Shalom

Ao meu amado Jesus

Poderia tudo fazer. Mas não querias deixar-me viver sem saber de seus cuidados

Fez um caminho, deixou pegadas, bem claras, para eu que te seguisse.

Na montanha da paz, queria que eu te encontrasse.

Foto: shalombh

Vivendo de instantes deixei-te.

Pacientemente, aguardou-me parar.

Não se contentou com um simples “olá”

Quis ficar,

Quis que eu ficasse,

Conquistou-me no cotidiano.

Nas horas que dispensava a Ti, sem saber que ali era o meu lugar, Tú se fazias ouvir.

No início, não percebia com clareza o que me falavas.

Pensava que só queria conduzir-me por onde queria que eu caminhasse.

Pobre de mim!

Confinava as suas ações dentro do meu entendimento imperfeito de como era seu divino jeito de amar.

Humanizava seu amor.

Tu não te afastaste de mim.

Tu não te afastaste ao me ver diminuir seu amor.

Diminuas a Ti, quando pensava que Te conhecia.

Sendo quem és,

Sendo Aquele que o universo não pode conter,

Tu te continhas para amar-me.

Que criatura suportaria um pouco de Ti?

Abaixava-se a mim,

E me fazia entender o máximo que meu nada de Ti pode compreender.

Um pouco, muito pouco, do Seu amor já é uma muito elevado para esse pequenino ser.

Como suportar tanto amor?

Como entender o que em mim se inaugurou?

Abaixou-se a mim

E sendo quem és, por vontade incriada, desceu de sua realeza para cuidar da minha pobreza.

Colocou-me no jardim.

Cheguei a pensar que  Tú só se preocupava com o caminho.

Cheguei a pensar que dispensavas teu tempo comigo porque precisavas de mim.

Cheguei a pensar que Tu só acolherias meu sofrimento e que sua vontade morava na contrariedade dos meu querer.

Cheguei a pensar que Tu rias dos meus pensamentos;

Pensei tantas coisas!

Nenhuma delas ocultas a Ti.

Pobre e rica de mim.

Rica por ser feliz vítima do seu amor,

Pobre por ser quem eu sou.

Acaso pode a criatura surpreender o criador?

Acaso pode a criatura pensar que Deus é o avesso?

Não é antes o certo que indica a contrariedade?

Acaso pode o criador depender da criatura?

Pobre de mim!

Humanizava seu amor.

Buscava lógica onde se forma o pensamento,

Buscava com lógica o que não tenho sabedoria para compreender,

Por sua misericórdia, parei de muito pensar.

Fui vivendo aprendendo a “desquerer” o que muito já quis.

Fui descobrindo que quanto mais abandonava meu querer mais queria a Ti.

Fui descobrindo que Tu me querias por perto,

Que Tu não querias muitas coisas de mim.

Que muitas das vezes que me falava, não era para ordenar-me.

Era só para estar junto,

Tu me queres por perto,

E, como muito andas, queres que eu esteja onde estiveres.

Por onde for lá estarei,

Porque não há amor que me ame assim, por nada,

Queres a mim para nada quereres de mim

Quero a ti, para nada querer de Ti.

 

Por: Karina Giancotti

 

Se você quer passar tempo com Jesus, a capela em nosso centro de evangelização fica aberta de segunda a domingo das 14h:oomin. às 22h:00min. na Av. Olegario Maciel, 1195, bairro Lourdes em Belo Horizonte. 

 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *