Notícias

Amor em atos: A rotina de uma mãe missionária na Pandemia

Diante dos desafios, grandes graças também vem em auxílio daquelas que ofertaram as suas vidas por amor.

Ser mãe já é uma grande aventura, em tempos de isolamento social essa aventura aumenta e carrega consigo muitas graças para quem sabe enxergar cada detalhe com um o olhar de fé.

Para a missionária da Comunidade de Vida Shalom, Maianna Santos (32), mãe do Pietro (4) e do Giovanni, que vai completar 3 meses, o isolamento social tem sido um tempo desafiante, porém nele também encontram-se várias graças. Uma delas foi a possibilidade de estar mais próximo dos seus, principalmente nestes primeiros meses do recém-nascido:

“Os primeiros meses de um bebê exigem uma atenção redobrada, uma presença muito segura para a criança e uma rotina especial para a mãe que amamenta, no normal o Pietro estaria indo a escola, eu estaria temporariamente afastada das atividades apostólicas e o Sidney como Responsável Local (Missão de Recife), precisaria se dividir mais entre a casa e o Centro de Evangelização. O tempo que vivemos não é fácil, mas por ele posso me sentir mais acolhida, menos só… Haveria uma solidão sadia e natural, porém desafiante… Hoje, posso viver esse tempo de uma forma diferente, cercada pela família”.

_____________

Com a chegada do Giovanni também é necessário trabalhar o novo na vida do irmão mais velho, que agora terá a atenção partilhada. Maianna conta que com a família toda em casa, o Pietro ganhou também uma “segurança” de que não está sendo deixado de lado por outro, é possível agora dividir a atenção com um maior empenho, incluir o Pietro na vida do irmão e mostrar a ele que a chegada de um novo membro da família não o exclui.

Entreter, gastar as energias e zelar pelos vizinhos

Uma dos desafios para muitas mães neste período, principalmente aquelas que moram em apartamento, é zelar pela paz na vizinhança com crianças animadas e cheias de energia para gastar.

“O isolamento tem intensificado em nós – pais – o dom da criatividade. A escola do Pietro tem enviado as tarefas, mas nós também somos responsáveis por gerar o envolvimento dele com cada atividade. Isso tem ajudado a gastar as energias – antes depositadas na escola e nas brincadeiras no parque.

O que tem feito a diferença é o diálogo. Mesmo pequeno, o Pietro entende quando o pai está trabalhando, explicamos e até ele ver que o pai parou de trabalhar, consegue se envolver em outras coisas sem interrompe-lo. Então, dialogar com as crianças é uma grande chave.”

Casa, bebê, criança, esposo… Deus

Maianna conta também que estar em casa neste tempo tem permitido a ela coisas que não viveria no tempo comum da missão:

“Tenho a adoração comunitária em minha casa através da LiveSh, isso me consolou muito! Posso ali, diante da TV com o bebê nos braços, às vezes com o mais velho brincando, ouvir a Deus na adoração, rezar o Santo Terço com a Comunidade, coisas que inicialmente não viveria pela necessidade de estar em casa… Como também, como família, assistir a missa todos juntos.”

Dicas para as mamães neste tempo

Para as mães, Maianna aponta três passos que tem feito a diferença na vida dela durante a quarentena. A primeira é aproveitar todas as chances de rezar, principalmente com a programação da LiveSh, momentos que formam e fortalecem os corações e os unem mais.

É importante, mesmo com os desafios, lutar ao máximo para manter a oração, pois neste tempo de pós parto (no caso de Maianna), o ser mãe está se reorganizando e a oração vai trazendo a paz que é necessária para organizar a vida do lar.

A segunda, é elaborar listas quando tudo parecer confuso:

“Muitas vezes, esse é meu primeiro passo para colocar a casa em ordem, o cardápio da semana, as coisas que preciso fazer e até mesmo a rotina das crianças que são bem específicas. Anotar sempre me ajuda a esvaziar a mente e minhas próprias agitações e recomeçar cuidando das coisas como elas merecem. Ficou confuso? Pare, respire e anote. Isso nos ajuda até a lidar melhor com os inúmeros imprevistos que surgem em casa”.

Por último, Maianna adverte a necessidade de zelar pelas orientações de prevenção e pelos cuidados especiais com os recém-nascidos:

“Sabemos que as crianças não estão na faixa de risco, mas isso não é motivo para diminuir os cuidados com os pequenos. Precisamos, com esperança, seguir as recomendações de higienização da casa e das mãos, até porque o bebê está tendo a imunidade construída”, conclui.

Especial mães na Pandemia

Carta de uma mãe de primeira viagem: Quando sonhei com você pela primeira vez

Grávida na Pandemia: A vida pulsa e espera o momento da chegada do filho ao mundo


Comentários

[fbcomments]

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *