Formação

Apostar na caridade

comshalom

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

    AIgreja Católica celebrou, mais uma vez, a festa de Corpus Christi. Estacelebração nasceu, séculos atrás, da necessidade e do compromisso demanifestação pública da fé. Esta necessidade e compromisso continuamatuais como exigências na vida dos discípulos e discípulas de JesusCristo. Na verdade, a Eucaristia, mistério que se crê, celebra e évivido, é o programa de vida de todos os que se congregam na Igreja naexperiência indispensável do seguimento a Jesus Cristo. A Eucaristia émistério da fé. É o resumo e a súmula da fé de todos aqueles que crêemem Cristo.

    Essaimportância singular da Eucaristia se explicita de modo sintético ecompleto no ensinamento que o Senhor Jesus fez a Nicodemos, naquelanoite quando ele, mestre em Israel, foi se encontrar com o “mestre dosmestres”, num diálogo narrado no capítulo três do Evangelho de SãoJoão: “De fato, Deus amou tanto o mundo, que deu o seu filho único,para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vidaeterna”. Essas palavras revelam a raiz última do dom de Deus. NaEucaristia Jesus não dá alguma coisa, mas dá-se a si mesmo, ao entregaro seu corpo e derramar o seu sangue. A oferta da totalidade de sua vidamanifesta a fonte originária desse amor. Jesus Cristo é o filho amado eeterno que Deus Pai entregou por nós. Esse é o mistério pascal do qualnasce a Igreja.

    AEucaristia é o sacramento por excelência desse mistério pascal. Porisso, a Eucaristia é o centro da vida da Igreja – que nasce e vive daEucaristia. Na celebração eucarística a Igreja volta os olhos da almapara o tríduo da páscoa, paixão, morte e ressurreição do Senhor Jesus,que está guardado e concentrado para sempre no dom eucarístico. A missaé, pois, ao mesmo tempo, e inseparavelmente, o memorial sacrifical emque se perpetua o sacrifício da cruz e o banquete sagrado da comunhãodo corpo e sangue do Senhor. O sacrifício redentor de Cristo e o daEucaristia – a missa é um único sacrifício. É nesse momento que tornapresente o único e definitivo sacrifício redentor de Cristo. Fazei istoem memória de mim é mandato do Senhor Jesus que sela na oferta do seucorpo e sangue uma nova e eterna aliança – que é nova e eterna e afonte da vida perene e de renovação da vida enquanto se atravessa oscaminhos da história nesse tempo.

    Dessemistério de amor e de fé nasce e vive a Igreja. Ao manifestarpublicamente a sua fé eucarística, ela se dá a conhecer como Igreja daEucaristia, expondo publicamente as suas raízes e a razões queconfiguram a sua fidelidade e o seu compromisso. A festa de CorpusChristi como manifestação pública se torna, particularmente, aexperiência de um banho, aos olhos do mundo, do qual a Igreja sai maisconsciente de sua identidade e missão, sobretudo com clarividênciascontundentes quanto ao seu compromisso de apostar na caridade.  Acomunhão que a Eucaristia gera na Igreja desdobra-se, como prova de suaautenticidade, em caridade, como serviço universal que devefrutificar-se no compromisso de um amor ativo e concreto por cada serhumano. A aposta na caridade é, pois, um desdobramento cotidiano daEucaristia  celebrada, e medida da fidelidade da Igreja a Cristo seuesposo.

    Aplena comunhão com o Senhor Jesus é, sobretudo, a capacidade de vê-lo,gerando comprometimento, no rosto daqueles com quem Ele mesmo quis seidentificar, quando disse, narra o evangelho de Mateus no capítulovinte e cinco: “Porque tive fome e me destes de comer, tive sede edestes-me de beber; era peregrino e me recolhestes; estava nu e mevestistes; adoeci e me visitastes; estive na prisão e fostes tercomigo”. A Eucaristia como fonte perene de graças para a aposta nacaridade, sem excluir ninguém do amor, aponta na pessoa dos pobres umaespecial presença de Cristo, obrigando a Igreja a uma opçãopreferencial por eles, como sublinha o Papa João Paulo II na sua CartaApostólica, n. 49, para o início do novo milênio. A Eucaristia é pãopartido para vida do mundo. É uma luz que se projeta sobre as sombrasdesse tempo interpelando a sensibilidade cristã, com a ingente tarefade ajudar a purificar a razão contemporânea de sua gravíssima cegueiraética, derivada, como recorda o Papa Bento XVI, na sua Carta Encíclica,“Deus Caritas est”, n.28, do interesse e do poder que a deslumbra,perigo nunca totalmente eliminado.

    Ora,continuam as contradições de um crescimento econômico, cultural etecnológico, oferecendo a afortunados grandes possibilidades, edeixando milhões e milhões de pessoas não só à margem do progresso, masvivendo em condições muito inferiores ao que é devido à dignidadehumana. Esse é ainda, lamentavelmente, um tempo de gente que morre defome, condenada ao analfabetismo, sem cuidados médicos básicos, semcasa para morar, e tantos outros elementos de um cenário que escancaracontradições vergonhosas. A festa de Corpus Christi é interpelação:aposta na caridade.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *