismo, a Santíssima Trindade habita. Nos primeiros 300 anos de sua existência, a Igreja foi perseguida e não pôde erigir templos. A Eucaristia era celebrada nas casas dos cristãos, que se tornavam verdadeiras Domus Ecclesiae – a Igreja Doméstica. Todos tinham consciência de que eram pedras vivas da Igreja.

De fato, São Pedro comentou: “Do mesmo modo vocês também, como pedras vivas, vão entrando na construção do templo espiritual, e formando um sacerdócio santo, destinado a oferecer sacrifícios espirituais que Deus aceita por meio de Jesus Cristo” (1Pd 2,5) e São Paulo Acrescentou: “Aquele que se une ao Senhor, forma com Ele um só espírito (…) ou vocês não sabem que o seu corpo é templo do Espírito Santo, que está em vocês e lhes foi dado por Deus?” (1Cor 6,17-19).

Domus Ecclesiae de S. Pedro – Cafarnaum (séc. IV)

Leia também| Por que existem espaços sagrados?

Outros locais comumente escolhidos para a celebração eucarística dos primeiros cristãos foram as catacumbas. E foi sob a terra que surgiram as primeiras expressões artísticas dos cristãos. A imagem mais antiga de Nossa Senhora de que se tem notícia foi pintada na catacumba de Priscila. Os cristãos tinham tanta fé na Ressurreição que, segundo o padre Marko Rupnik: “começaram lá mesmo onde o mundo desmoronou: no fracasso, na fraqueza, na morte”, “pois se Cristo não ressuscitou é vã a nossa fé” (1Cor 15,13).

Catacumba de Priscila

As primeiras Basílicas

Após três décadas de perseguições, com o Edito de Milão, em 313, o Imperador Constantino concedeu tolerância religiosa a todos os cristãos. Por sua ordem, foram construídas as Basílicas do Santo Sepulcro, do Santo Calvário e a de Belém, onde Jesus nasceu. 

Em Roma, o imperador ornamentou a Basílica de Latrão e construiu a primeira Basílica de São Pedro, sobre o túmulo do príncipe dos Apóstolos, na colina do Vaticano. Em suas gêneses, as basílicas romanas eram edifícios multifuncionais, que poderiam albergar áreas públicas, políticas, comerciais e sociais. Eram espaços de reunião destinados a assembleias cívicas, funcionando muitas vezes como tribunais ou espaços comerciais (para leilões). Elas eram os edifícios centrais e indispensáveis em qualquer cidade importante. Nelas, o Imperador se manifestava ao povo, ensinava e julgava. O atrium era o lugar da recepção. Esses edifícios, desse modo, se tornaram a construção romana mais adequada ao culto cristão.

Catedral de Monreale, Sicília – Itália

O estilo Romântico

Esse gênero é chamado assim porque teológica e plasticamente expressa bem o sentido católico. É a arte da unidade europeia. Na arquitetura, é uma continuidade das basílicas e, como nelas, não há janelas; se existem, estão fechadas com pedras de alabastro, deixando entrar somente a luz humilde que não fere a retina, símbolo do Espírito Santo. Há pequenas seteiras para ventilação. 

A construção em estilo Romântico é reforçada por sua solidez em pedra e muitas formas redondas e quadradas, com ou sem campanários (torres), significando a Jerusalém Celeste que se visualiza sobretudo no seu interior ou a fortaleza, o próprio Senhor que protege o seu povo. Essas igrejas estão sempre com o pórtico voltado para o oriente, pois “a salvação vem do oriente” (cf. Ez 43,1-5). É um estilo plenamente simbólico. Seus pórticos e capitéis são bíblias de pedra com esculturas sacras em que apenas um simples detalhe poderia originar uma tese de mestrado.

A Catedral de Pisa com o seu Batistério circular e sua torre inclinada foi concluída em 1092.

O Gótico

“Godo” é uma palavra nórdica que quer dizer “pinheiro”. Não quer só dizer elevação, mas uma floresta de pinheiros, lugar do obscuro, do Sagrado. As igrejas góticas são, assim, imensas e altíssimas Basílicas onde se desenvolvem os arcos ogivais. 

Com suas torres esguias e pontiagudas, suas paredes mais finas e leves dão lugar a imensos vitrais de temas religiosos. A luz do sol filtrada pela Palavra Divina nas figuras dos vitrais refletirá sobre os fiéis como símbolo da graça. Charles Péguy, escritor e poeta francês do início do século XX, converteu-se na Catedral de Chartres. A Bíblia Pauperum se manifesta nas muitas estátuas em pedra, sendo algumas mais humanizadas. Em algumas das Catedrais góticas, cabiam a toda a população da cidade, tal como está dito na obra “A Cidade de Deus” de Santo Agostinho.

Catedral de Chartres – França

Confira| A origem dos espaços sagrados

 

Cassiano Azevedo
Consagrado Comunidade de Vida
Arquiteto  com especialização em Arte Sacra

Você pode ajudar a construir um Espaço Sagrado, contribuindo na construção da Igreja do Ressuscitado que passou pela Cruz. Saiba como:

Serviço

Jantar Beneficente
Quando: 29 de novembro às 19h com a Santa Missa
Local: Igreja do Ressuscitado, Aquiraz – CE
Contato: (85) 99268-0930 – Gleyse

Convites*
Individual – R$300

Duas pessoas – R$500
*Os convites dão direito a buffet completo e bebidas (água, suco e refrigerante)
Clique e adquira seu convite

Confira: 

Jantar Beneficente retorna à Igreja do Ressuscitado que passou pela Cruz


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado.